Sin Of God: em entrevista para o Polêmico Rock

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Plínio Alves, Fonte: Polêmico Rock
Enviar correções  |  Ver Acessos

O Polêmico Rock conversou com László Páll, (vocalista / guitarrista) de uma das bandas mais promissoras de Death Metal da Hungria, o Sin Of God. Confira a entrevista logo abaixo.

Red Hot Chili Peppers: Josh Klinghoffer fala à imprensa pela primeira vez desde saídaSolos de guitarra: lista dos 50 melhores segundo a NME

Polêmico Rock - Horns! É realmente um grande prazer estar aqui entrevistando a banda húngara de Death Metal Sin Of God. Então, me contem um pouco sobre a história do Sin Of God.

László Páll - É um grande prazer que você tenha nos chamado para uma entrevista. Sin Of God existe desde 2004. Os fundadores eram Balázs Botyánszki (baterista), Tamás Páll (baixista), Gábor Páll (vocalista) e eu (László Páll, guitarrista), no município de Csongrád, Hungria. Agora nós somos apenas dois da formação remanescente, eu e Balázs. Tamás (baixista) deixou a banda em 2007 e Attila Kálnay juntou-se à nós. Neste line-up havia um guitarrista, um baixista, um vocalista e um baterista. Eu e Balázs queríamos fazer uma mudança, algo diferente, pois acreditamos que uma banda de Death Metal deve haver dois guitarristas e por isso acrescentar mais um ao line up. Depois disso tivemos alguns momentos ruins; muitos problemas com o vocalista (envolvimento com drogas) e isso impossibilitou que continuássemos do jeito que estava. Portanto e infelizmente ele saiu da banda, ou seja, o substituímos. Szabolcs Molná entra como novo guitarrista e traz novos elementos sonoros, caracterizando uma nova era para o Sin Of God, com solos completamente doentios e um excelente som característico dele mesmo. Posteriormente Attila Kálnay's abandona a banda por motivos pessoais, e Vörös assume o posto, trazendo uma melhor dinâmica e multiplicidade ao som. Por fim, o atual line up se encontra desta forma: Szabolcs Molnár (guitarrista/solo), László Páll (guitarrista/vocalista), Ferenc Vörös (baixista) e Balázs Botyánszki (baterista).

Polêmico Rock - "Satan Embryo" é o primeiro lançamento do Sin Of God, correto? Me fale um pouco sobre ele e como o público tem reagido ao mesmo.

László Páll - Bom, na verdade não. Nós tivemos uma primeira Demo com três canções, que foi gravado em Szeged, Hungria. Mas nós não gostamos da sonoridade, portanto nós não mostramos à ninguém. Talvez só o Gorzone Radio Show tenha escutado, e depois tenha chamado a gente em Budapest para uma entrevista. Mas o "Satan Embryo" foi o primeiro lançamento que nos colocou no mercado, aos olhos das pessoas. Este EP nasceu com a ajuda de István Simon (engenheiro de som) que nos fez mostrar o nosso melhor possível, no estúdio "No Silence". Acho que fizemos acontecer. A verdade é que nós nem divulgamos tanto o trabalho. A capa do EP nem era esse crânio com a serpente, e sim uma foto editada da banda. A coisa ficou mais séria quando publicamos o EP no blog "Death Metal Invasion". "Satan Embryo" ficou em segundo lugar na Rádio "Chopswalk 911", e depois de duas semanas ficou no Top 10 por um mês.

Polêmico Rock - E realmente curto bastante ambas as artes de capa do EP "Satan Embryo". Mas eu ainda prefiro a vermelha, com um crânio e uma serpente. Mas enfim, porque vocês mudaram a capa do disco?

László Páll - Não há uma razão em especial para termos mudado a arte do disco. Essa arte da serpente com o crânio foi feita por Balázs. Mas quando Vöri se juntou a banda, também passamos a ter um grande designer gráfico na banda, que acabou criando um logo legal para a banda, que agora esta senso exibido para o mundo. Nós vendemos todos os EP`s com esta arte antiga, e portanto, por agora, sentimos que tínhamos que ter uma arte que pudesse ser associada literamente com um feto de Satã. Por isso nós a mudamos.

Polêmico Rock - Podemos esperar um full length do Sin Of God? Quais são os planos futuros da banda?

László Páll - Essa é uma questão bem recente. Um selo austríaco esteve muito interessado em nosso som, e por isso gravaremos em breve nosso disco no estúdio "No Silence", em fevereiro de 2012. Nós decidimos que teremos dez novas músicas no novo disco, sendo que já tocamos seis dessas canções ao vivo, e teremos outras novas quatro canções. Felizmente, a arte do disco está foda! Nós já temos até mesmo o título das canções, mas não falaremos nada até o final das gravações. Depois de tudo pronto lançaremos o nosso disco em alguns selos, não somente o austríaco, e depois dar continuidade aos planos com shows ao redor do mundo, e quem sabe no Brasil.

Polêmico Rock - Quais são as influências do Sin of God? Eu associei muito o som de vocês com do Nile (entenda isso como um elogio).

László Páll - Nós escutamos muito tipo de música. Nós temos fans de Nile, Origin, Necrophagist, Crypstosy, Dying Fetus. Há algumas outras bandas que nós curtimos. Por exemplo, eu curto bastante o Suffocation, Brain Drill e os brasileiros do Krisiun. Das bandas novas, gosto do Turbid North e Benighted. Vöri gosta de algo puxado ao Gothic/Doom Metal, e Szabolcs curte algo puxado ao Black Metal. Enfim, podemos escutar qualquer estilo de música, desde que as composições sejam bem elaboradas.

