How Black Was Our Sabbath: An Unauthorized View from the Crew

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Rodrigo Werneck
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

Biografias não escritas pelos próprios artistas, e pior ainda, “não autorizadas” por eles, têm boas chances de se tornarem colchas de retalhos desesperadamente buscando polêmicas e histórias que possam justificar sua leitura. A não ser que o autor tenha protagonizado várias das histórias constantes do livro. Neste caso específico é exatamente isso que ocorre, só que são dois os autores: David Tangye, assistente pessoal de Ozzy Osbourne em seus tempos de Black Sabbath, bem como na parte inicial de sua carreira solo; e Graham Wright, assistente pessoal do baterista Bill Ward no Sabbath dos anos 70.

816 acessosBlack Sabbath: Assista trailer de The End Of The End5000 acessosAnette Olzon: "Eu fui demitida exatamente como Tarja também foi"


Em adição, algumas biografias são extremamente chatas de serem lidas, ou por conterem detalhes em demasia, ou pelo fato do narrador não possuir o dom de escrita aprimorada, acabando por tornar a leitura cansativa. No caso deste “How Black Was Our Sabbath”, esse balanço está muito bem feito, sendo portanto a leitura muito fácil. Várias histórias até então inéditas aos fãs são narradas de forma muito espirituosa, nunca com o objetivo de invadir a privacidade de Ozzy, Iommi, Butler e Ward, mas sim para mostrar quão diversa e divertida era essa época da banda. Tangye e Wright nitidamente se divertiram um bocado nos anos 70, e fica claro que esse livro é um tributo a esse período.

Tal período vai especificamente dos anos pré-Sabbath (final dos anos 60), quando ainda eram conhecidos como Polka Tulk e posteriormente Earth, indo até a virada dos anos 70 para os 80, com a saída de Ozzy, a entrada de Dio, e a saída de Ward. Nessa época, tanto Wright quanto Tangye pararam de trabalhar com a banda e se voltaram a outros objetivos profissionais. Claramente, para eles, a química da formação original nunca poderia ser, e não foi, igualada ou mesmo suplantada.

Histórias envolvendo grupos anti-satanistas se manifestando contra a banda, que invariavelmente tirava um sarro de tais extremistas, não faltam. Há também histórias de grupos satanistas pleiteando a participação da banda em rituais (o que foi, obviamente, recusado). Por exemplo, os integrantes do Sabbath passando por um grupo numa procissão com velas acesas e soprando-as, para em seguida cantar “Parabéns pra você”, são hilárias. Outras histórias presentes envolvem questões completamente distintas, como por exemplo as que mencionam o fato de Bill Ward ter medo de avião e ter chegado a dirigir 800km nos desertos australianos somente para evitar uma viagem aérea. Ou as que narram episódios que terminaram com carros indo parar dentro de piscinas, entre outras. “Spinal Tap”?

Alguns mistérios (e antigos boatos) são finalmente desvendados. Para dar apenas um exemplo, e não estragar as surpresas de quem for ler o livro, posso citar as várias menções a Spock Wall. Durante muito tempo correram boatos fortes (que acabaram se transformando em “verdade”) de que esse seria um pseudônimo do tecladista Rick Wakeman (Yes), que por questões contratuais não poderia aparecer com seu nome verdadeiro nos créditos dos discos do Sabbath dos quais participou (“Volume 4” e “Sabbath Bloody Sabbath”). Segundo a lenda, Ozzy teria criado o apelido em virtude das orelhas de abano de Rick (daí a comparação com Mr. Spock, da série “Jornada nas Estrelas”), que ficariam de fora de sua longa e lisa cabeleira loura (daí o “wall”, parede). Tudo balela. Spock Wall existe, e foi membro da equipe técnica do Sabbath por vários anos, sendo que várias fotos suas estão presentes neste livro, bem como várias histórias o envolvendo.

E por falar em fotos, há várias interessantes no livro, da coleção particular dos autores, mostrando várias épocas do grupo. Desde o início, tocando em clubes pequenos, passando por grandes shows como o Califórnia Jam de 1974, e até mesmo em anos mais recentes, quando Wright e Tangye reencontraram o reformado Sabbath no backstage de alguns shows.

Resumindo, um livro altamente recomendável, indicado tanto aos fãs do Black Sabbath quanto aos fãs de rock em geral. Uma leitura descompromissada e prazerosa, e um exemplo de como se escrever uma biografia de uma banda. O livro não é oficial e nem tampouco autorizado pelos integrantes originais da banda (conforme mencionado acima), mas extra-oficialmente tanto Ozzy quanto Ward já afirmaram ter adorado o livro, e deram seu aval de que as histórias são todas verídicas.

Um único porém: o livro não foi lançado no Brasil, e portanto só pode ser encontrado em inglês...

Website:
http://www.blacksabbath.co.uk

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Kerry KingKerry King
O Deep Purple influenciou mais o Thrash que o Black Sabbath

816 acessosBlack Sabbath: Assista trailer de The End Of The End1006 acessosBanda dos sonhos: qual seria a sua?186 acessosMarcos de Ros: Tony Iommi, Dois Dedos de Prosa0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Black Sabbath"

Grandes mestresGrandes mestres
Qual a hora de parar?

Black SabbathBlack Sabbath
Eles já faziam o sinal do demônio bem antes de Dio

Black SabbathBlack Sabbath
Riff de Into the Void inspirado em peça de Grieg?

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Livros0 acessosTodas as matérias sobre "Black Sabbath"

Anette OlzonAnette Olzon
"Eu fui demitida exatamente como Tarja também foi"

TatuagensTatuagens
Homenagens à banda Iron Maiden na pele dos fãs

SlipknotSlipknot
"Pastor" detecta mensagens subliminares nas capas

5000 acessosHard Rock: as 25 melhores músicas acústicas do gênero5000 acessosVinil: quais são os dez discos mais valiosos do mundo?5000 acessosTemperatura Máxima: as atrizes pornôs que incendiaram o cenário Rock5000 acessosW. Axl Rose: antes do Hollywood Rose e do Guns houve o Rapidfire5000 acessosFotos de Infância: Red Hot, Pearl Jam, Blink, Faith no More, RATM e mais5000 acessosGuns N' Roses: Steven Adler diz que já deu, encerrou o assunto

Sobre Rodrigo Werneck

Carioca nascido em 1969, engenheiro por formação e empresário do ramo musical por opção, sendo sócio da D’Alegria Custom Made (www.dalegria.com). Foi co-editor da extinta revista Musical Box e atualmente é co-editor do site Just About Music (JAM), além de colaborar eventualmente com as revistas Rock Brigade e Poeira Zine (Brasil), Times! (Alemanha) e InRock (Rússia), além dos sites Whiplash! e Rock Progressivo Brasil (RPB). Webmaster dos sites oficiais do Uriah Heep e Ken Hensley, o que lhe garante um bocado de trabalho sem remuneração, mais a possibilidade de receber alguns CDs por mês e a certeza de receber toneladas de e-mails por dia.

Mais matérias de Rodrigo Werneck no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online