Jack the Joker: confiantes e competentes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo M. Brauna, Fonte: Rock - CE
Enviar correções  |  Ver Acessos

O Ceará já é conhecido em todo Brasil pela revelação constante de nomes que fortalecem a cena underground no quesito música extrema. O que poucos não conhecem, é o talento de vários grupos que atendem por vertentes mais virtuosas dentro do mesmo cenário. É o caso de Jack The Joker, uma banda que vem apostando na modernidade musical desde 2012, mas que valoriza a essência de belas notas tiradas do Progressivo, unindo-as ao peso do Heavy Metal. Vamos conferir o que Rafael Joer (vocal), Lucas Arruda (baixo), Vicente Ferreira (bateria), Felipe Facó e Lucas colares (guitarras) têm a dizer sobre esse trabalho.

Megadeth: Pepeu Gomes comenta convite para tocar na bandaFãs de Rock: você conhece o estilo de se vestir de cada um

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como a banda ver o crescimento do Progmetal mundialmente?

O progressivo, por essência, tende a ser um estilo mais neutro e abrangente. Dentro da mesma esfera, encaixam-se Dream Theater, Symphony X, Opeth, Porcupine Tree, A.C.T., Enchant, Evergrey, Pain Of Salvation e uma série de bandas que, se ouvidas uma a uma, de fato se define um ou outro elemento em comum, mas a abrangência somada à capacidade de se reinventar dentro de si são pontos-chave no estilo. Junto disso, a saturação de estilos outrora bastante visados, também leva o público a buscar novas fontes.

Foto Gabriel Bessa
Foto Gabriel Bessa

Em Fortaleza, bandas como Sleeping Awake abriram portas importantes para o estilo, e Jack The Joker está dando continuidade à solidificação desse espaço. Qual a opinião de vocês em relação à atenção do público local?

Em Fortaleza, bandas como a Tiglath, Alliance, Frozen Fire e Insanity Dawn, todas estas em estilos próximos ao mencionado e de elaboradas em altíssimo nível, no começo e meio dos anos 2000, foram determinantes para alavancar a cena como um todo e foram referência na nossa adolescência. Estamos buscando trabalhar como tais bandas e acreditamos que possa haver um crescimento a partir de um material elaborado com esmero.O público tem passado um 'feedback' bastante interessante até então, e acreditamos que, se oferecermos condições de fazer um show legal, ele pode abraçar nossa causa.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

'Here Again' e 'Ordinary Men' foram lançadas em 2012, mas agora constam no primeiro álbum de vocês, 'In The Rabbit Hole', lançado em julho de 2014. Como chegaram a essa decisão?

'Here Again' e 'Ordinary Men' foram duas das primeiras músicas compostas por nós. Como foram gravadas de forma completamente caseira, descompromissada e mixada/masterizada por nós mesmos, decidimos que as duas mereciam uma nova roupagem, aproveitando toda a minúcia que usamos para a gravação das outras trilhas do álbum.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O som de vocês às vezes traz uma linha bem agressiva, deixando o lado progressivo com passagens apenas sutis, é o caso de 'Jack Ketch' e 'Awake'. Fale-nos sobre o desenvolvimento artístico da banda desde o seu começo.

O Jack The Joker, para esse primeiro disco, contou em maior parte com composições de projetos anteriores, como Samhainfall e Brutall Project, que foram escolhidas a dedo. A amplitude de estilos também se dá pelo fato de termos músicas compostas entre o ano de 2008 e 2013. Com relação a 'Jack Ketch' e 'Awake', elas representam o lado bom do progressivo: procuramos explorar distintos elementos, sem fugirmos do que nos propusemos a fazer.

Essas músicas também trazem alguns elementos que as pessoas podem associar hoje como Metalcore. Concorda?

