Anathema: Vincent Cavanagh fala sobre "Distant Satellites"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcelo R., Fonte: Prog Sphere, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

Em recente entrevista concedida ao site "Prog Sphere", o frontman do ANATHEMA, Vincent Cavanagh, novamente falou sobre o vindouro álbum da banda, "Distant Satellites", que será lançado no início desse mês de Junho.

Rolling Stone: As 500 melhores músicas segundo a revistaLed Zeppelin: "Stairway To Heaven" vale mais de US$500 milhões?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Alguns trechos dessa entrevista podem ser conferidos a seguir:

ENTREVISTADOR: "Distant Satellites" soa um pouco mais pesado comparado ao álbum anterior, "Weather Systems". Foi uma decisão consciente fazer um álbum pesado, ou isso foi um progresso natural?

VINCENT: Mais pesado, você quer dizer? Hm... Eu não sei. Certamente é mais obscuro. Eu acho que muitas das canções, praticamente todas elas na verdade, foram tocadas em um tom menor. Então esse foi o motivo. Mas, a verdade é que nós sequer percebemos isso até terminarmos de gravar o álbum. Quando nós terminamos as gravações, nós tocamos o álbum para algumas pessoas e elas ficaram assim: "P...! É bom. É obscuro. Esse álbum é obscuro pra c...". E nós respondemos: "É? Oh droga, acho que vocês estão certos. Ok, nós fizemos um álbum obscuro" [risos]. Eu não sei, cara. Nunca foi uma decisão consciente. Nós nunca estabelecemos qualquer mudança deliberada de estilo, nós escrevemos o que surge. Nós escrevemos [as canções] naturalmente e o que vem, vem! E isso é sempre um reflexo honesto de onde nós estamos naquele momento. Eu acho que nós atravessamos um ponto obscuro, então é por isso que [o álbum] soa do jeito que é.

ENTREVISTADOR: Qual a evolução que você sente que "Distant Satellites" representa para a banda?

VINCENT: Bem, eu acho que, do mesmo jeito que "Weather Systems" e "We're Here Because We're Here" estavam conectados, eu acho que "Distant Satellites" está desconectado desses dois álbuns - é um novo passo à frente. Especialmente no que se refere ao lado eletrônico [inserido nas composições]. Há momentos lá [no álbum], especialmente na parte rítmica - a bateria, as batidas - que eu acho que nós demos um enorme passo à frente. No que se refere às composições, grande parte deste álbum foi improvisado, então está tudo fresco, soa revigorado, o que é um passo na evolução e é algo diferente. Você sabe com o que uma maçã se parece? Nós sempre mudamos, de algum modo, em todos os álbuns e eu acho que o próximo álbum que fizermos será diferente de "Distant Satellites". É apenas o jeito que essa banda é - nós continuamente evoluímos e seguimos em frente.

ENTREVISTADOR: Como aconteceu o processo criativo que informou o álbum desta vez? Houve alguma diferença na abordagem das composições de "Distant Satellites" em comparação com o material mais antigo?

