Iron Maiden: Steve Harris relembra acusações de satanismo nos EUA em 1982

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Igor Miranda, Fonte: Miami New Times
Enviar Correções  

O baixista Steve Harris relembrou, em entrevista ao Miami New Times, do período em que o Iron Maiden sofreu uma tentativa de boicote por religiosos, durante uma turnê nos Estados Unidos, em 1982. Na época, a banda promovia o álbum "The Number of the Beast", que gerou polêmica tanto pela capa quanto pela faixa título, além de outras músicas, como "Children of the Damned" e "Hallowed Be Thy Name".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ativistas religiosos queimaram e queimaram discos da banda em público, protestaram na entrada de casas de shows onde o grupo iria se apresentar e, por vezes, até carregaram uma cruz de 7,5 metros enquanto pediam boicote aos britânicos. Além disso, houve uma mobilização para que fossem colocados selos nas capas dos álbuns, alertando sobre o "conteúdo subversivo" - uma espécie de pré-PMRC (Parents Music Resource Center), um comitê que acabou sendo formado nos Estados Unidos, em 1985, para aumentar o controle dos pais sobre o acesso de crianças e adolescentes a músicas com esse teor.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Aquilo foi hilário, absolutamente hilário. Foi tão ridículo que pensamos em fazer algo ridículo de volta", afirmou Harris, durante a entrevista.

A atitude "ridícula" tomada pelo Iron Maiden após a situação foi uma mensagem gravada ao contrário no início da música "Still Life", do álbum seguinte, "Piece of Mind" (1983). Na faixa, é possível ouvir o baterista Nicko McBrain falar em dialeto rasta as frases "What ho sed de ting wid de t'ree bonce" ("O que disse o monstro de três cabeças") e "Don't meddle wid tings you don't understand" ("Não mexa com coisas que não entende"), com um grunhido no fim.

"Achamos que as pessoas provavelmente não entenderiam de qualquer forma. E se entendessem, dariam uma boa risada", revelou Steve Harris. "Funcionou, porque as pessoas não sabiam o que era. Essa é a voz disfarçada de Nicko - ninguém consegue entendê-lo, mesmo nos melhores momentos", completou.

A controvérsia serviu para promover ainda mais o Iron Maiden. "The Number Of The Beast" acabou por conquistar uma satisfatória 33ª posição nas paradas da Billboard, nos Estados Unidos, e a banda conseguiu sair bastante conhecida do país após uma turnê com uma centena de shows por lá.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Iron Maiden: a controvérsia causada por The Number Of The BeastIron Maiden
A controvérsia causada por "The Number Of The Beast"

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Rafael Serrante: Ele invadiu o palco do Maiden no Rock In RioRafael Serrante
Ele invadiu o palco do Maiden no Rock In Rio

Deep Purple: David Coverdale conta como eles expulsaram o ACDC do palco em 1974Deep Purple
David Coverdale conta como eles expulsaram o ACDC do palco em 1974


Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

Cli336 Goo336 GooAdHor Cli336 WhiFin