Raul, O início, o fim e o meio: produtor fala sobre o filme

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Gisela Cardoso, Fonte: Aliterasom
Enviar correções  |  Comentários  | 

Em entrevista, o produtor do filme, “Raul – O início, o fim e meio“, Denis Feijão, falou sobre as futuras perspectivas do documentário, do diretor Walter Carvalho.

287 acessosAlta Fidelidade: Raul Seixas é o maior rockstar do Brasil?5000 acessosHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1989

O documentário retrata as diversas facetas do músico, desde suas parcerias com Paulo Coelho até seus casamentos. Sua estreia nos cinemas será no dia 23 de março.

Bem, já que o filme se trata de um grande ícone da música brasileira, há muitas histórias ao redor do personagem. Então, como foi a organização e o recolhimento dessas histórias, depoimentos…?

Todo filme tem seus desafios. Este é além disso, uma oportunidade. A densidade de suas criações, da vida destemida, das lutas colocadas nas metáforas elaboradas que nem a censura alcançava. Isso foi lembrado inclusive no filme em um depoimento do Pedro Bial.

Houve dificuldades ao longo da produção, principalmente a respeito das entrevistas? Quais?

É um personagem complexo, de muita referência musical e de comportamento singular. Conseguimos neste período mapear tudo da vida e obra do artista e do homem. São 400 horas de materiais. As filmagens consumiram quase 2 anos. Depois disso, a montagem teve uma imersão de 1 ano e meio e trabalho. Paulo Coelho, Pedro Bial, Nelson Mot, Caetano Veloso, Marcelo Nova, Edy Star, André Midanni, Tom Zé, Zé Ramalho, entre outros.

O que mais se ressaltou durante a produção do filme?

Sempre tive na cabeça que deveriamos resgatar e reunir as imagens existentes, criar outras para recriar a trajetória de vida desta fera, deste ícone do Rock Brasileiro e de a sua época. Depois do filme tive certeza que sua paixão, levada ao extremo da auto-destruição é infelizmente demonstração de seu envolvimento, sua essencialidade, e o quanto as limitações da época e do país lhe foram difíceis de suportar. Viveu momentos conturbados da história brasileira, em que todos os artistas, transgressores como ele, eram vistos com suspeito pelo regime militar, vivendo o momento da estruturação no Brasil do fenômeno da cultura de massas. Raul Seixas não resistiu às tensões e, como inúmeros outros artistas de seu tempo, adormeceram ou “morreram” prematuramente. No caso dele, morreu de fato! A vida do Raul está em todos nós.
A respeito do elenco, como foi a escolha dos atores para seus respectivos personagens?

Além do complicado quebra-cabeça de formatos e suportes os mais variados, foram mais de cem entrevistas. E a cada entrevista, abria-se mais o leque. Desde a família, filhas, companheiras, amigos, parceiros, fãs famosos, artistas consagrados, produtores musicais, pensadores, e etc. As coisas se tornavam sempre grandiosas. Fomos à Suiça para ficar 40 minutos com o Paulo Coelho, ficamos mais de duas horas, ele contou tudo que dá para fazer outro filme e até uma mosca apareceu para entrar na nossa sopa. A equipe também foi importante. Era uma orquestra que sabia intuitivamente que estávamos lidando com um mito e uma história sui generis. Logo, as regras eram diferentes de tudo. Está na tela o que o time colheu.

O filme “Cazuza – O tempo não para” também foi dirigido por Walter Carvalho. Pode-se dizer que esse filme serviu de “molde” para a produção de “Raul – O início, o fim e o meio”?

Precisava de um diretor, um parceiro, que tivesse a sensibilidade de demostrar as diversas facetas do Raul Seixas, e principalmente, tentar desvendar a enorme comunicação que suas músicas e ideologia com os fãs mesmo depois de sua morte e ao mesmo tempo, um homem vivido, corajoso, que poderia ter o mesmo beat do Raul. Sabia que seu olhar iria ampliar a nossa percepção diante do mito Raul Seixas, e ao mesmo tempo, que a vasta experiência dele seria fundamental para atenuar as dificuldades que iríamos encontrar.