Polêmico Rock - Eu não sei quanto ao cenário underground da Hungria, mas aqui no Brasil é bem complicado de viver como músico, apesar de ainda sim termos muitos deles (risos) e termos muitos materiais lançados também. Mas enfim, me conte um pouco sobre o cenário underground da Hungria.

László Páll - A vida musical aqui é bem underground. Difícil. Todos possuem trabalho em paralelo, pois ninguém ganha dinheiro com música. Nós temos muitas bandas talentosas aqui, embora a maioria seja Metacore/Deathcore, muitas delas estão lá pela moda. Infelizmente, algumas não são bandas de Death Metal de verdade. Mas temos, por exemplo, a banda Gutted, que faz um som Death Metal honesto. A verdade é que as pessoas não ligam ou mesmo não ficam felizes quando alguma banda consegue chegar ao "sucesso". Não há cooperação. Grandes agências húngaras não estão interessadas em Death Metal. Temos também uma porrada de bandas de Black Metal baseada na mesma estrutura, e sem significado algum em suas letras. Se tratando do cenário brasileiro, estou sempre procurando algo novo. Gosto muito do Unearthly, Krisiun, Sepultura antigo. Nós fizemos até mesmo uma turnê com os brasileiros do Infested Blood, aqui na Hungria e na Romênia.

Polêmico Rock - Como acontece o processo de composição das músicas do Sin Of God?

László Páll - Isso tem acontecido de diversas formas. O processo de composição é um trabalho meu e de Balázs. Na maior parte dos casos eu trago um riff, e vamos colocando o andamento da bateria de acordo com os riffs. Se isso soar legal, deixamos. Do contrário, largamos de lado. Assim nasceu o "Satan Embryo", e a música auto intitulada do disco, uma das mais pedidas no show. A canção intitulada "Bloodlust", por exemplo, talvez seja a canção que teve mais rearranjamentos, e talvez ainda não esteja totalmnte acabada.

Polêmico Rock - E se tratando das letras, como acontece esse processo de composição?

László Páll - Esta questão é bem simples. Nosso baterista, Balázs, é o responsável por escreve-las. As letras normalmente tratam dos segredos humanos, e de seus lados obscuros.

Polêmico Rock - Até hoje, há muita discussão sobre a questão do download de arquivos digitais. Mas a título de exemplo, e em opinião própria, se não fosse pela internet, hoje eu não estaria escutando Sin Of God, e muito menos fazendo esta entrevista. (Nota: Eu amo material original! Apóie as bandas que você gosta!). Então diga-me como a internet têm contribuído para vocês no geral, e se vocês acham que a internet ainda atrapalha a carreira de uma banda.

László Páll - Este é um tópico muito interessante e muito importante. Uma banda do underground realmente necessita da internet para mostrar suas músicas para o mundo, do contrário estaríamos perdidos. Nós achamos que o "Satan Embryo" seria um promo EP, e por isso nós fizemos o upload dele em diversos sites. E isso realmente teve algum real sentido, pois o número de downloads do EP está aumentando cada vez mais. Com isso, nós tem também ganhamos mais visibilidade no MySpace e no Facebook - 100.000 visitas e 1.800 likes respectivamente. Agora nós estamos à procura de uma gravadora e uma agência que trabalhe sério. Mas ainda se tratando das canções na internet, agora que temos uma visibilidade melhor, publicaremos somente duas canções do próximo disco; o restante ficará escondido. A gravadora poderá nos ajudar posteriormente no merchandise e na organização dos shows ao redor do mundo. Mas em suma, e respondendo a sua pergunta: para uma banda que não possui uma gravadora e/ou uma agência, a internet torna-se um elemento absoluto de divulgação do trabalho!

Polêmico Rock - Então pessoal, gostaria que vocês deixassem uma mensagem para os fãs brasileiros, ou para aquelas pessoas que ainda não tiveram a oportunidade de escutar o som matador do Sin Of God!

László Páll - Respeito e saudações ao público brasileiro! É um prazer saber que há pessoas interessadas em nosso trabalho do outro lado do mundo (tanto na América do Sul quanto na América do Norte). As pessoas mais interessadas em nosso som estão nos Estados Unidos, Hungria, Indonésia, México e Brasil. Tenho certeza que ganharemos mais visibilidade com esta entrevista em seu site, muito obrigado por esta oportunidade Plínio! Stay Brutal!

Polêmico Rock - Eu que agradeço ao Sin Of God por esta oportunidade, de tê-los aqui nas minhas páginas. Espero conseguir divulgar o nome de vocês aqui no Brasil, e que vocês consigam cada vez mais conquistar novos fãs ao redor do mundo! Horns Up!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Sin Of God"


Red Hot Chili Peppers: Josh Klinghoffer fala à imprensa pela primeira vez desde saídaRed Hot Chili Peppers
Josh Klinghoffer fala à imprensa pela primeira vez desde saída

Solos de guitarra: lista dos 50 melhores segundo a NMESolos de guitarra
Lista dos 50 melhores segundo a NME


Sobre Plínio Alves

Plínio Alves, formado em Administração de Empresas, blogueiro nas horas vagas. O primeiro contato com o Heavy Metal se oficializou aos 11 anos de idade com um um CD do Nirvana, "Nevermind". Depois deste marco, a paixão pela música pesada se desencadeou de forma bem natural e prazerosa. Dois anos depois, estarrecido com o som pesado e provocador de bandas de Death e Black Metal, se tornou um fã de carteirinha do estilo. Embora seja fã de estilos específicos, declara ter afinidade com qualquer rótulo musical dentro do Heavy Metal, sem preconceito algum. Duas bandas que resumem sua vida: Alice in Chains e Deicide. Os demais textos do autor podem ser vistos no blog Polêmico Rock.

Mais matérias de Plínio Alves no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin