Kiko Loureiro: entrevista na Hell Divine

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Junior Frascá, Fonte: Hell Divine
Enviar correções  |  Ver Acessos

Junior Frascá, da Hell Divine, entrevistou recentemente o guitarrista brasileiro Kiko Loureiro, que acaba de colocar no mercado seu novo disco solo, "Sounds of Innocence".

Dentre outros assuntos, como a atual fase do ANGRA, e uma análise geral de sua carreira solo, o guitarrista ainda contou um pouco sobre o processo de composição de seu novo disco.

Segue um trecho da entrevista:

"HELL DIVINE: Outro ponto de destaque do material é a variedade das composições, já que existem diversos momentos voltados ao Heavy Metal, com solos mais virtuosos e técnicos, e outros mais calmos e ambientais, flertando com diversos outros estilos, e em que o feeling se destaca. Você acredita que conseguiu atingir seus objetivos no material e que "SoundsofInnocence" apresenta sua melhor performance até o momento?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

KIKO: Exatamente! Procurei fazer um disco que é complicado e, talvez, mais pesado em uma música, e mais prog na outra. Mas eu gosto muito de tocar músicas como você disse, em que o feeling se destaca, como "Mae D'agua", "Relective", e também "Ray of Life", que eu acho meio americana, meio pop e na qual eu toco um samba no meio. Então, gosto muito de tocar músicas mais tranquilas assim, que nem tem solos rápidos, usando outras melodias. Muitas vezes, eu componho a música no piano, como o caso de "Mae D'agua". E muitas músicas eu experimento tocar em outros instrumentos também, como violão, guitarra com distorção e piano, ou teclado com outros timbres, para ir sentindo a música em si, se a melodia funciona ou não. E fiquei bem contente com o disco, com as músicas que fiz, mas esse negócio é muito íntimo, né? Essa coisa de você estar contente com sua obra...Você sempre acha que podia fazer alguma coisa diferente, alguma solução melhor que você não encontra, e acaba tendo que se contentar com essa ingenuidade da solução que aparece. Até por isso coloquei esse nome no disco. Basicamente,na música instrumental - por ser algo que você compõe sozinho - você tem que acreditar muito no que você faz, na melodia que "sai" de você. Assim, se você fica muito encanado se é bom ou se é ruim, se as pessoas vão gostar, que tem cara melhor... Todo dia você se conecta ao Youtube e encontra um cara, sei lá, do Paquistão, tocando violão de 30 cordas! Ai você fica louco, pois tem muita coisa legal no mundo, muita gente boa tocando, e você se pergunta: onde eu me encaixo nisso? Por isso, você tem que ter um pouco dessa ingenuidade, de acreditar, como uma criança faz mesmo, de sonhar, de crer de uma forma mais lúdica na música que você faz e se sentir bem com ela; e colocar para fora aquilo que você está produzindo, sem muitas encanações maiores. Portanto, quanto mais o tempo passa e mais discos você faz, acho que fica mais difícil. Então, se desprender disso, voltar a ter essa ingenuidade, essa inocência, acreditar em coisas simples, é o caminho".

A integra da entrevista pode ser conferida na edição n.° 10, da HELL DIVINE, que pode ser lida ou baixada gratuitamente no link abaixo.

http://helldivine.blogspot.com.br/




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Kiko Loureiro"Todas as matérias sobre "Angra"


Kiko Loureiro: talento é superestimado, trabalho duro é subestimadoKiko Loureiro
Talento é "superestimado", trabalho duro é "subestimado"

Aquiles Priester: os álbuns que marcaram o bateristaAquiles Priester
Os álbuns que marcaram o baterista


Punk Rock: os 25 melhores discos segundo o site IGNPunk Rock
Os 25 melhores discos segundo o site IGN

Slipknot: pastor detecta mensagens subliminares nas capasSlipknot
"pastor" detecta mensagens subliminares nas capas


Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.

Cli336x280