Raimundos e Os Cabeloduro: mini entrevista em Brasília

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Guilherme Brandão
Enviar correções  |  Comentários  | 

Tive a oportunidade de assistir aos shows de inúmeras bandas do Distrito Federal, muitas me impressionaram e percebi uma certa mudança no cenário musical, não só de Brasília, mas como de todo o Distrito Federal e entorno. Entrei em contato com algumas bandas para saber suas opiniões sobre o que mudou, o que falta e o que é. Infelizmente, as bandas estavam com a agenda lotada e não tinham muito tempo para as entrevistas. Fiz três perguntas básicas para cada banda.

667 acessosRock Comédia: em vídeo, as dez melhores bandas brasileiras5000 acessosDead Fish: A proposta mais indecente que a banda já recebeu pelo Facebook

Quem representou o RAIMUNDOS, foi o baixista CANISSO. Veja a entrevista abaixo:

Brasília é ainda é a capital do rock?

CANISSO: ''Brasília ainda é a capital do rock, mas somente pelo seu legado, a estrutura para tocar aqui, tirando os eventos de parceria com o GDF (Governo do Distrito Federal), é muito pequena em comparação até com alguns pequenos municípios do interior, não temos um casa decentes, contam-se nos dedos os lugares onde tem os shows com regularidade, os poucos que rolam são quase combatentes numa guerra, mantidos por uns poucos herois que fazem a coisa rolar muito mais por amor do que por lucro, falta ainda um pico, como finado Gran Circo Lar, demoliram e não construíram nada no lugar... Mas apesar de tudo, a cena continua muito rica, aqui a galera que toca sempre teve que correr atrás muito mais que em qualquer outra capital, pela falta de locais, apoio, etc, enfim.. Isso acaba tornando quem persiste muito mais competente e atuante, é uma verdadeira luta, só os fortes continuam...''

O Porão do Rock é um evento que completou 15 anos e, é muito importante na cena musical do Distrito Federal. O RAIMUNDOS tocou nessa edição de 2012, como esse show se diferenciou dos outros?

CANISSO: ''Esse show foi interessante pois rolou meio de 'surpresa' de tocarmos o nosso segundo disco na íntegra, e ainda teve a participação do Cipriano, campeão brasileiro de basquete pelo UniCEUB/BRB/Brasília (e rapper de mão cheia) cantando o rap de ''Cabeça de Bode'', foi a primeira vez que tocamos esse set, foi meio estranho deixar de tocar várias músicas que nunca ficaram de fora do nosso show, músicas dos outros álbuns, como ''Palhas Do Coqueiro'' e ''Me Lambe'', por exemplo, mas foi muito maneiro tocar o disco na ordem em que ele foi gravado.''

Como lidar com as críticas?

CANISSO: ''Críticas são melhores que elogios, por que te dão pistas de como melhorar, elogio só serve para envaidecer, não ajuda em nada, na verdade até atrapalha.''

Falei também com a banda OS CABELODURO, que está presente no cenário musical do Distrito Federal desde 1989.

O que mudou no cenário musical do DF?

OS CABELODURO: ''Tudo... A pauta do rock deixou de ser dos artistas e virou lobe dos produtores. Antes as bandas produziam seus shows com as casas lotadas até o final dos anos 90, agora muitas bandas se tornaram reféns e não conseguem demandar seu trabalho se não passar pelas mãos de alguns produtores. Não existe cena local... Existe um bando de banda tentando sobreviver do seu trabalho e um banda de espertalhão que ganha em uma cima dos artistas. Fato!''

Algum conselho para as bandas novas no cenário do DF?

OS CABELODURO: ''Conselho? Do it yourself... O Festival é importante como evento para cidade, mas perdeu sua essência como expoente de bandas de Brasília. Sobre as seletivas, acho meio estranho você ser avaliado para tocar ou não no festival. Sei que o o Porão do Rock recebe uma grande demanda de bandas do DF e entorno e, nesse caso, precisa escolher e muitas vezes o resultado não é ideal. Seletivas, curadoria, meritocracia, jabá, política entre outras coisas... É preciso reinventar, pois o festival ainda é o mais importante nesse contexto... Como serão os próximos 15 anos?''

Fotos: Raimundos, Flickr oficial do PDR, fotógrafo GERDAN. Os Cabeloduro: Divulgação.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

RaimundosRaimundos
Ficou aquele gostinho de que podia ser melhor

667 acessosRock Comédia: em vídeo, as dez melhores bandas brasileiras1754 acessosThe Noite: Semana de muito rock no programa de Danilo Gentili769 acessosRaimundos: nova visita à carreira, dessa vez em formato acústico.2784 acessosRaimundos Acústico: Identidade renovada0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Raimundos"

PolêmicaPolêmica
As maiores tretas no Rock em 2014

RaimundosRaimundos
Volta a puteiro em João Pessoa, Digão detona haters

Rodolfo AbrantesRodolfo Abrantes
"Raimundos como banda não me interessa"

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Raimundos"0 acessosTodas as matérias sobre "Cabeloduro"

Dead FishDead Fish
A proposta mais indecente que a banda já recebeu

MetallicaMetallica
O video game da banda que nunca foi lançado

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Steven Tyler, do Aerosmith, muito antes da fama

5000 acessosDavid Bowie: a última foto pública e a última foto privada5000 acessosFotos de Infância: Dave Mustaine, do Megadeth5000 acessosSlayer: a trágica e não revelada história do fim de Jeff Hanneman5000 acessosA escolhida do Axl Rose: minhas memórias favoritas do Rock in Rio5000 acessosNicolas Cage: filho queria muito apresentar Amon Amarth ao pai4511 acessosAlice In Chains: vocal alega racismo ao ser detido pela polícia

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Guilherme Brandão

Estudante, 15 anos, entrei no meio musical quando minha mãe veio ao quarto e me deu um CD ao vivo do Van Halen e daí pra frente, não parou mais. Não consigo achar banda pra tocar, então aprendi a tocar guitarra, baixo, bateria e faço minha própria banda. Comecei a colaborar no Whiplash.Net quando percebi que a cena (underground) do Distrito Federal merecia ser reconhecida e respeitada, posto apenas coisas relacionadas à cena daqui. Viva DF!

Mais matérias de Guilherme Brandão no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online