Coheed And Cambria: "a música é a primeira coisa que importa"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Jean Dentão, Fonte: Brave Words & Bloody Knuckles, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

O guitarrista TRAVIS STEVER do COHEED AND CAMBRIA, é destaque em uma nova entrevista para o Rockstar Energy Uproar Festival, falando sobre os álbuns da banda, The Afterman: Ascension e o novo, The Afterman: Descension.

Coheed And Cambria: baterista fará operação cardíaca; datas de turnê são canceladasMegadeth: "Magia negra arruinou minha vida", diz Mustaine

Uproar: A música pode levar a caminhos alternativos, mas você ainda mantém "ganchos"(parte memorável de uma música) e repetição de estrofes.

TRAVIS: "Obrigado! Isso representa um enorme elogio. Isso é o que tentamos fazer. Gostamos de ir experimentando e estendendo em todas as diferentes direções, mas nunca nos perderemos da sonoridade inicial que viemos, especialmente das melodias. CLAUDIO inovou nos seus vocais. Penso que, essas devem ser as características de destaque da música. Como nas demais bandas, são o que as pessoas esperam. Penso que é o que a música leva e lhes damos os seus "ganchos". Você pode se conectar com essas melodias vocais que estão acontecendo. Isso constitui uma grande parte. Seja qual for a estranheza ou o que experimentamos fazer, a música é a primeira coisa que importa".

Uproar: No momento, qual música do álbum é a sua favorita?

TRAVIS: " Adorei a primeira vez que CLAUDIO tocou-a em acústico pra mim. Contudo, a versão da banda de "Key Entity Extraction V: Sentry The Defiant", no momento parece ser um ponto de referência no set. Houve uma familiaridade para os garotos quando ouviram as versões demo e ao vivo de "Sentry", CLAUDIO a fez acusticamente um ano atrás. Começamos fazendo ao vivo na primavera passada, sabendo disso não hesitamos em lançá-la até que as pessoas a ouvissem como uma banda. Estavam ouvindo acusticamente. Eles não tinham ideia das "nuances" que fomos adicionando. É legal que isso exista. Quando algo é tocado ao vivo, registra, mas você realmente não a obtêm até ouvir a versão de estúdio. Eu diria que essa é a música que eu estou mais animado e feliz por tocar. Então, naturalmente, tem a "'Dark Side Of Me". Só a tocamos em Conan. Eu curto tocar esses duas e, realmente me orgulho delas".

Para a entrevista completa acesse:
http://bit.ly/1314ioz




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Coheed And Cambria"


Coheed And Cambria: baterista fará operação cardíaca; datas de turnê são canceladas

Separados no nascimento: Claudio Sanchez e uma samambaiaSeparados no nascimento
Claudio Sanchez e uma samambaia

Feeling: Existe no rock/metal moderno? 7 músicas que comprovamFeeling
Existe no rock/metal moderno? 7 músicas que comprovam


Megadeth: Magia negra arruinou minha vida, diz MustaineMegadeth
"Magia negra arruinou minha vida", diz Mustaine

Separados no nascimento: Sarah Jessica Parker e o mascote EddieSeparados no nascimento
Sarah Jessica Parker e o mascote Eddie


Sobre Jean Dentão

Acadêmico de Engenharia Civil, Produtor na Web Rádio Cabeça Metal, Músico Profissional OMB-GO Nº 1096 - Gêneros: Popular, Jazz e Heavy Metal. Facebook: www.facebook.com/jeanengenheiro.

Mais matérias de Jean Dentão no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336