Exhortation: buscando mais feeling e menos técnica

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Talvez tenha passado meio despercebido de um maior público, mas o Exhortation debutou há alguns meses com "The Essence Of Apocalypse", um excelente disco de Heavy Metal extremo e com tendências contemporâneas. Tendo como base a cidade paulista de Capivari, a banda começou as atividades em 2005 e, como não poderia deixar de ser, trabalhou duro para atingir suas metas. O Whiplash.Net conversou com o guitarrista Renato de Luccas, que deu uma geral em sua trajetória. Confiram aí!

Debandados: saíram de uma banda e formaram outras de igual pra melhorManowar: você acha as fotos da década de 80 ridículas?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Whiplash.Net: Olá pessoal. Ainda que esteja na ativa há alguns anos, o Exhortation estreou em disco há poucos meses. Que tal começarmos com um breve histórico desde sua fundação?

Renato de Luccas: Olá Ben Ami, em primeiro lugar gostaria de agradecer pela oportunidade de apresentarmos um pouco mais do nosso trabalho por intermédio desta entrevista para o Whiplash.Net. O Exhortation nasceu no ano de 2005, na universidade, quando conheci a Aline e pudemos compartilhar do mesmo desejo em fazer música, mais precisamente metal extremo. Naquele momento batizamos o projeto com o nome 'Selective Suicide' e então começamos a buscar um baterista e um baixista para integrarem esta banda que inicialmente tinha outros objetivos dentro da música pesada. Durante dois anos alguns músicos passarem pelos ensaios, porém, como todos sabem, a busca por integrantes ideais para uma banda é sem dúvida um das tarefas mais difíceis e complicadas, onde desde interesses pessoais, amizade e até mesmo logística de ensaio são coisas que precisam casar perfeitamente, formando assim um alicerce rígido para a banda poder trabalhar.

Renato: Analisando o início de tudo, posso concluir que todas as dificuldades que eu a Aline enfrentamos, como troca constante de integrantes, viagens de ônibus pelo interior testando músicos, assim como a troca de experiências que tivemos naquele momento, foi essencial para o nosso amadurecimento como músicos. Foi em uma destas aventuras em busca do nosso alicerce que conhecemos o baterista Billy, por indicação de um amigo. Já no primeiro ensaio pudemos sentir uma energia única que ainda não tinha acontecido. A partir desse momento decidimos manter a cidade de Capivari como base para os ensaios, os trabalhos começam de fato e o Exhortation nasceu, com o aprimoramento das duas primeiras músicas que gravamos no ano de 2007, em nossa demo titulada "Selective Suicide", em homenagem aos nossos primeiros passos. Digo que elas foram aprimoradas, pois eu sempre possuí uma biblioteca extensa de riffs e idéias que fui armazenando e complementando ao longo do tempo. Já na demo estas idéias ganharam uma energia nova, e com as novas idéias do Billy transformando toda a estrutura daquelas duas primeiras músicas da água para o vinho.


Renato: Uma vez que a demo foi lançada (mesmo que de forma tímida), precisamos agendar os nossos primeiros shows, mas ainda não tínhamos um baixista nesta formação. Foi quando o Billy nos apresentou o Rodrigo para tocar nestas primeiras apresentações. Só que o que era para ser um improviso se tornou algo definitivo e estamos juntos há cinco anos, trabalhando em nome desta banda que é algo das coisas mais valiosas que temos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Whiplash.Net: "The Essence Of Apocalypse" demorou para ser liberado... O quanto sua proposta foi mudando ao longo dos anos e quais as maiores dificuldades enfrentadas pelo Exhortation para lançar esse álbum?


Renato: Acho que a evolução da nossa proposta com este primeiro álbum é algo aparente, já que sua composição foi elaborada durante 2007 a 2009. Como disse anteriormente, já tinha idéias que vinham antes mesmo da banda, como também existem músicas que foram criadas sem nenhuma interferência de idéias antigas. Acho que o disco "The Essence Of Apocalypse" é um material que demonstra de maneira clara a transição do início de uma banda que buscava sua identidade com uma nova fase de amadurecimento E isso pretendemos demonstrar com mais força em nosso segundo álbum, que já se encontra em processo de composição.


