Matérias Mais Lidas

imagemSlash falhou em seguir o conselho de Keith Richards, que mesmo assim foi lá e o apoiou

imagemO dia que Ivete Sangalo arrasou cantando Slayer com João Gordo na TV aberta

imagemA opinião de Rita Lee sobre a fenomenal Cássia Eller

imagemOs curiosos dois significados da expressão "Eu quero ver o oco", segundo Digão

imagemNoel Gallagher revela seu único arrependimento em sair do Oasis

imagemA hilária crítica de Roberto Frejat contra fala cheia de "pretensão" do Bon Jovi

imagemO motivo que levou Michale Graves a fugir da própria turnê na América Latina

imagem"Raimundos nunca quis ser manual de conduta para ninguém", diz Digão

imagemO impagável apelido que Andre Matos deu a Luis Mariutti por sua pontualidade

imagemJohn Frusciante conta como "espíritos" auxiliam seu processo criativo

imagemUriah Heep: a audição de David Coverdale para substituir David Byron

imagemCinco discos de heavy metal para ouvir sem pular nenhuma faixa

imagemO dia que Digão assistiu ensaio da Legião Urbana sem saber que era a banda

imagemAvião de Edu Falaschi enfrenta granizo e banda relata pânico: "Quase morremos"

imagemRegis Tadeu e os acertos da Sandy ao cantar "Nothing Else Matters", do Metallica


Summer Breeze
Samael Hypocrisy

Black Sabbath: O pastor televisivo que foi vocalista da banda

Por André Pereira Rocha
Postado em 19 de maio de 2021

Os anos de 1980 foram bastante complicados para Tony Iommi e o BLACK SABBATH. É sabido que muitos integrantes diferentes passaram pela banda, alguns consagrados, outros não conhecidos pelo público. Alguns com passagens muito rápidas e outros que acabaram, mesmo que de forma reservada, perdurando ao longo de alguns álbuns. Mas, dentre essas peculiaridades e intempéries, um momento pode ser ainda mais instigante, principalmente quando pensamos sobre o que a banda representa para o Rock, para o Heavy Metal e para o imaginário do grande público. Este momento é quando um pastor cristão evangélico acabou participando da banda. Sim, por pouquíssimo tempo, mas de fato ocorreu.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas como isso aconteceu? Para isso é preciso entender uma ordem cronológica sobre o próprio período. Aqui, estamos nos referindo acerca do ano de 1985. Com a saída de Ian Gillan para a reunião com o DEEP PURPLE, Iommi acabou ficando sozinho com o BLACK SABBATH. Geezer Butler e Bill Ward se voltaram a outros projetos que não previam mais os mesmos caminhos.

No meio das incertezas, e da possibilidade de se lançar um disco solo, o guitarrista foi convencido pelo então empresário Don Arden (pai de Sharon Osbourne) a se juntar ao vocalista Jeff Fenholt. Na época, ele era conhecido pelo seu trabalho em "Jesus Cristo Superstar" e pelas inúmeras apresentações bem sucedidas na Broadway.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Naquele momento, Tony Iommi tinha poucos músicos certos em seu trabalho. Dentre eles estavam Eric Singer (atual baterista do KISS) e Geoff Nicholls, eterno tecladista da banda e que vinha mantendo um trabalho regular desde o fim da década de 1970. Fenholt vinha para tentar fechar o problema dos vocais.