Na verdade, não sabemos fazer Metalcore (risos). Talvez pela essência, que vem de uma base progressiva. Mas certamente o Thrash Metal é bastante perceptível nas duas músicas citadas, bem como uma característica mais extrema foi explorada na 'Nothing Lasts Forever'. A própria 'Ordinary Men' conta com uma agressividade na voz do Joer que remete bem ao Phil Anselmo, ao Russel Allen. O Jack The Joker se propõe a criar algo a partir da criatividade individual de cada um, e aproveita suas influências sem distinção de "novo" ou "velho", "moderno" ou "tradicional". Acreditamos que música boa pode ser música recente ou antiga, já que isso não necessariamente vai definir sua qualidade.

'Better Times' mantém a proposta da boa melodia, mas se harmoniza com o peso. Aí já percebemos que a banda gosta de experimentar e não se apega a uma única linha de som.

Sim, a 'Better Times' representa uma linha de composição mais direta, no qual buscamos dar maior ênfase aos vocais do Joer. 'Prophets Of The Profit' ora tem uma pegada mais tradicional, ora conta com elementos progressivos ou da música contemporânea, e por aí vai.

Nothing Last Forever contém ótimos arranjos e melodia. Como veio a ideia de chamar Jeferson Veríssimo (In No Sense) para participar?

Ao elaborarmos um trecho mais Death Metal na Nothing Lasts Forever, pensamos em inserir um vocal mais agressivo que representasse a explosão da passagem. Por gostarmos dos vocais do Jeferson, um grande amigo do Jack The Joker, fizemos o convite e ele topou fazer essa participação, sempre com um clima bastante agradável, e deixar seu registro no nosso álbum.

A cozinha rouba a cena em 'Darkness No More', principalmente com as partes de baixo. Essa coisa de cada integrante mostrar o seu talento dentro da banda me parece ser bastante valorizada.

A ideia em 'Darkness No More' é, na verdade, o quão interessante possa soar o trabalhando individual em conjunto. Trabalhar um verso todo no 'slap' causa uma sonoridade bem interessante e peculiar, não muito convencional no Metal. Dá uma sensação de 'groove' e tende a prender a atenção de quem ouve. Se cada membro da banda tem recursos a oferecer, por que não utilizá-los? (risos)

O disco foi lançado através de serviços de 'streaming'. Haverá um lançamento físico do álbum?

O disco será lançado em formato físico no mês de novembro, bem como alguns 'merchans', tipo camisa etc. Por enquanto, o disco 'In The Rabbit Hole' está disponível no 'Deezer', 'Spotify', 'Rdio' e 'Grooveshark', e atualmente estamos lançando no 'YouTube' uma música por semana.

Obrigado pela entrevista, podem deixar as suas considerações finais.

O Jack The Joker agradece aos leitores do Rock-CE e WHIPLASH.NET e ao Leonardo M. Brauna pelo interesse, espaço e apoio com essa entrevista. Quem quiser ficar por dentro do conteúdo do Jack The Joker, pode acessarwww.facebook.com/jackthejokerbr, curtir nossa página e acompanhar o conteúdo que lançamos lá semanalmente, como vídeos, músicas, shows e novidades em geral. Em novembro, estaremos lançando o álbum em formato físico e teremos alguns shows de lançamento, tanto em Fortaleza quanto em outras cidades do Nordeste. Tudo isso pode ser acompanhado pelas redes sociais.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Jack The Joker"


Megadeth: Pepeu Gomes comenta convite para tocar na bandaMegadeth
Pepeu Gomes comenta convite para tocar na banda

Fãs de Rock: você conhece o estilo de se vestir de cada umFãs de Rock
Você conhece o estilo de se vestir de cada um


Sobre Leonardo M. Brauna

Leonardo M. Brauna é cearense de Maracanaú e desde adolescente vive a cultura do Rock/Metal. Além do Whiplash, o redator escreve para a revista Roadie Crew e é assessor de imprensa da Roadie Metal. A sua dedicação se define na busca constante por boas novidades e tesouros ainda obscuros.

Mais matérias de Leonardo M. Brauna no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280