O.G.I.V.A.: entrevista com a banda gaúcha

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mateus Rister, Fonte: Insanity Records
Enviar correções  |  Ver Acessos

O que começou como um projeto formado em 2009 por Luciano Lee (voz e baixo) e seu sobrinho Lucas Machado (guitarra), está ganhando força e hoje é uma das promessas do Hard Rock Gaúcho. A banda começou com o nome Obs.Cena, que perdurou até meados de 2014, quando descobriram que um outro grupo tinha o mesmo nome. Foi então que resolveram adotar o acrônimo O.G.I.V.A, que significa Offensive Glorious Invincible Violent Army. O nome combina perfeitamente com a agressividade de suas músicas, mais não imaginem uma agressividade ou uma rebeldia gratuita, as letras ácidas refletem a visão crítica do mundo que Luciano tem. Após problemas com bateristas anteriores, a banda encontrou em Guilherme Scherer o cara certo para comandar as baquetas. Conversamos com Luciano Lee, que nos contou um pouco mais sobre a história e os planos para o futuro da O.G.I.V.A.

Guitarra: em vídeo, o solo mais destrutivo que você já viuAntes da fama: Atores que apareceram em clipes clássicos

Da esquerda para a direita: Lucas Machado, Guilherme Scherer e Luciano Lee
Da esquerda para a direita: Lucas Machado, Guilherme Scherer e Luciano Lee

Mateus: Como surgiu a ideia de montar a banda?

Luciano: Eu tinha saído de uma outra banda que eu tocava e estava bem desanimado, pensei em vender meu baixo e desistir de tocar. Mas o Lucas estava evoluindo como guitarrista e sempre aparecia na minha casa com novas ideias, cada dia com mais ou melhorando o que ele já tinha me mostrado e também começou a investir em equipamentos, em pedais de distorção. Aí eu achei interessante a dedicação dele e propus para ele de começar a gravar aquelas músicas, tentar encontrar um baterista e tocar pra gente se divertir.

Mateus: Como funciona o processo de composição?

Luciano: Geralmente o Lucas traz os arranjos e eu faço as letras. Nós temos um grande amigo que é professor de inglês, e assim que finalizo uma letra eu passo pra ele, então ele faz a tradução para o inglês que a língua que escolhemos usar. Nós não queríamos usar um "inglês de internet", então é muito importante para a banda ter um profissional nos ajudando com isso. Aí o nosso sempre eficaz baterista, o Guilherme define o tempo, coloca as ideias dele, realmente dá uma estrutura coesa para as músicas.

Luciano Lee
Luciano Lee

Mateus: Qual é o conceito das músicas?

Luciano: É atacar, falar sobre a alienação, os malefícios do fanatismo religioso, a falta de personalidade e coisas desse tipo. É para agredir e agente se diverte com isso. Eu sempre fui crítico, eu vejo tanta merda por aí e eu tenho que falar sobre isso, não posso ficar de braços cruzados, assistindo a humanidade ficar cada vez mais decadente, então eu tenho que expressar o que eu penso.

Mateus: Conta mais sobre a primeira música que a banda gravou.

Luciano: A música chama-se Fighting For Life, gravamos com um baterista que já não está mais na banda. Não houve um lançamento dessa música, simplesmente jogamos na rede. Não teve uma grande repercussão, mas era o que se esperava. Independente disso nós ficamos muito satisfeitos com a música, eu mais ainda por ter conseguido cantar (risos), já que até então eu não me via como o vocalista, mas a música estava pronta e precisávamos que alguém gravasse os vocais, como eu tinha feito a letra e contando com a ajuda do produtor Sebastian Carsin eu arrisquei. Fui melhorando a cada take e conseguimos um resultado muito satisfatório.

Mateus: Quais são as influencias da O.G.I.V.A?

Luciano: Não podemos deixar de citar bandas como Led Zeppelin, Van Halen, UFO, Jimi Hendrix, Rush e as bandas dos anos sessenta e setenta que fizeram história. Os grandes Deuses do Rock, nós não estamos pelo cabelo, estamos pelo timbre, estamos pelo som.

Mateus: E quais são as tuas influências como vocalista?