Renato: Sobre o lançamento, acho que toda banda do underground nacional enfrenta as mesmas dificuldades que enfrentamos na busca por apoio em nosso primeiro disco. A produção de um álbum é um investimento considerável, onde a presença de um selo ou patrocínio que acredita em você e no potencial da sua música é essencial para levar a matriz do disco para a fábrica e tornar isso realidade. Acho que a principal dificuldade neste processo foi conseguir quitar todas as parcelas da produção que encaramos. Ficamos por vários meses com uma dívida extensa com o estúdio e os demais serviços envolvidos no processo de produção. Já a segunda dificuldade foi a busca por parceiros para nos ajudar com o lançamento, mas fico feliz em dizer que tivemos muita sorte em encontrar parceiros e patrocinadores amigos e fieis que passaram a acreditar e a compartilhar deste sonho. Depois que conseguimos apresentar nosso material para o nosso grande amigo Eduardo Macedo, proprietário do nosso selo Eternal Hatred Records, nossos planos começaram a se tornarem mais concretos.


Whiplash.Net: "The Essence Of Apocalypse" possui uma atmosfera relativamente contemporânea em termos de Heavy Metal. É extremo, mas não abre mão de melodias bem sacadas. Quais as preocupações e critérios utilizados na construção do repertório?

Renato: Pode parecer um pouco óbvio, mas nossa principal preocupação e critério é simplesmente fazer música da maneira que amamos fazer. Temos o desejo de ser uma banda com identidade própria e que cada composição mostre uma evolução gradativa e natural dessa identidade. A nossa única preocupação é querer sermos nós mesmos. Não adotamos nenhuma receita ou regra para isso, simplesmente seguimos aquilo que nos dá prazer, e acho que estamos em uma fase de inspiração que é decorrente do momento em que vivemos.

Whiplash.Net: Em termos instrumentais, o trabalho de Billy 'Dark Machine' consegue acrescentar muito ao Exhortation. Quais as influências deste baterista?

Renato: O Billy é o integrante mais experiente. Ele é muito criativo e vem da escola do metal extremo, formado na cena insana do Death Metal de Salvador e contribui de uma maneira única em nossas composições. Além do metal extremo, nós compartilhamos da mesma admiração por jazz e música instrumental. Já na cena extrema, bandas como Headhunter DC, Deicide, Hipocrisy, Immolation, Suffocation, Death (para citar algumas) fazem parte de suas influências e admiração.

Whiplash.Net: O Estúdio Apache (Piracicaba, SP) não possui um histórico em termos de Heavy Metal. Não houve receios quanto ao áudio final de "The Essence Of Apocalypse"? Como rolou toda a etapa de gravação, mixagem e masterização?

Renato: De fato, o Estúdio Apache possui pouca experiência com bandas de metal. Mas não tivemos receio, pois na verdade o Apache foi o responsável apenas pela captação do áudio. Escolhemos captar com eles, devido a qualidade da sala acústica para a gravação da bateria, mas depois acabamos captando todas as outras vozes também. Já na mixagem e masterização, levamos para o grande produtor Ricardo Piccoli, hoje baixista da banda Shadowside. O Ricardo vem fazendo um excelente trabalho há anos como produtor, além de ser um grande amigo nosso. Dessa forma seu trabalho foi essencial para a qualidade sonora do álbum.

Renato: Sobre mudanças, esta foi uma ótima experiência e, como toda experiência, houve muitos erros. Mudaríamos, sim, muita coisa, e tais erros não se repetirão em nosso próximo trabalho de estúdio que já se encontra em andamento... De uma maneira geral, acho que hoje a banda se encontra mais madura e o momento é de pura criatividade. Acho que o próximo disco será mais criativo, mais brutal e mais homogêneo, digamos assim... Mais seguro, talvez.

Whiplash.Net: A Eternal Hatred Records está liberando ótimos trabalhos no mercado. Como vocês chegaram a esse selo? Aliás, parece que ele demonstrou interesse em seus próximos discos, certo?

Renato: Sim, de fato a Eternal Hatred Records é um selo que está lançando grandes materiais, como o último disco do Headhunter DC, e ficou muito foda como sempre... Sobre nosso lançamento, procurávamos um parceiro para lançarmos o material, e naquele momento buscamos a Eternal Hatred por indicação de conhecidos. Quando apresentamos o material ao Eduardo, proprietário do selo, ele se interessou muito, porém daquele momento em diante traçamos uma meta de divulgação do nome da banda antes do lançamento. Acredito que começamos a divulgar melhor a banda com parceria da MS Metal Press, para depois de alguns meses gerar certa segurança para ambas as partes e, assim, planejarmos o lançamento. Depois disso o disco foi para a fábrica... Melhor do que tudo isso, foi saber que a Eternal Hatred Rec não é apenas um selo, e sim uma empresa feita de pessoas como nós, músicos e, mais ainda, amigos que orientam e aconselham praticamente em todos os nossos passos. Esta é uma parceria que veio para ficar, e a cultivaremos ao máximo que pudermos.

