Metallica: James e Lars têm pontos de vista políticos diferentes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Bruce William, Fonte: Blabbermouth, Tradução
Enviar Correções  

A Vulture perguntou para Lars Ulrich, que nunca escondeu seu ponto de vista liberal, se ele já discutiu política com James Hetfield, que no passado descreveu a si mesmo como sendo conservador em termos políticos. "Juro pra você, falo com James sobre qualquer coisa, mas nunca conversamos deliberadamente sobre política. Estamos juntos há 35 anos, e claro que já participamos em conjunto de uma conversa que resvalou pra política, mas eu e James sozinhos conversando sobre nossos pontos de vista político, isto nunca aconteceu".

Metallica: nova versão de "Nothing Else Matters" em trilha sonora de filme da Disney

Metal: Gibson.com enumera 50 melhores músicas do gênero

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ao ser perguntado sobre como é possível alguém conviver 35 anos com outra pessoa e nunca falar sobre política, Lars respondeu: "Você tem que entender que o Metallica é composto por quatro pessoas de lugares diferentes com origens diferentes do lugar onde vivemos hoje. O que nos une é o amor pela música que fazemos e nos sentimos como quatro forasteiros tentando entender que diabos estamos fazendo aqui. Não nos unimos por razões culturais ou políticas. Nos juntamos pois nos sentíamos perdidos e tentávamos encontrar um pouco de sentido de pertencer a algo maior que nós mesmos. Posso ficar aqui falando sobre política durante toda a noite, mas não acho necessário discutir isto em uma entrevista. Metallica é um grupo, mas nunca sentimos necessidade de ser este tipo de banda que se reúne para definir 'okay, qual nosso ponto de vista comum sobre o mundo?'"

Em outra declaração recente para a BBC, James Hetfield disse que o Metallica se mantém afastado de tópicos como política ou religião pois "parece que estas coisas polarizam as pessoas cada vez mais. Temos nossas crenças, mas no fim das contas, tentamos nos conectar com as pessoas e a política não é capaz disto tanto quanto a música".


Goo336x280 GooAdapHor