Luciano: Eu gosto muito do Michael Vescera, do Jinny Z. Jan do Shotgun Messiah, Kevin Stelle do Roxx Gang, Joe Strummer do The Clash, Geddy Lee do Rush e Joe Elliott do Def Leppard, todos são vocalistas que me inspiram.

Mateus: A banda pretende lançar o material em que formato, singles, EP ou um disco completo?

Luciano: Vamos gravar e refazer algumas coisas como a bateria da Fighting For Life. Não se vive de música nesse país, temos contas a pagar, família então gravar se torna um processo lento. Quando finalizarmos no mínimo doze músicas, vamos nos reunir e decidir se vamos mandar prensar um disco físico ou se vamos lançar só pela web, eu acho interessante fazer as duas coisas. Não descarto a possibilidade de negociar com gravadoras independentes para prensagem e distribuição.

Lucas Machado
Lucas Machado

Mateus: Pensa em mandar o material para o exterior?

Luciano: Com certeza. Esse país valoriza Sertanejo Universitário, banda de Rock não é valorizada, então o que temos que fazer é mandar material para fora. Hoje em dia tudo é globalizado, assim que nosso material estiver pronto, gravado com qualidade, vamos atrás de bons contatos no exterior.

Mateus: Como e onde o público pode encontrar o material da O.G.I.V.A?

Luciano: Estamos preparando material para colocar a banda nas redes sociais, vamos montar um site oficial também. Por enquanto temos uma página no site Palco MP3, onde está disponível para audição e download a música Fighting For Life.

Guilherme Scherer
Guilherme Scherer

Mateus: E a agenda de shows?

Luciano: Nós pensamos em fazer shows, mas não temos muita expectativa. Estamos sempre abertos a parcerias, o problema é que a maioria das produtoras não quer dar espaço para uma banda nova, prefere dar espaço para as bandas antigas, é aquela famosa panelinha. Mas estamos aí, sempre a fim de tocar, só não vamos cair em qualquer uma para não sermos desvalorizados.

Mateus: Algum plano para o futuro próximo?

Luciano: Sim, pensamos em gravar um vídeo-clip para a música Fighting For Life, usar um cenário bem caótico, com a banda tocando, algo bem agressivo.

Mateus: Agradecemos a tua disponibilidade para nos atender e abrimos esse espaço para as suas considerações finais.

Luciano: Quero agradecer o apoio. Espero que o pessoal compareça aos shows de todas as bandas autorais e deixem de lado estas festinhas de som mecanico, pois não acrescentam em nada. Humildade vale ouro e politicagem não leva a lugar nenhum. Pés no chão sempre, pois quanto mais alta é a nuvem, mais dolorida é a queda.

O.G.I.V.A. no Palco mp3:

http://palcomp3.com/obscenapoa/

Contatos com Luciano Lee:

https://www.facebook.com/Lee211278




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "O.G.I.V.A."


Guitarra: em vídeo, o solo mais destrutivo que você já viuGuitarra
Em vídeo, o solo mais destrutivo que você já viu

Antes da fama: Atores que apareceram em clipes clássicosAntes da fama
Atores que apareceram em clipes clássicos

Planet Rock: as maiores vozes da história do rockPlanet Rock
As maiores vozes da história do rock

Monsters Of Rock 2015: conheça a loira que deu um show com o Steel PantherMonsters Of Rock 2015
Conheça a loira que "deu um show" com o Steel Panther

Jared Leto: a reação ao se ver no papel do CoringaJared Leto
A reação ao se ver no papel do Coringa

Megadeth: Dave Mustaine aponta substituto de Chris AdlerMegadeth
Dave Mustaine aponta substituto de Chris Adler

Iron Maiden: Steve Grimmett relembra tentativa para entrar na bandaIron Maiden
Steve Grimmett relembra tentativa para entrar na banda


Sobre Mateus Rister

Jornalista, assessor de comunicação/imprensa e músico. Apaixonado por Rock And Roll, cinema e contracultura. Dono do blog insanityrecords.com.br e incentivador de cenário musical autoral.

Mais matérias de Mateus Rister no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336