Ragnarok: nosso trabalho é tocar com sentimento e precisão

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Juliana Lorencini, Fonte: RocksOff
Enviar correções  |  Comentários  | 

A banda norueguesa RAGNAROK, atualmente formada por Jontho (bateria), Hans Fyrst (vocal), Bolvek (guitarra) e DezeptiCunt (baixo), acaba de lançar o disco "Malediction", seu sétimo trabalho de estúdio.

5000 acessosGlen Benton e Euronymous: a verdade sobre o encontro5000 acessosPink Floyd: tudo sobre "Another Brick in the Wall"

Aproveitando o ensejo, a equipe do ROCKS OFF bateu um papo via e-mail com o baixista do grupo, DezeptiCunt. Na conversa o músico falou sobre suas lembranças do Brasil, a sensação de tocar ao lado de grandes ídolos, o estado da indústria musical e, é claro, sobre o novo disco.

Confira trechos da entrevista abaixo.

Rocks Off – No ano passado vocês fizeram uma grande turnê no Brasil, visitaram várias cidades e ainda tiveram a honra de tocar ao lado do Morbid Angel nos dois últimos shows. Você tem alguma lembrança daqueles shows?

DezeptiCunt – Em primeiro lugar, nós amamos excursionar pelo Brasil e tocar para os nossos fãs que são alguns dos mais dedicados, por isso sempre acabamos com vontade de voltar. Mesmo tendo dividido o palco com uma grande banda que nem o Morbid Angel, ainda assim tivemos muitos fãs na platéia.

Rocks Off – Quando escutei as músicas do single, devo dizer que fiquei impressionado com a produção e o som, eu podia ouvir claramente todos os instrumentos. E quando escutei a versão final de "Malediction", minhas impressões se confirmaram. Isso foi algo que a banda buscou quando começou a gravar o novo álbum ou simplesmente aconteceu?

DezeptiCunt – Nós sempre temos algum tipo de visão sobre como queremos que o nosso álbum soe. Obviamente queremos ter uma produção limpa, que permita que todos os instrumentos sejam ouvidos com clareza. Para isso nós colaboramos com o produtor, experimentamos diferentes sons e combinações com o baixo e guitarra antes de concordamos com o que será o resultado final. O processo de mixagem e masterização fazem uma diferença enorme, mas nós deixamos os profissionais cuidarem dessa parte. Nosso trabalho é tocar os nossos instrumentos com sentimento e precisão.

Rocks Off – DezeptiCunt, em uma entrevista recente para o site brasileiro MetalRevolution.net, você declarou que o termo "old school", hoje em dia, não se aplica mais ao black metal. Por favor, você poderia elaborar um pouco mais os seus pensamentos sobre essa questão?

DezeptiCunt – O que eu quis dizer é que é quase impossível fazer o que chama de "old school black metal", sem soar datado. Existem bandas tentando recriar aquele sentimento usando som e produção ruim. Tudo o que essas bandas conseguem de mim são as minhas risadas ou o som do meu dedo atingindo o botão de "parar" no meu aparelho de som.

DezeptiCunt - No entanto, tenho grande respeito por bandas que estão tentando criar algo só delas, talvez algo até novo, ainda que seja raro nesse gênero do black metal. Portanto, por favor, sinta-se a vontade para criar o seu próprio som, mas não tente recriar ou copiar algo que já foi feito.

Rocks Off – Ainda sobre essa obsessão em soar como uma banda old school hoje em dia, muitas bandas estão tentando tanto soar como os seus ídolos e predecessores que está ficando difícil diferenciar uma das outras. Como um músico, você acha que ignorer toda a tecnologia que está disponível para facilitar a vida dos músicos é uma decisão inteligente?

DezeptiCunt – Ensaie bastante e se torne um bom músico, não faça parte da geração "copiar e colar", mesmo que seja difícil criar o seu próprio som. Seja verdadeiro consigo mesmo, o resultado, definitivamente, será melhor. A sensação de dominar o seu instrumento também é muito legal, ser orgulhoso daquilo que você conseguiu atingir.

DezeptiCunt - Mas isso não significa que você deve virar as costas para a tecnologia, pois de várias maneiras ela é uma ferramenta poderosa. Ao invés de lançar algo que será uma merda completa, faça uma pré-produção usando técnicas modernas de gravação e aprenda com os seus erros. Entretanto, não se contente com o que todos estão usando em termos de equipamentos musicais, crie o seu próprio som!

Para conferir a entrevista completa em português e na versão original em inglês, acesse:
http://www.rocksoff.com.br/ragnarok-nosso-trabalho-e-tocar-n...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Ragnarok"

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Ragnarok"

Qual a verdade?Qual a verdade?
O polêmico encontro de Glen Benton e Euronymous

Pink FloydPink Floyd
Tudo sobre o clássico "Another Brick in the Wall"

HumorHumor
Os roqueiros mais chatos das redes sociais

5000 acessosIron Maiden: fatos estranhos na gravação de The Number Of The Beast5000 acessosMetallica: os fantasticos carros de James Hetfield5000 acessosCorey Talor: "Axl é um pau no cu e quem espera por ele é otário"5000 acessosBlack Sabbath: todos os instrumentos que Tony Iommi tocou nos discos5000 acessosLars Ulrich: O motivo pelo qual o Big Four tocou "Am I Evil"5000 acessosAC/DC - Perguntas e Respostas

Sobre Juliana Lorencini

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online