VINCENT: Sim, houve muito mais improvisação neste álbum; e, por improvisação, eu quero dizer que você vai encontrar algo como uma batida/um ritmo, por exemplo, que é o que aconteceu com as "The Lost Songs". Há a batida e, imediatamente, você põe os dedos no piano e inicia o primeiro acorde, e após esse primeiro acorde tudo segue por puro instinto. Então, está fluindo! E está tudo ali. E, o fato é que a única responsabilidade que nós temos, como músicos, é a de assegurarmos que nós estamos criando tudo desta maneira, porque está tudo acontecendo naquele momento. Você tem certeza de que está captando o momento. É assim que o processo de criação realmente funciona para esta banda, especialmente nos últimos anos. Nós alcançamos um certo estado mental onde nós nos desligamos da nossa parte funcional normal do cérebro, encontramos o primeiro acorde e, então, tudo o que acontece daí em diante é puro instinto. Você tem que fazer algo como desligar seu cérebro e pensar "eu estou tocando um acorde em sol (G) agora, então eu sei que se eu tocar um tom mi menor (E minor) ou um dó menor (C minor), isso vai funcionar" - para todas essas coisas você tem que se desligar, se você entende o que eu quero dizer - você tem que abstrair; fechar os olhos e seguir o que a música está dizendo para você fazer. E é a música que faz a escolha do que ela quer ser; é a música que toma a decisão final de onde ela vai terminar. Então, é por isso que você não vai encontrar muito daquele material "exibido" em nossa música. Tudo gira em torno da própria música. Se algo deve estar ali [na música], ele estará. Se não deve estar ali, não estará. Muitas vezes, na música, você tem que saber quando não tocar algo - quando calar-se. Quando você está compondo, você deve saber o momento de tirar você e o seu ego do caminho da música - isso que é música progressiva. Música progressiva para o ANATHEMA é The Beatles, Radiohead, Pink Floyd e bandas como essas. Essas são bandas em que você não ouve partes "exibidas" maciças e elaboradas de solos de guitarras, por exemplo. O que você ouve são canções. Então, as experimentações são legais e estarão sempre ali, nós adoramos fazer experimentações com a música, mas tudo gira em torno das canções. Os grandes arranjos, melodias, refrãos, harmonias - esse tipo de coisa - é isso o que eles significam isso para nós, a música.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

ENTREVISTADOR: "Weather Systems" foi recebido muito bem, tanto pelos fãs quanto pelos meios de comunicação. Considerando que você intencionalmente quis simplificar as coisas em "Distant Satellites", você acha que isso poderia causar uma reação diferente e dicotômica desta vez?

VINCENT: Não, não, não, nós não damos a mínima sobre o que as pessoas acham! Eu serei sincero com você: nós não nos importamos com o que as pessoas acham, nós nos importamos com o que NÓS achamos e isso inclui o álbum anterior e o álbum atual. O que realmente importa é como nós nos sentimos sobre a [nossa] música. Nós não conseguimos controlar o que as pessoas sentem e, portanto, nós não nos importamos com isso - se elas acham [a música] boa ou ruim, nós não ligamos, não importa.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

ENTREVISTADOR: Tanto o "Weather Systems" quanto o novo álbum foram produzidos por Christer-Ander Cederberg. Como foi trabalhar com ele novamente? Como o apoio dele ajudou a moldar esses dois álbuns? Eu pessoalmente acho que o toque dele foi crucial para ambos os álbuns, resultando em dois grandes trabalhos.

VINCENT: Sim, Christer é um desses caras que é quase parte da banda. Como personalidade, ele se encaixa perfeitamente na família. Nós amamos esse cara e seu pai, sua esposa e sua filha pequena - eles são como parte da família para nós. Seu temperamento, seu jeito de ser, sua personalidade e, é claro, ele já esteve numa banda - uma banda que teve bastante sucesso no passado, chamada Animal Alpha - ele sabe como é tocar em frente a um público de 25.000 pessoas, ele sabe o que é escrever canções e ele é um músico muito, muito bom, mas, acima de tudo, ele é exímio no estúdio! Ele é um produtor e um engenheiro muito talentoso e, então, para este álbum, ele nos perguntou se nós poderíamos gravá-lo em Oslo, no estúdio dele, porque ele teve um novo bebê. Diante disso, nós dissemos que sim, porque tinha a vantagem de que nós usaríamos seu próprio estúdio, seu próprio equipamento, compressores, equalizadores, suas próprias unidades de reverberação e equipamento externo, sua própria mesa de mixagens, seus próprios microfones - seu próprio espaço confortável onde ele trabalha todos os dias. E isso torna todo o processo mais concentrado e mais focado desde o primeiro dia. Nós até mesmo fizemos uma sessão de pré-produção no estúdio dele, então mesmo antes de começarmos o álbum, nós já tínhamos os modelo/padrão preparado, de forma que já conhecíamos cada música, os arranjos e tudo mais, então foi algo muito fácil de fazer.

ENTREVISTADOR: Duas canções, "You're Not Alone" e "Take Shelter", foram mixadas por Steven Wilson. Vocês pretenderam atingir algum tipo de versatilidade ao decidirem entregar a mesa de mixagens a Wilson?

