Nikki Sixx: fuzil AK-47 e jiboia são exigências para turnê

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Ver Acessos


A mais tradicional revista - e única semanal do mundo - de metal do Reino Unido, a KERRANG!, conduziu recentemente uma entrevista com o baixista do MÖTLEY CRÜE, NIKKI SIXX, na qual ele compartilha como gasta seu dinheiro, suas exigências para camarins em shows, como é a dinâmica entre os membros de sua banda, e seus problemas com a lei.

Guitar World: os 100 melhores guitarristas de hard rockTotal Guitar: os 20 melhores riffs de guitarra da história

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O que segue abaixo é a tradução de alguns dos trechos da entrevista:

[...] Você já derramou sangue em nome do rock?

"Tantas vezes. No palco, eu já me cortei em coisas, caí de e em cima de coisas, e houve muitas mordidas humanas. O que posso dizer, o Mötley Crüe, costumava ter esse hábito de morder tudo, incluindo a nós mesmo. O lance de estar em uma gangue é que você se sente seguro,meio que numa matilha de cães, mas o Mötley sempre teve o costume de se voltar contra nós mesmos, mediante oportunidade."

Qual o pior estado no qual você já deixou um quarto de hotel?

"Houve muitas TV jogadas pela janela, mas o maior estrago que já fizemos foi na verdade fora do hotel. Estávamos ficando em um hotel cinco estrelas em Paris, e chegamos muito tarde e tinha essas portas de vidro de 4 metros por 4, com essas enormes maçanetas de bronze trancadas. Vince [Neil] gritou, 'Abre a porra da porta! ' e as chutou - e o vidro inteiro se estilhaçou! Ele só ficou com uma maçaneta na mão dele! Ele foi direto até o balcão da recepção, colocou a maçaneta em cima, e disse, 'Eu não tenho chave pro meu quarto', como se nada tivesse ocorrido. Isso custou 24 mil dólares."

Você já teve algum problema com a lei?

"Levando-se em conta o comportamento de nossa banda, tivemos muita sorte. Eu na maioria das vezes fui preso por coisas como passar do limite de velocidade, e algumas vezes por incitar um tumulto. Eu parei de beber e dirigir muito cedo, e eu nunca fui preso por drogas. Eu ainda fico impressionado que não tenhamos sido presos por isso porque nós CONTÁVAMOS PAPO sobre quanta cocaína e heroína e pílulas usávamos. Mas ninguém jamais se incomodou e bateu à porta.!" [...]

[...] Qual a coisa mais extravagante que você já comprou?

"Carros esporte são minha fraqueza, e eu comprei uma Ferrari Testarossa por cerca de 250 mil dólares. Como foi isso? Nem um pouco ruim! A casa em que cresci em Idaho com meus avós custou 13 mil dólares. Quando você olha por esse ângulo, eu acho que é tipo, 'o caipira se deu bem! '" [...]

[...] Qual sua exigência mais louca já feita pra um show?

"Quando eu parei de beber, minha lista de exigências ficou tão chata que eu tinha vergonha dela. Então, até hoje, ela inclui um fuzil de assalto AK-47 e uma jiboia constritora. De vez em quando um promotor com senso de humor aparece com um ou outro. Eu não os levo pra casa, mas é sempre divertido." [...]

Entrevista completa - em inglês - clicando aqui.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Motley Crue"Todas as matérias sobre "Nikki Sixx"


Motley Crue: Vince dá sua versão do racha da banda em 1992Motley Crue
Vince dá sua versão do racha da banda em 1992

Power Ballads: As 10 piores já escritasPower Ballads
As 10 piores já escritas


Guitar World: os 100 melhores guitarristas de hard rockGuitar World
Os 100 melhores guitarristas de hard rock

Total Guitar: os 20 melhores riffs de guitarra da históriaTotal Guitar
Os 20 melhores riffs de guitarra da história


Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

adGoo336