Matérias Mais Lidas

imagemPaul McCartney lista os cinco músicos que formariam sua banda dos sonhos

imagemMarcello Pompeu, em busca de emprego, pede ajuda a seguidores

imagemGene Simmons faz passagem de som antes de show do Kiss com roupa inusitada

imagemRegis Tadeu explica porque o vinil e o Spotify vão despencar e o CD vai bombar

imagemJames Hetfield se emociona profundamente no show de BH e é amparado pelos amigos e fãs

imagemMax Cavalera e o conselho dado por Ozzy Osbourne: "ambos nos sentimos traídos"

imagemBill Hudson comenta sobre falta de público de Angra e outras bandas nos EUA

imagemDave Mustaine mostra a forma curiosa como se aquece antes de um show do Megadeth

imagemDez grandes músicas do Iron Maiden escritas pelo vocalista Bruce Dickinson

imagemConheça a "melhor banda com as melhores músicas" para Robert Smith, do The Cure

imagemMax Cavalera é criticado por ucranianos pelo apoio a Rússia em 2014

imagemQueen e a artimanha infantil de Roger Taylor pra ganhar mais dinheiro que os outros

imagemAbba e a imensa importância do Deep Purple na sonoridade de suas músicas clássicas

imagemBlind Guardian divulga capa, nomes e duração das faixas de seu novo álbum

Marcello Pompeu: ele conta por que não se posiciona politicamente, apesar de cobranças


Stamp

Dinho Ouro Preto: "A festa rockonha, citada em 'Faroeste Caboclo', realmente existiu"

Por Gustavo Maiato
Em 28/02/22

Uma das canções mais famosas da Legião Urbana é o épico "Faroeste Caboclo", que saiu no álbum "Que País É Este" (1987). Em um de seus vários versos, a letra da música faz referência a uma festa chamada "rockonha": "Jeremias, maconheiro sem-vergonha / Organizou a Rockonha e fez todo mundo dançar - Desvirginava mocinhas inocentes / Se dizia que era crente, mas não sabia rezar".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em entrevista ao canal Corredor 5, o vocalista Dinho Ouro Preto, do Capital Inicial, disse que essa festa realmente existiu e acabou em polícia quando descobriram que havia drogas no local. Vale lembrar que o país estava vivendo um período de transição entre o Regime Militar e a redemocratização.

"O Brasil estava voltando para a democracia. Achávamos que estávamos contribuindo de alguma forma para o fim do Regime Militar. Se virasse essa página, achávamos que nos tornaríamos democráticos e justos. Uma vez, teve a famosa festa da rockonha, onde todo mundo foi preso. É o que o Renato Russo fala em ‘Faroeste Caboclo’. Era uma festa que ia rolar, mas um idiota fez os convites com seda. Aí a polícia foi e prendeu todo mundo. Isso era na ditadura", disse.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

De acordo com Dinho Ouro Preto, outro resquício da ditadura militar aconteceu com o próprio Capital Inicial, que teve que se virar para não receber uma censura no seu disco de estreia, que leva o nome da banda e foi lançado em 1986.

"Nessa época, você tinha que pedir permissão para a censura para fazer shows. Você tinha que mandar o repertório a ser tocado e era aprovado ou não. O nosso primeiro disco foi censurado por causa de ‘Veraneio Vascaína’. Os advogados da gravadora entraram e no final das contas ficou acertado que o disco viria lacrado com uma tarja escrito: ‘Proibido para menores de 18 anos’. Isso foi uma maravilha, usamos como marketing", lembrou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Por fim, Dinho comparou como era a perseguição militar em sua época e na geração anterior. Segundo ele, quando iniciou no mundo da música as coisas já estavam mais fáceis do que antes.

"Ninguém foi torturado nem exilado. Não sofremos como a geração anterior. O Regime estava caindo aos pedaços já. Ninguém vinha bater na nossa porta. O Capital Inicial começou em 1982. Sentíamos uma necessidade de criar. Todos na nossa turma eram compelidos a se expressar. Achávamos que poderíamos criar nossa sociedade paralela. Tudo era separado", concluiu.

Confira a entrevista completa abaixo.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Gustavo Maiato

Jornalista, músico e fã. O heavy metal entrou na sua vida há 10 anos e nunca mais saiu. Gosta de estudar o tema e compreender o metal como manifestação cultural.

Mais matérias de Gustavo Maiato.