Kiko Loureiro: entrevista na Hell Divine

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Junior Frascá, Fonte: Hell Divine
Enviar correções  |  Comentários  | 


705 acessosRio Rock City: O Power Metal morreu?5000 acessosIron Maiden: Bruce não quer mais cantar Hallowed Be Thy Name?

Junior Frascá, da Hell Divine, entrevistou recentemente o guitarrista brasileiro Kiko Loureiro, que acaba de colocar no mercado seu novo disco solo, "Sounds of Innocence".

Dentre outros assuntos, como a atual fase do ANGRA, e uma análise geral de sua carreira solo, o guitarrista ainda contou um pouco sobre o processo de composição de seu novo disco.

Segue um trecho da entrevista:

"HELL DIVINE: Outro ponto de destaque do material é a variedade das composições, já que existem diversos momentos voltados ao Heavy Metal, com solos mais virtuosos e técnicos, e outros mais calmos e ambientais, flertando com diversos outros estilos, e em que o feeling se destaca. Você acredita que conseguiu atingir seus objetivos no material e que “SoundsofInnocence” apresenta sua melhor performance até o momento?

KIKO: Exatamente! Procurei fazer um disco que é complicado e, talvez, mais pesado em uma música, e mais prog na outra. Mas eu gosto muito de tocar músicas como você disse, em que o feeling se destaca, como “Mae D’agua”, “Relective”, e também “Ray of Life”, que eu acho meio americana, meio pop e na qual eu toco um samba no meio. Então, gosto muito de tocar músicas mais tranquilas assim, que nem tem solos rápidos, usando outras melodias. Muitas vezes, eu componho a música no piano, como o caso de “Mae D’agua”. E muitas músicas eu experimento tocar em outros instrumentos também, como violão, guitarra com distorção e piano, ou teclado com outros timbres, para ir sentindo a música em si, se a melodia funciona ou não. E fiquei bem contente com o disco, com as músicas que fiz, mas esse negócio é muito íntimo, né? Essa coisa de você estar contente com sua obra...Você sempre acha que podia fazer alguma coisa diferente, alguma solução melhor que você não encontra, e acaba tendo que se contentar com essa ingenuidade da solução que aparece. Até por isso coloquei esse nome no disco. Basicamente,na música instrumental – por ser algo que você compõe sozinho – você tem que acreditar muito no que você faz, na melodia que “sai” de você. Assim, se você fica muito encanado se é bom ou se é ruim, se as pessoas vão gostar, que tem cara melhor... Todo dia você se conecta ao Youtube e encontra um cara, sei lá, do Paquistão, tocando violão de 30 cordas! Ai você fica louco, pois tem muita coisa legal no mundo, muita gente boa tocando, e você se pergunta: onde eu me encaixo nisso? Por isso, você tem que ter um pouco dessa ingenuidade, de acreditar, como uma criança faz mesmo, de sonhar, de crer de uma forma mais lúdica na música que você faz e se sentir bem com ela; e colocar para fora aquilo que você está produzindo, sem muitas encanações maiores. Portanto, quanto mais o tempo passa e mais discos você faz, acho que fica mais difícil. Então, se desprender disso, voltar a ter essa ingenuidade, essa inocência, acreditar em coisas simples, é o caminho".

A integra da entrevista pode ser conferida na edição n.° 10, da HELL DIVINE, que pode ser lida ou baixada gratuitamente no link abaixo.

http://helldivine.blogspot.com.br/

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

705 acessosRio Rock City: O Power Metal morreu?1225 acessosAngra: discografia de volta ao Spotify1377 acessosAngra e Hangar: Fábio Laguna conta como entrou nas bandas2504 acessosAngra: "reunião" durante aniversário de Paulo Baron, veja vídeo680 acessosBruno Sa: comenta a morte de Paul O'Neill e relembra audição1124 acessosAquiles Priester: No lugar onde montou a sua primeira bateria0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

Ricardo ConfessoriRicardo Confessori
"O Shaman foi o ápice da nossa carreira"

AngraAngra
Anjo da capa de "Rebirth" aparece em outras duas?

Andre MatosAndre Matos
Blaze Bayley é uma lição de humildade para todos nós

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 08 de agosto de 2012
Post de 08 de agosto de 2012

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Kiko Loureiro"0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"

Iron MaidenIron Maiden
Bruce não quer mais cantar Hallowed Be Thy Name?

SlayerSlayer
Tom Araya e os sorrisos nos shows ao vivo

GuitarrasGuitarras
Algumas podem mudar a sua vida, outras não

5000 acessosMike Portnoy: o cara trabalha pra kct, será que ganha bem?5000 acessosThrash Metal: dicas de dez ótimas bandas underground5000 acessosJohn Lennon: a versão de Marco Feliciano sobre a morte do Beatle5000 acessosEpica: Simone Simons sempre tenta dar um bom exemplo5000 acessosMetallica: ouça "Master Of Puppets" com a bateria do "St. Anger"5000 acessosSeparados no nascimento: Ozzy Osbourne e Jim Carrey

Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online