Mark Lanegan: como ele lidou com perda de Cobain após ignorar ligação no dia da morte

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Igor Miranda, Fonte: Rolling Stone
Enviar Correções  

O vocalista Mark Lanegan, que trabalhou com bandas como Screaming Trees, Mad Season e Queens of the Stone Age e hoje segue em carreira solo, está lançando um novo livro autobiográfico, intitulado "Sing Backwards and Weep". Na obra, ele fala bastante sobre Kurt Cobain, frontman do Nirvana que cometeu suicídio em 1994.

Axl no AC/DC: O fiasco que se transformou numa surpreendente união

Guitar World: os 100 melhores guitarristas de hard rock

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Os dois eram grandes amigos, mas uma situação ocorrida no dia da morte de Kurt Cobain impactou Mark Lanegan profundamente. Na data, 5 de abril de 1994, Lanegan ignorou uma ligação telefônica feita por Cobain.

Havia motivo para isso: Mark não queria sair para comprar drogas para o amigo, algo que era solicitado a ele por frequência. Kurt e sua esposa, Courtney Love, tinham várias brigas por conta do vício, então, o frontman do Screaming Trees não queria sentir que estava colaborando com esses conflitos, nem com a deterioração da saúde de Cobain.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em entrevista à Rolling Stnoe, Mark Lanegan se recorda da amizade com Kurt Cobain e comenta sobre o fatídico dia 5 de abril de 1994. Inicialmente, ele diz que tinha amizade com o líder do Nirvana antes mesmo da fama.

"Por alguns anos, eu fui o cara famoso dessa relação (risos). Ele tinha um talento natural. Sabia disso desde quando o vi cantar na Ellensburg Public Library, na cidade onde cresci (Ellensburg, Estados Unidos). Dylan Carlson, guitarrista do Earth, me chamou para vero show porque Kurt era meu fã. Foi como o conheci: como meu fã. Ele me via como um irmão mais velho. Eu sabia que ele tinha algo mágico. Demorou um pouco mais, porém, o mundo o reconheceu", afirmou.

Em seguida, Lanegan comenta sobre o arrependimento de não ter atendido a uma ligação de Cobain na data de seu suicídio. Ele se afundou nas drogas para processar o luto. "Quando um viciado perde um amigo, ele apenas consome mais drogas. Fiquei com pessoas que conheço, como Dylan Carlson e meu melhor amigo em Seattle, Layne Staley (vocalista do Alice in Chains), e seguimos fazendo o que sempre fizemos, só que sentindo falta de uma grande parte de nossas vidas", disse.

Mark reconhece que, em uma conclusão mais sábia, a morte de Kurt faria com que ele abandonasse as drogas. "Porém, um viciado apenas usa mais drogas e chora bêbado em uma situação dessas. A morte de Kurt me fez desejar ainda mais que eu pudesse sumir do mundo e esquecer essa relação pura de admiração mútua entre Kurt e eu. Gostávamos dos mesmos tipos de música, tínhamos interesses em comum. Chegou em um ponto onde Kurt ficou tão famoso que ele me disse: 'você e Dylan são os únicos amigos de verdade que eu tenho agora'. Foi muito triste", afirmou.

O vocalista do Screaming Trees disse que também questionou o tipo de amigo que estava sendo para Kurt Cobain. "Ele costumava me admirar e eu pensava: 'eu poderia ter oferecido algum tipo de orientação para o garoto que eu adorava e que me admirava também'. Em vez disso, eu era um daqueles caras que saía para comprar drogas para seus amigos mais famosos que não podiam sair em público. É algo difícil de conciliar. Sempre será difícil. Eu poderia ter sido uma pessoa diferente, mas não fui", comentou.

Courtney Love salvou Mark Lanegan

Curiosamente, a viúva de Kurt, Courtney Love, é citada por Mark Lanegan como a pessoa que salvou a vida dele. A líder do Hole foi responsável por pagar a internação de Lanegan em uma clínica de reabilitação. Foi quando o músico entrou nos eixos.

"Ela está diretamente envolvida em salvar a minha vida. Sempre carregarei culpa pelo dia em que Kurt decidiu fazer o que fez porque eu o ignorei intencionalmente. Eu evitava estar perto de Courtney, achava que ela estaria por lá. Além disso, eu era um maldito egocêntrico que não respondia aos amigos, mesmo considerando que ele me atenderia se eu ligasse para ele a qualquer hora", afirmou.

Courtney tentou se aproximar de Mark, só que o cantor não estava tão disposto. "Algum momento após a morte de Kurt, lembro de ir a uma loja de penhores de um amigo meu e ele falou: 'Courtney Love chegou aqui outro dia e trouxe material sobre reabilitação' (para Mark). Eu falei: 'mande ela enfiar essa m*rda de reabilitação...'. Minha atitude era: a menos que você tenha dinheiro para me dar, algo que eu possa vender ou drogas para me oferecer, não preciso de sua ajuda. Preferia ficar sem teto do que aceitar ajuda de alguém", disse.

Mark Lanegan acabou mudando de ideia após, de fato, ficar sem onde morar e ter que sair de Seattle. "Fui preso e disseram que eu precisava ir para reabilitação ou sair da cidade, caso contrário, estaria ferrado. Voltei para a loja de penhores e perguntei do material da reabilitação que Courtney havia trazido para mim. Era um material da M.A.P. (Musicians' Assistance Program), de um saxofonista chamado Buddy Arnold, que ajudava músicos sem dinheiro a ficarem sóbrios. Pagaram por minha reabilitação. Courtney pagou meu aluguel por três meses. Eu nem tinha como trabalhar, estava acabado. Lembro de acordar na reabilitação e ter uma mala de roupas que ela me enviou", disse.

E por que Courtney Love decidiu ajudar Mark Lanegan? "Lembro de Courtney me enviar uma carta falando: 'Kurt te amava como um irmão mais velho e gostaria que você continuasse vivo. O mundo precisa de você vivo'. Isso foi poderoso, porque eu não fiz nada bom para as pessoas em tantos anos. Além disso, eu vacilei com ele quando ele mais precisou de mim. Eu tenho uma dívida muito grande com ela, nunca vou poder recompensá-la, assim como devo a muitas outras pessoas. Fiz coisas absurdas na minha vida e recebi amor de pessoas que eu sequer conhecia direito, que me salvaram", afirmou.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Axl no AC/DC: O fiasco que se transformou numa surpreendente uniãoAxl no AC/DC
O fiasco que se transformou numa surpreendente união

Guitar World: os 100 melhores guitarristas de hard rockGuitar World
Os 100 melhores guitarristas de hard rock


Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline WhipDin