RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagemA inesperada banda brasileira que não sai dos ouvidos de Jeff Scott Soto

imagemMax Cavalera escolhe seus álbuns "não metal" preferidos

imagemManowar no Brasil? Banda posta bandeira brasileira e fãs ficam empolgados

imagemOzzy Osbourne aparece em público pela primeira vez após anunciar aposentadoria das turnês

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemJoe Satriani revela o guitarrista que ele ouve e diz: "Eu jamais alcançarei isso!"

imagemA inesperada opinião de Bell Marques (ex-Chiclete com Banana) sobre o rock progressivo

imagemThiago Bianchi explica sucessão de problemas durante show de Paul Di'Anno

imagemO dia que João Gordo xingou Ayrton Senna por piloto se recusar a dar entrevista a ele

imagemO clássico da banda Evanescence que a vocalista Amy Lee odiava

imagemRamones: C.J. conta que Johnny se recusou a visitar Joey em seu leito de morte

imagemA icônica reportagem de Glória Maria em que Raul Seixas disse que foi atropelado por onda

imagemA nostálgica canção de Raul Seixas que propõe abolir a divisão entre o bem e o mal

imagemZakk Wylde tira o corpo fora ao ser questionado sobre cancelamento de shows do Pantera


Exilio Angel

Helloween: Dani Löble fala sobre pressão ao gravar com Michael Kiske e Kai Hansen

Por Igor Miranda
Postado em 29 de setembro de 2022

Lançado em 2021, o álbum homônimo do Helloween é histórico para a carreira da banda e, por que não, para o heavy metal em geral. Foi o primeiro disco do grupo gravado como septeto, marcando as voltas de Michael Kiske (voz) e Kai Hansen (guitarra e voz) ao mesmo tempo em que Andi Deris (voz), Michael Weikath (guitarra), Sascha Gerstner (guitarra), Markus Grosskopf (baixo) e Dani Löble (bateria) foram mantidos na formação.

Foto: Martin Häusler
Foto: Martin Häusler

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em entrevista a IgorMiranda.com.br no YouTube (vídeo legendado completo disponível mais abaixo), Löble compartilhou alguns de seus sentimentos do período em que o álbum "Helloween" foi gravado. O baterista, assim como Gerstner, nunca havia trabalhado com Kiske e Hansen em estúdio e acabava de realizar sua primeira turnê ao lado deles. Apesar disso, a pressão existente era muito mais externa do que interna.

"É claro que dessa vez as expectativas estavam altas. Pra mim foi tipo uma pressão rolando durante as gravações, que podia ser sentida – apesar de não haver impacto na gente compondo. Estávamos de bom humor, nos damos bem uns com os outros. Então tinha um clima legal rolando. Todo mundo estava em forma. Tínhamos acabado de voltar do Rock in Rio e começamos a trabalhar", comentou, inicialmente.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Além de reunir sete integrantes, o disco lançado pelo Helloween em 2021 surpreendeu ao trazer Dani gravando na mesma bateria usada pelo saudoso Ingo Schwichtenberg nas sessões dos álbuns "Keeper of the Seven Keys", datados de 1987 e 1988. O atual percussionista do grupo disse ter sido ele próprio o responsável pela ideia de ter o kit na ocasião. Ele, inclusive, concedeu a entrevista tendo outro modelo do instrumento ao fundo.

"Foi minha ideia trazer aquele kit de bateria antigo dos anos 1980 de volta. Se você escuta todos aqueles álbuns antigos dos anos 1980 e 1990, 80% foram gravados com o kit de bateria da Sonor que tenho aqui no fundo. Esse aqui é um bem antigo, é a mesma série que tive nas gravações. Foi usada em quase todos os discos durante os anos 1980 e 1990. Eram o padrão, o rosto do som de bateria dos anos 1980. Então eu queria recuperar esse som, por causa da formação nova, nós queríamos voltar aos velhos hábitos de gravação dos anos 1980. Isso foi uma boa ideia", declarou.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Löble pontuou que o som da bateria não apenas combinou bastante com as músicas, como também foi uma honra ter um instrumento tão lendário à sua disposição. "Era o kit lendário do Ingo, que estava presente em tantos álbuns lendários do Helloween, como os dois "Keeper". Eu ainda sou um fã de música, então ainda fico pilhado de ter a chance de gravar um álbum lendário do Helloween com aquele tipo de kit", declarou.

A entrevista completa pode ser assistida, com legendas em português, no player de vídeo a seguir. O Helloween vem ao Brasil junto do Hammerfall para três shows, nas cidades de Ribeirão Preto (Arena Eurobike, 06/10) e São Paulo (Espaço Unimed, 08 e 09/10).

Andi Deris e a lendária bateria

Em outra entrevista, também a IgorMiranda.com.br no YouTube, o vocalista Andi Deris falou sobre a bateria de Ingo Schwichtenberg usada pelo Helloween no álbum de 2021. Segundo o cantor, o kit é do modelo Sonor Phonic Plus. As especificidades de seu som foram comentadas por ele, que também é produtor musical e dono de estúdio.

"Essa bateria da Sonor, a Sonor Phonic Plus, acho que não a fazem há 20 anos. E ela tem um som muito específico. Acho que é a bateria perfeita para metal da década de 1980. Ainda tem aquele ‘boom’ que, hoje em dia, todos evitam na indústria. Hoje, não se tem mais o ‘boom’, sabe? O eco, o som posterior, que na verdade quando você coloca compressor nele, tem muito mais poder. Isso está em falta nos dias de hoje, pois querem que seja tão preciso. Mas com a Sonor Phonic Plus, você tem isso e precisa lidar com isso. Isso, para mim, dá uma certa 'sujeira'. Algo por trás da música que sempre está bombeando. É mais pesado. Menos preciso, porém, mais pesado", declarou na ocasião.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Helloween: incrível performance de fã no The X-Factor

Para entender: o que é power metal?

Helloween: Michael Kiske realmente não gosta de heavy metal? Vocalista responde


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.
Mais matérias de Igor Miranda.