Na tentativa de fazer um projeto solo, que pudesse trazer vários músicos, principalmente vocalistas diferentes, Iommi insistiu, sem sucesso, frente ao empresariado e à gravadora. Por fim, a necessidade de um ocupar este lugar com um único músico, acabou sendo bem importante para o gerenciamento de todo o projeto. Fenholt parecia figura certa, de acordo com Arden. Com boas gravações no fim da década de 1970, crescente interesse sobre seu trabalho e o sucesso nas apresentações de "Jesus Cristo Superstar" poderia fazer com o interesse sobre o Black Sabbath aumentasse, pois havia a preocupação de se ocupar o lugar que havia sido de Ozzy, Dio e Gillan com alguém que de fato pudesse chamar a atenção. Para aquele momento, parecia o certo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas a passagem do vocalista foi muito rápida. Em sua biografia, Iommi comenta sobre esse contexto: "Então, nós tentamos esse cara chamado Jeff Fenholt. Ele era outro que havia interpretado o papel principal em "Jesus Cristo Superstar", na versão musical da Broadway. Até então, nós tínhamos Gillan, que representou o papel na versão original de "Jesus Cristo", e naquele momento nós tínhamos um cara da Broadway querendo entrar para a banda. Nós tentamos Jeff nos vocais e ele tinha uma voz muito boa. Nós editamos algumas demos com ele em Los Angeles. Uma das faixas era "Star of India", que posteriormente foi rebatizada como "Seventh Star". Outra foi a "Eye of the Storm", que acabou entrando no álbum de 1986 como "Turn to Stone". E também tivemos uma faixa que eventualmente se tornou a "Danger Zone". Claro que essas demos vazaram e foram lançadas como bootlegs. Acabaram chamando isso de "Eighth Star" ou alguma coisa do tipo. Jeff parecia um cara legal. Poderia ter funcionado trabalhar com ele, mesmo que não estivesse 100% convencido de que ele podia cantar o material antigo. Mas, Jeff Glixman veio para produzir o álbum e ele achava que Fenholt não estava funcionando bem, principalmente nas gravações. E foi isso. Um pouco depois disso, Jeff Fenholt subitamente se tornou um grande evangelista de TV. Eu não podia acreditar, porque quando nós nos encontrávamos, ele dizia coisas do tipo "Ah, eu comi aquela garota!". O New York Times fez uma matéria sobre ele ter feito parte do BLACK SABBATH e eles escreveram que ele viu uma luz, rejeitou o demônio e todas essas besteiras. Nós estávamos novamente dentro desse negócio de satanismo porque o Fenholt dizia essas coisas. Eu recebi um telefonema para participar do Larry King Show e falar sobre ele. Eu pensava: "Não vou me envolver com isso!". Se você fala ou mesmo tenta falar sobre religião em alguma TV dos EUA, você não tem chance nenhuma. Especialmente naquele momento, em que ele havia se tornado um evangelista, todos eles estavam do lado de Jeff e não teria como me defender."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em uma entrevista de 2010, o então baterista do projeto, Eric Singer, ainda lembrou: "Tony estava originalmente indo atrás de cantores diferentes. Eu lembro que ele trouxe um cara, Jeff Fenholt. Ele costumava trabalhar em "Jesus Cristo Superstar". Ele foi um daqueles caras "convertidos", dizia ter feito parte do BLACK SABBATH e que desistiu da "música do demônio". Eu sempre achei isso ridículo, porque esse cara nunca esteve no BLACK SABBATH. Ele basicamente estava no estúdio por um período de poucas semanas, ou talvez um mês, e trabalhou algumas ideias com Tony, mas nunca passou disso. De alguma forma, ele dizia ter feito parte do BLACK SABBATH, sempre achei isso esquisito."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em outra entrevista, revisitando um pouco melhor as memórias da época, o batera ainda complementou: "Jeff Fenholt cantou em algumas gravações de Tony em 1985, em Los Angeles. Tony estava procurando por um vocalista que pudesse estar em seu álbum solo. Jeff veio e trabalhou em estúdio de janeiro a maio. Esse projeto se tornou o "Seventh Star", disco do BLACK SABBATH com Glenn Hughes nos vocais e meu primeiro álbum. Essa é basicamente toda a história. Jeff tinha uma voz incrível, mas apenas não funcionou."

Jeff Fenholt se tornou uma figura famosa no meio cristão após sua conversão, a qual ele atribuía, como parte fundamental, à sua interpretação de Cristo na peça da Broadway. Com problemas de dependência e alcoolismo, o papel fez com que ele visse o mundo a partir de uma perspectiva diferente e sua conversão, então, se tornou pública ao longo das apresentações. Quando foi convidado a participar dos trabalhos do BLACK SABBATH, sua conversão já havia acontecido, mas ela ainda não era uma parte significativa de sua vida pública. Logo após a saída do BLACK SABBATH, ele até tentou conciliar sua carreira no Rock e na pregação, o que foi se direcionando rapidamente para a religião. Ele passou a ser constantemente requisitado pela TBN (Trinity Broadcasting Network), uma das maiores redes de rádio e televisão cristãs do mundo. Seu papel no musical e sua conversão foram muito explorados. Suas pregações acabaram por se tornar globais, com vários pontos em diferentes continentes, como a pregação na Rússia comunista, no fim da década de 1980, para aproximadamente 100 mil pessoas. Ao fim da década 1980 e ao longo da década 1990, suas apresentações, aproximações com pastores e pregações alcançavam milhões de cristãos pelo mundo. Gravou discos com temática cristã, que alcançaram discos de ouro e platina em vários países. É possível encontrar vários testemunhos religiosos na internet, principalmente no Youtube, em que o cantor fala sobre sua vida, sua conversão e sua forma de ver esse contexto. Aqui, ao final, se encontra um desses.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No livro "Never Say Die", escrito por Garry Sharpe-Young, alguns outros pontos sobre esse momento do BLACK SABBATH também aparecem. A obra nos revela que, em grande parte, houve tensões entre Fenholt e principalmente Nicholls, em razão do direcionamento do disco. Já convertido, as temáticas obscuras das letras não agradavam Fenholt, que tentava direcionar os trabalhos para outro lugar. O tecladista teria sido o primeiro a rejeitar a participação do vocalista no projeto, pelas dificuldades de trabalho e definição conceitual do que eles estavam fazendo. Ainda, Fenholt teria reclamado constantemente com Don Arden, então empresário, sobre os hábitos de Iommi que ele acreditava atrapalhar o desenvolvimento das gravações. Essas discussões teriam chegado a níveis bastante complicados, nas quais empresário e gravadora viam como insustentável a permanência de Jeff.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Vários bootlegs foram lançados ao longo das décadas, todas elas revelando demos daquilo que acabaram por se tornar as músicas do "Seventh Star", álbum gravado com Glenn Hughes nos vocais. Fenholt chegou a acusar a banda de não colocar seu nome nas referências das músicas, pois partes das melodias vocais, principalmente, seriam dele. A banda sempre discutiu pouco essas questões, já que muita coisa em relação aos vocais mudou com a entrada de um novo vocalista. É possível perceber que, mesmo com mudanças muito grandes nas letras e nas melodias vocais, muita coisa foi de fato aproveitada.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Para quem curte bastante essa época e as gravações da banda, pode ser interessante dar uma comparada e visualizar o que fizeram.

