Charlie Brown Jr: veja alguns vídeos do show no aniversário de São Paulo

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Igor Miranda, Fonte: UOL / Instagram
Enviar correções  |  Ver Acessos

O primeiro show em tributo ao Charlie Brown Jr. com vocalistas convidados foi realizado, na última sexta-feira (25), no Vale do Anhangabaú. A apresentação ocorreu durante evento que celebrou o aniversário da cidade de São Paulo.

Charlie Brown Jr: álbum Bocas Ordinárias, de 2002, é lançado em vinilKiss x Secos & Molhados: o fim da polêmica

De acordo com o site UOL, a chuva afastou um pouco o público e atrasou em 12 minutos o início do show. No entanto, ainda segundo a publicação, a plateia correspondeu à performance e ao repertório, que contou com hits do porte de "Papo Reto", "Proibida pra Mim" e "Zóio de Lula".

Alguns dos vocalistas anunciados anteriormente não compareceram. Dinho Ouro Preto, do Capital Inical, revelou pelas redes sociais que não iria ao evento. Digão, dos Raimundos, também não marcou presença.

Os vocais foram assumidos por Di Ferrero (NX Zero, em "Só Por Uma Noite" e "Lutar Pelo Que é Meu"), Supla (em Rubão" e "Hoje Eu Acordei Feliz"), Projota (em "Dias de Luta, Dias de Glória" e "Só Os Loucos Sabem") e Panda (La Raza) - este último deve ser o cantor oficial do tributo nas próximas datas, que chegarão a outras cidades em uma nova turnê. Houve espaço, ainda, para que o falecido Chorão aparecesse no telão e "cantasse" músicas como "Me Encontra" e "Te Levar". Imagens do baixista Champignon, que cometeu suicídio alguns meses após o cantor ter morrido, também foram notadas na projeção.

O instrumental, conforme anunciado anteriormente, ficou a cargo de três músicos que integraram o Charlie Brown Jr. em diferentes momentos. São eles: o guitarrista Marcão Brito (1992 a 2005 e 2011 a 2013), o baixista Heitor Gomes (2005 a 2011) e o baterista André "Pinguim" Ruas" (2005 a 2008).

Veja, a seguir, alguns vídeos da apresentação:

Reunião polêmica

O anúncio do show do Charlie Brown Jr. no Vale do Anhangabaú foi acompanhado de muita polêmica. Nas redes sociais, foi anunciado que não seria apenas uma homenagem, mas, sim uma volta à ativa - com direito a uma turnê, que ainda está mantida.

"Não é homenagem. O Charlie Brown Jr. vai voltar à ativa em 2019. A gente vai fazer uma turnê grande, foda, pesada. Vai ser do c*ralho", havia dito Alexandre Abrão, anteriormente, também por meio do Instagram.

O retorno, capitaneado por Alexandre Abrão, filho de Chorão, dividiu a opinião de fãs. Muitos criticaram a iniciativa não só por ter sido anunciado como uma "volta à ativa" e não como uma homenagem, como, também, pela presença de Pinguim, que moveu um processo de danos morais contra Chorão e uma ação trabalhista com relação ao seu período na banda.

De acordo com reportagem do G1, publicada em 2014, Pinguim "pedia R$ 3,9 milhões por considerar que tinha direitos de vínculo empregatício enquanto tocou na banda. Ele alegava também 'insalubridade' no trabalho, por shows com som alto, que pode causar danos auditivos. O juiz considerou que não havia vínculo de emprego e Pinguim perdeu a ação em 2010". Já a ação por danos morais estava em tentativa de conciliação quando Chorão morreu.

O guitarrista Thiago Castanho também fez críticas ao retorno do Charlie Brown Jr em recente publicação nas redes sociais. "Estou aqui pra dizer sobre o comentário no Instagram a meu respeito, que estou doente e não vou participar do show do dia 25, que é a 'volta' do Charlie Brown Jr. O Charlie Brown Jr. não vai voltar, porque Charlie Brown Jr. sem Chorão não existe. Eu não estou doente, tô com muita saúde e não faço parte desse tributo. Um abraço a todos. Paz", afirmou o músico.

Após a repercussão negativa, Alexandre Abrão divulgou um vídeo nas redes sociais da banda - junto do trio Marcão, Heitor e Pinguim - para dizer que o anúncio anterior gerou um "mal-entendido", pois a ideia não é substituir Chorão ou o baixista Champignon, ambos falecidos em 2013. "O intuito sempre foi celebrar a vida e a história do Charlie Brown Jr. Sabemos que não existe a banda sem Chorão e não queremos substituir Chorão ou Champignon. Nós não vamos lançar músicas novas, a banda não vai voltar. O Charlie Brown Jr sempre será Chorão, Champignon, esses caras aqui, tanto como Thiago, Graveto e Pelado... todos que fizeram parte da história", afirmou.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção NotíciasTodas as matérias sobre "Charlie Brown Jr"


Charlie Brown Jr: álbum Bocas Ordinárias, de 2002, é lançado em vinil

Charlie Brown Jr.: em vídeo, o último dia de Alexandre Magno Abrão, o ChorãoCharlie Brown Jr.
Em vídeo, o último dia de Alexandre Magno Abrão, o Chorão

Charlie Brown Jr: documentário sobre Chorão será lançado em 2020; veja teaserCharlie Brown Jr
Documentário sobre Chorão será lançado em 2020; veja teaser

Rock in Rio 2001: boicote de bandas nacionais foi uma bobagem, diz Roberta MedinaRock in Rio 2001
Boicote de bandas nacionais foi uma "bobagem", diz Roberta Medina

Charlie Brown Jr: veja vídeo da 1ª reunião após volta de Champignon e MarcãoCharlie Brown Jr
Veja vídeo da 1ª reunião após volta de Champignon e Marcão

Champignon: viúva não imaginava que ele seria capaz de se matarChampignon
Viúva não imaginava que ele seria capaz de se matar


Kiss x Secos & Molhados: o fim da polêmicaKiss x Secos & Molhados
O fim da polêmica

Metal Alemão: as 10 melhores bandas segundo o About.comMetal Alemão
As 10 melhores bandas segundo o About.com


Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e apaixonado por rock há mais de uma década. Começou a escrever sobre música em 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Atualmente, é redator-chefe da área editorial do site Cifras e mantém um site próprio (www.IgorMiranda.com.br). Também co-fundou o site Van do Halen, para o qual trabalhou até 2013.

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

adGoo336