UFO em Goiânia: o último show da turnê brasileira

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcelo Melgaço
Enviar Correções  

Há pouco menos de três anos o UFO se apresentou pela primeira vez no Brasil e em Goiânia, aqui graças ao meu amigo Rodrigo Carrilho, que já trouxe ao seu Bolshoi Pub - a única casa de shows do Brasil onde se vê o melhor do hard e heavy degustando uma Guinness "on tap" -, no coração do Brasil, lendas do naipe de Glenn Hughes, o mítico ex-UFO Michael Schenker e UDO, além dos mestres do jazz/fusion Mike Stern e Stanley Jordan.

Pete Way: o baixista do Hard Rock que é pai do Heavy Metal (podcast)

Enjaulados: Os crimes mais chocantes da história do rock

Apesar desses e outros grandes shows que tive a oportunidade de assistir no Bolshoi, o melhor que havia visto, até ontem, havia sido... o próprio UFO. O Rodrigo alertou-me, à tarde por telefone e logo antes do começo da apresentação, que a banda estava muito feliz e tranquila - último show da turnê pelo Brasil e última apresentação antes da vindoura turnê de junho pela Europa, participando de alguns dos maiores festivais do Velho Mundo como Download e Sweden Rock.

Acontece que a banda conseguiu superar-se em relação a 2010. Phil Mogg, apesar dos 65 anos recém-completados, cantou DEMAIS! Vinnie Moore dispensa comentários, Andy Parker desceu o braço com a mesma disposição de três anos atrás e Paul Raymond comandou os teclados e guitarra base com a experiência costumeira, enquanto Rob de Luca encarou o desafio de substituir Pete Way.

Não anotei o setlist, mas não foi menor que as mesmas 15 músicas de SP e Rio, sendo única ressalva a falha no som da guitarra de Vinnie Moore durante a execução de uma de minhas favoritas - Too Hot To Handle. Wonderland foi, para mim, um destaque, mais arrastada e pesada que na versão de estúdio, já comentado em resenha de um dos shows anteriores.

Sob o risco de soar repetitivo, aguardo o retorno do UFO em turnês vindouras. O fato - raríssimo para uma banda tão longeva, com tanta história e de repertório recheado de clássicos - de tocarem mais de 1/4 das músicas oriundas de álbuns "era" Vinnie Moore, incluindo três do mais recente, é uma evidência inconteste de que o UFO ainda tem muito fôlego não só para se mostrar, mas para criar.


adWhipDin adWhipDin adWhipDin