Demo de "Danger Zone", com letras e melodias vocais de Jeff Fenholt

Versão oficial do disco "Seventh Star", com Glenn Hughes nos vocais.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Demo de "Dark Side of Love", versão que posteriormente se tornou "No Stranger to Love"

Versão oficial do disco "Seventh Star", com Glenn Hughes nos vocais.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Demo de "Eye of the Storm", música que acabou sendo gravada como "Turn to Stone"

Versão oficial do disco "Seventh Star", com Glenn Hughes nos vocais.

Demo de "Star of India", que após modificações se tornou a faixa-título "Seventh Star"

Versão oficial do disco "Seventh Star", com Glenn Hughes nos vocais.

Testemunho de Jeff Fenholt

FONTE: Never Say Die, Garry Sharpe-Young
Iron Man: My Journey through Heaven and Hell with Black Sabbath, Tony Iommi
http://www.joelgausten.com/2016/01/seventh-star-eric-singer-remembers.html

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Lift Detox
Stamp


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tony Iommi alerta para guitarras com autógrafos falsamente atribuídos a ele

Rob Halford relembra momento Spinal Tap em show com o Black Sabbath

Lars Ulrich poderia tocar músicas do Rush com Geddy Lee e Alex Lifeson?

Tony Iommi diz que Ronnie James Dio deu um sopro de vida ao Black Sabbath

Tony Iommi não queria mandar Ozzy Osbourne embora, mas demissão foi inevitável

Ozzy Osbourne em cenas inéditas no vídeo de "War Pigs" do "Survivor Series WarGames"

Ozzy Osbourne explica porque o Black Sabbath não pode mais voltar

Ian Gillan diz que ficou desapontado com "Born Again" e jogou álbum pela janela do carro

Tony Martin diz que discos do Black Sabbath gravados por ele serão relançados em 2023

Nem Vanusa, nem John Entwistle: a possível verdadeira origem de "Sabbath Bloody Sabbath"

O curioso álbum de covers do Black Sabbath elogiado por Tony Iommi

Geezer Butler: "Minha impressão inicial de Ozzy foi que ele não batia bem da caixola"

Tony Iommi sobre ele e Ozzy: "Quase não nos falamos porque somos inúteis no celular"

Black Sabbath lança versão deluxe de "Mob Rules", com faixas bônus

Ronnie James Dio agora também tem seu boneco Funko Pop

Ozzy tem noção de sua influência, mas há bandas que ele não consegue entender

Lista: clássicos do metal lançados a partir do ano 2000

Black Sabbath: por que a capa do disco "Paranoid" não faz sentido, segundo Iommi

Black Sabbath: Tony Iommi explica diferença entre Dio e Ozzy

Cranberries: A triste história da letra de "Zombie"


Sobre André Pereira Rocha

Pesquisador, historiador, professor, gamer e nerd. Conheceu a base do Rock e Metal com "Rock 'n Roll Racing". Escuta muita coisa, mas depois que ouviu "Somewhere in Time" do Iron Maiden pela primeira vez, nada mais foi como antes.

Mais matérias de André Pereira Rocha.