VINCENT: Parece que essa história ainda não acabou, mas o que aconteceu foi que, no final das gravações, Christer teve um sério problema nas costas e teve que se submeter a uma operação, então foi uma emergência, mas felizmente e por sorte, a operação foi um sucesso. Todavia, os médicos disseram que Christer teria que ficar 03 meses de repouso, sem trabalhar. Ele disse que não e que ele tiraria apenas 01 semana de repouso [risos] - iria mixar o álbum do ANATHEMA e, após isso, ele tiraria os 03 meses de repouso. Todavia, perder uma semana significou que ele não poderia mixar aquelas 02 músicas, motivo pelo qual ele nos disse que se nós pudéssemos encontrar outra pessoa para mixar aquelas canções, nós ainda conseguiríamos terminá-las em tempo. Então, nós ligamos para Steven Wilson. Ele obviamente foi o primeiro cara para quem nós ligamos, nós trabalhamos com ele anteriormente e nós sabíamos o quão bom ele era naquilo [nas mixagens], e ele veio. Ele foi capaz de fazê-las [as mixagens] e realizou um ótimo trabalho. Nós nos sentimos muito felizes e sortudos por termos dois excelentes produtores como Chister e Steven Wilson, que querem trabalhar com o ANATHEMA. Nós também somos muito gratos a esses caras, nós tiramos o chapéu a eles.

ENTREVISTADOR: Steven também está cantando em "You're Not Alone", né? Essa canção possui uma mudança inesperada e dá uma quebrada no andamento do álbum. Qual a sua opinião sobre isso?

VINCENT: Não, é o Danny [Cavanagh]. Eles possuem vozes parecidas, mas é o Danny cantando um pouco no começo da canção. É intensa e eu estou ansioso para tocá-la ao vivo. É insana, mas muito curta; eu acho que ela tem menos de 03 minutos, então ela é mais rápida que um "flash". Ela desce por um túnel obscuro; é uma viagem hipnótica por este túnel, inspirada num baixo e numa bateria obscuras. É um pouco esquisita, eu tenho que admitir! É uma boa música, mas é uma canção estranha no álbum [risos], se é que eu posso dizer isso, sabe?

[...]

ENTREVISTADOR: A história por trás do tríptico "The Lost Songs" é interessante. É basicamente a busca de Danny [Cavanagh] por um riff perdido. Você pode nos dizer algo a mais sobre isso?

VINCENT: Ah sim - o riff - sim, ele perdeu o riff e não conseguia mais encontrá-lo. Tudo o que tínhamos era a armadura, o compasso e o ritmo, então Danny improvisou o piano, e eu fiquei por trás dos ombros de Danny dizendo-lhe o que fazer, direcionando aonde ir com o piano e, dessa forma, a canção foi escrita imediatamente. Então, a segunda parte foi Danny quem fez sozinho, apenas ele naquele momento criativo quando ele começou a tocar aquela canção. Parece engraçado dizer isso, mas foi isso o que ele fez - ele tocou a primeira parte, ele tocou a segunda parte e então ele tocou a terceira parte, apenas aconteceu daquela forma ali e eu acho que, um dia depois, nós estávamos com a terceira parte pronta, então foi tudo muito natural e muito improvisado de uma maneira espontânea, o que é muito legal - E tudo isso surgiu por tentarmos nos lembrar desta canção perdida. Isso é serendipidade, não é? Um feliz acidente. Além disso, sabe de uma coisa, eu não tenho certeza se esse riff perdido, ou essa canção perdida, era boa [risos] porque nós provavelmente teríamos nos lembrado dela, mas isso não importa, porque nós temos 3 ótimas músicas que saíram dela - então, e daí?

(NOTA DO TRADUTOR: "Serendipidade, também conhecido como Serendipismo, Serendiptismo ou ainda Serendipitia, é um anglicismo que se refere às descobertas afortunadas feitas, aparentemente, por acaso". FONTE: http://pt.wikipedia.org/wiki/Serendipidade, acessado em 01/06/2014, às 01h16min.)

ENTREVISTADOR: Quais foram os maiores desafios que vocês enfrentaram enquanto criavam o "Distant Satellites"?

VINCENT: A canção do single, chamada "Dusk" - faixa 03. Nós tentamos fazê-la de muitas formas diferentes e acabamos voltando ao princípio. As vezes você pode pensar demais nas coisas e, então, perceber que a ideia inicial que você tinha para uma música era a melhor maneira de fazê-la, e foi isso que aconteceu com aquela música. É uma canção muito legal. É muito intensa - muito, muito intensa e muito estranha. Ritmos intensos, ótimo riff, execução intrincada e os vocais estão insanos, especialmente na primeira metade. Eu me lembro de quando eu estava cantando aquelas linhas de voz no estúdio, eu tive que fazer um intervalo entre cada uma das partes, porque eu senti que minha cabeça estava fervendo enquanto eu dava tudo de mim! Foi extremamente intenso.

ENTREVISTADOR: A maioria das pessoas considera que a revitalização da banda aconteceu com o álbum de 2010, "We're Here Because We're Here". Você concorda que esse álbum, de alguma forma, representou um novo começo para a banda e um ponto de viragem para o que veio posteriormente?

VINCENT: De certo modo, eu acho que sim, porque nós fizemos um grande intervalo entre os álbuns antes disso. Mas eu ainda enxergo a evolução natural da música, mas de uma perspectiva externa. A banda conquistou muito mais sucesso após 2010 com aquele álbum, e ainda mais sucesso após "Weather Systems", então eu acho que isso é uma daquelas coisas... como você mede o sucesso e como ele acontece? Nós apenas escrevemos as músicas e esperamos que dê tudo certo, mas nós estamos no mesmo tipo de ímpeto agora - nós temos lançado álbuns e materiais regularmente nos últimos anos desde 2009, quando nós fizemos o "Hindsight", então nós temos feito algo importante todo ano. ["We're Here Because We're Here"] foi um álbum [lançado] depois de 05 anos [sem lançamentos] e eu acho que, às vezes, um momento totalmente sozinho mantém você na imaginação das pessoas e permite que elas continuem pensando em você, o que é importante para a banda. Você tem que trabalhar rapidamente em qualquer banda.

[...]

ENTREVISTADOR: Nós testemunhamos as composições do ANATHEMA mudarem ao longo do tempo. Compor músicas ainda dá a vocês a mesma satisfação de antes, tal como quando vocês estavam compondo álbuns como "Judgement", "Eternity" ou "Alternative 4"?

VINCENT: Eu me sinto muito mais satisfeito atualmente, por todo tipo de razão. Nós ainda gostamos do processo [de composição], mas quando nós estávamos escrevendo canções como "The Last Goodbye" (sic.), talvez não fossem momentos felizes - eu não estou dizendo que esses tempos atuais são de felicidade, mas há uma facilidade de compor músicas agora - algo sob uma perspectiva pessoal, de que nós estamos muito à vontade ao escrevermos canções e escrevermos música atualmente. É claro que, como banda, você ainda tem os seus conflitos - alguém pode achar que algo deve ser de uma maneira e você pode discutir, mas você acaba deixando a música decidir e você põe o seu ego e deixa a canção resolver a discussão. É a forma mais simples de trabalhar - você é apenas um catalisador da música, e aquele que a faz acontecer, e ela [a música] toma a decisão do que ela quer ser. Então, dessa forma, você tira a pressão dos seus ombros.

A entrevista completa (em inglês) pode ser conferida através do seguinte link:
http://www.prog-sphere.com/interviews/anathema-interview/

Por fim, quem quiser saber de notícias, novidades, curiosidades e outras informações sempre atualizadas do ANATHEMA, pode acessar a página do ANATHEMA BRASIL no Facebook, através do seguinte link:
https://www.facebook.com/AnathemaBrasil




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Anathema"


Headbanger também chora: Músicas para (não) curtir uma fossaHeadbanger também chora
Músicas para (não) curtir uma fossa

Heavy Metal: as melhores músicas para meditarHeavy Metal
As melhores músicas para meditar


Rolling Stone: As 500 melhores músicas segundo a revistaRolling Stone
As 500 melhores músicas segundo a revista

Led Zeppelin: Stairway To Heaven vale mais de US$500 milhões?Led Zeppelin
"Stairway To Heaven" vale mais de US$500 milhões?


Sobre Marcelo R.

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280