Whiplash.Net!: Nos últimos tempos a MS Metal Records organizou uma sequência de eventos por vários estados do Brasil, uma iniciativa que poderia ser adotada por outras empresas. Como funciona a organização destes shows?

Renato: São eventos organizados pelas próprias bandas do cast. É algo como a união do metal que tantos hoje em dia dizem estar em falta no Brasil... A MS cultiva esse tipo de atitude entre as bandas envolvidas, afinal de contas, não somos apenas clientes da empresa, somos bandas amigas que tentam ao máximo se unir para fortalecer uma cena tão machucada... Poderia ir longe neste assunto, mas para não fugir tanto assim da pergunta... Resumindo, os shows desta rede de eventos da MS são organizados pelas próprias bandas, tendo sempre uma banda local de cada região que se encarrega em encabeçar a organização de fato. Nós estivemos presentes na primeira edição de São Paulo em 2011 e, apesar do pouco público, foi uma boa oportunidade de estréia do Exhortation na capital paulista.

Whiplash.net!: Ao longo dos últimos anos o Heavy Metal extremo foi assimilando novos elementos e até mesmo outros estilos, e creio que o Exhortation se encaixe neste nicho. Como vocês vêem o metal extremo atual e o que pode vir pelo futuro?

Renato: Acho que as bandas estão numa tendência de querer tocar cada vez mais rápido e complexo... Talvez esse pensamento ainda continue por algum tempo, mas sinceramente eu acho que isso está fazendo com que as músicas percam a característica... Não sei se me expressei bem, mas as músicas atuais estão cada vez menos marcantes... Sinto falta de bandas fazendo o que se fazia no passado... Sinto falta dos rifs que ficam gravados em nossa mente ao escutar um single... Pessoalmente, pretendo investir mais nisso em nossas próximas canções, não acho mais que complexidade e ultra velocidade sejam itens necessários e indispensáveis, acho que as bandas devem se preocupar em fazer músicas com mais feeling e menos técnica... É apenas uma opinião pessoal, mas não sei se o futuro do metal extremo seja dessa forma. Espero que sim.

Whiplash.Net: Além da música, muitas bandas de Heavy Metal também se promovem elevando as mulheres de sua formação à condição de símbolos sexuais. Considerando que a Aline seja uma garota atuando em um meio ainda predominantemente masculino, o Exhortation poderia fazer uso desta linha de ação no futuro?

Renato: Não. O Exhortation é uma banda formada por músicos que querem fazer música. A Aline é vocalista e pertence ao Exhortation simplesmente porque tem muito talento e porque é fundadora da banda ao meu lado. Trabalhamos neste meio simplesmente porque gostamos de tocar, de estar na estrada, de expor nossas idéias... Fazer da figura feminina nos vocais uma linha de ação para promover a banda é algo que realmente não nos interessa. Não é esse o nosso foco. Ainda desejamos reconhecimento pelo nosso talento e o trabalho de quatro músicos de comum importância.

Whiplash.Net: Aproveitando, uma curiosidade final sobre a Aline, que veio de uma cidade rural de Minas Gerais... Qual foi a reação de sua família ao escutá-la cantando em meio a toda a barulheira do Exhortation?

Renato: Bem, neste momento a Aline não está aqui para responder essa pergunta, mas até onde sei a família da Aline presencia sua atuação como vocalista desde criança... Não é novidade para ninguém o estilo de vida, amigos e locais que freqüenta, pois foi algo que ela sempre fez, mesmo em uma cidade do interior de Minas Gerais. Recentemente tocamos em sua cidade natal e o que notamos de seus conhecidos e família, foi um grande orgulho por parte de todos.

Whiplash.Net: Pessoal, o Whiplash.Net agradece pela entrevista e deseja boa sorte ao Exhortation. Se houver algo que queiram dizer para finalizar, a hora é agora...

Renato: Como disse no começo da entrevista, muito obrigado por essa oportunidade em compartilharmos um pouco do nosso Universo. Um forte abraço a toda a equipe do Whiplash.net, seus colaboradores e a todos os leitores.

Contato:
http://www.exhortationmetal.blogspot.com
http://www.myspace.com/exhortationmetal




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Exhortation"


Debandados: saíram de uma banda e formaram outras de igual pra melhorDebandados
Saíram de uma banda e formaram outras de igual pra melhor

Manowar: você acha as fotos da década de 80 ridículas?Manowar
Você acha as fotos da década de 80 ridículas?


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline