Amoeba Music: maior loja de discos abre site revolucionário

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Nacho Belgrande, Fonte: Playa Del Nacho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Matéria de 03/02/13. Quer matérias recentes sobre Rock e Heavy Metal?


1651 acessosAnos 90: Antes da Internet as Fitas K7 eram a Salvação no Rock5000 acessosPorn Metal: Filmes para inspirar os headbangers solitários

A mega-varejista musical sediada na Califórnia AMOEBA MUSIC, a última grande loja de discos, entrou pra era digital com os dois pés, inaugurando um novo e belo web site reformulado. E possivelmente o elemento mais intrigante desse site, e um reflexo direto da filosofia ‘cava mais fundo’ da Amoeba, é a assim chamada seção ‘Vinyl Vaults’ – milhares de LPs, discos de 78 e 45 RPM raros e fora de catálogo que fluem nas três lojas da empresa a todo instante – mas agora disponíveis para venda através de download pago.

“Temos digitalizado bastante”, diz JIM HENDERSON, que é dono da Amoeba junto com os sócios MARC WEINSTEIN, KAREN PEARSON e DAVE PRINZ. “O que você vê agora é o que ficou perdido, não foi valorizado, tudo de gravadoras falidas, artistas obscuros, coisa que a gente realmente apoia. A maioria é rock, com muito jazz, muito blues, um pouco de country, alguns falados. Tem esquisitices, claro.”

Muitos dos LPs tem sido remasterizados a partir da melhor referência encontrada em vinil. Já há 1000 títulos à venda, mas a Amoeba vai adicionar de 10 a 15 todo dia.

Weinstein afirma que caso uma venda seja feita, o dinheiro vai para uma conta de garantia. “Se alguém disser, ‘Esse disco é meu’, bem, OK, podemos retirá-lo ou vendê-lo, e você fica com esse belo master digital. Vamos vender o disco, vamos promovê-lo, vamos assinar um contrato.”

O site – www.amoeba.com – que tem vendido CDs, discos de vinil, DVDs, acessórios, tranqueirada e colecionáveis já há 18 meses, e enviando-os [DE GRAÇA] para colecionadores ao redor do mundo – foi lançado em sua versão beta no dia 2 de outubro passado.

O site oferece agora uma vasta gama de downloads digitais, que incluem não só a coleção de vinis raros, mas também uma referência de mais de 4500 biografias de artistas e mais de 6500 resenhas.

A arrumação da casa levou seis anos, a um custo estimado pelos sócios da Amoeba como em torno de 11 milhões de dólares. O projeto empregou 200 pessoas.

A Amoeba está vendendo seus ‘Vinyl Vaults’, que podem ter amostras ouvidas via streaming no site em três categorias de preço, de acordo com a qualidade das faixas: 78 centavos por um MP3, 80 centavos por um M4A Lossless e US$ 1.50 por um WAV.

Não importa qual o formato preferido, as faixas mais antigas passaram por uma extensa faxina sônica, assim como por uma remasterização que assombra os discos de 78 RPM. “Há percussão e outras coisas que você não conseguia ouvir num disco de 78”, diz Weinstein. “Nós temos um engenheiro em particular que de fato conseguiu lidar com as inconsistências, estática, tudo para extrair todo o som sem perder nada.”

No ramo há 22 anos, a Amoeba tem agora 500 empregados e opera as três maiores lojas de discos dos EUA: sua loja original de 1000 metros quadrados em Berkeley deu inicio a tudo em 1991. A filial de 1800 metros quadrados em São Francisco abriu em 1997em um antigo boliche. E sua maior localização, a de2600 metros quadrados e dois andares em Hollywood foi inaugurada em Novembro de 2001.

Apesar da queda em vendas que atingem toda a indústria, as cifras da Amoeba não caíram em 2012 se comparadas às do ano anterior – a empresa permanece sendo uma Mecca para consumidores de música, mesmo uma década depois do fechamento de lojas rivais, como a Tower Records e as Virgin Megastores.

Mas enquanto a Amoeba entra para o admirável mundo novo do varejo digital, a loja não vislumbra de modo algum sair da venda de produtos físicos. Na verdade, os sócios veem seu projeto na rede como um anexo aos negócios tradicionais da empresa.

“Nosso objetivo é ter um site que ajude a divulgar as lojas”, diz Henderson. “Nós vemos isso como uma relação muito cíclica, e o próximo passo lógico a ser dado por nós.”

Henderson afirma que ele sente que o site poderia ser uma fonte de lucro se a Amoeba conseguir fazer com que as grandes gravadoras se juntem a eles e o Vinyl Vaults se torne popular. Weinstein vê o site como um imã para audiófilos.

“Adoraríamos sertão abrangentes como achamos que todo tarado por discos quer que sejamos”, ele diz, ”então há um lugar pra ver a profundidade do catálogo de todo mundo, para aprender mais sobre eles e trocar informação com outros colecionadores.”

Texto na íntegra- em inglês: http://playadelnacho.wordpress.com/2013/02/03/amoeba-records-goes-online-but-retains-brick-and-mortar-biz/

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 04 de fevereiro de 2013

Anos 90Anos 90
Antes da Intenet as Fitas K7 eram a Salvação no Rock

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Indústria Musical"

O Som do LP de vinil é superior?O Som do LP de vinil é superior?
Sabe de nada, inocente!

IndústriaIndústria
Atrizes pornô começam a seguir rumo das bandas

Saúde PúblicaSaúde Pública
18 sinais de que você é viciado em discos de vinil

0 acessosTodas as matérias da seção Notícias0 acessosTodas as matérias sobre "Indústria Musical"

Porn MetalPorn Metal
Filmes para inspirar os headbangers solitários

Rock in RioRock in Rio
Algumas das maiores vaias em edições nacionais

CoverCover
15 bandas que são quase tão boas quanto o original

5000 acessosZakk Wylde: cinco momentos insanos do guitarrista5000 acessosIron Maiden: o equipamento de palco da World Slavery Tour5000 acessosMarilyn Manson: "perdi tudo por causa de Columbine"5000 acessosOzzy Osbourne: Madman revela pacto de suicídio com esposa Sharon3325 acessosAvenged Sevenfold: baterista de 10 anos detonando "Nightmare"5000 acessosRegis Tadeu: a experiência única de ouvir os álbuns do Rammstein

Sobre Nacho Belgrande

Nacho Belgrande foi desde 2004 um dos colaboradores mais lidos do Whiplash.Net. Faleceu no dia 2 de novembro de 2016, vítima de um infarte fulminante. Era extremamente reservado e poucos o conheciam pessoalmente. Estes poucos invariavelmente comentam o quanto era uma pessoa encantadora, ao contrário da persona irascível que encarnou na Internet para irritar tantos mas divertir tantos mais. Por este motivo muitos nunca acreditarão em sua morte. Ele ficaria feliz em saber que até sua morte foi motivo de discórdia e teorias conspiratórias. Mandou bem até o final, Nacho! Valeu! :-)

Mais matérias de Nacho Belgrande no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online