O filme possui um caráter mais voltado ao gênero “documentário”?

O filme é um Documentário de longa-metragem.

Ao todo, como foi trabalhar sobre a história de vida de um dos maiores músicos brasileiros?

O Raul que consigo enxergar é um visionário que fez o possível e o impossível, por ele mesmo, e pelo que acreditava. Sua musicalidade, sua cultura e na desobediência foram virtudes necessárias para o sucesso. Deixou isso em forma de música. Foi chamado de pai do rock, mas ele foi “pai’ de uma geração calada e colocada no canto. Influenciou a maneira de ser, de agir e não um estilo de vida ou um passatempo que tocava na vitrola. O Raul deve ter salvo muito pai reacionário da ira de seus filhos!

A simplicidade traz a pluralidade, Raul Seixas é o nosso “Leonardo Da Vinci” da música brasileira. Manteremos nosso respeito por esse grande cara Raul Seixas, pelo nosso trabalho digno e honesto, sem perder o controle e a integridade da história que devemos contar, não respeitando a natureza, os eventos e as mitologias que cercam nosso astro. Esse filme será visto diversas vezes pelas mesmas pessoas. Hoje eu entendo porque as pessoas ainda dizem, mais de vinte anos após a sua morte: ”Toca Raul”. Ele toca mesmo!

Bem, como está próximo a estreia do filme, gostaria de encerrar essa entrevista perguntando quais são as perspectivas para após a estreia do filme?

Pelo que já tivemos de resposta antes mesmo do filme chegar no circuito comercial, não sei aonde poderemos chegar. O filme todo foi uma surpresa maravilhosa. Espero o mesmo daqui em diante. Já tivemos duas surpresas inesperadas. Fechamos o Festival de Cinema do Rio e na Mostra de Cinema de SP ganhamos os prêmios de melhor documentário brasileiro da Mostra, e melhor documentário pelo voto popular. Sem dúvida o filme vai multiplicar o legado do Raul, muito mais do que venda de jornal, livro e revista. Atualmente estou desenvolvendo dois novos longas, “Sabotage” sobre a vida do rapper e “Hortência” baseado na trajetória da atleta e rainha do basquete mundial.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

287 acessosAlta Fidelidade: Raul Seixas é o maior rockstar do Brasil?630 acessosCamisa de Vênus: apresentando novo show "Toca Raul"0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Raul Seixas"

Raul SeixasRaul Seixas
As impressões ao ter que começar a usar óculos

Sociedade AlternativaSociedade Alternativa
Fama proporcional à escassez teórica

Paulo CoelhoPaulo Coelho
Inspirações e ligação do escritor com o Rock e Heavy Metal

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Raul Seixas"

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1989

SlayerSlayer
Cronologia de Jeff, da picada da aranha até a morte

PoeiraPoeira
A fúria de Ian Anderson pra cima do Led Zeppelin

5000 acessosCarlos Eduardo Miranda: "Um monte de roqueirinho que só quer ser da Globo"5000 acessosLemmy: "Radiohead e Coldplay são bandas sub-emo"5000 acessosSeparados no nascimento: Andre Matos e Steve Perry5000 acessosDream Theater e Guns N' Roses: 30 anos, uma no auge, já a outra...5000 acessosMötley Crüe: "Ninguém consegue tocar como eu", diz Mick Mars4245 acessosHeadbang: 10 formas de bater cabeça (para iniciantes)

Sobre Gisela Cardoso

Headbanger, Jornalista, Crítica de Metal, vocalista, instrumentista, anarco-comunista, vegetariana, apaixonada por Mitologia Nórdica e adoradora do Deus Metal. A música me move e as palavras constroem! @GisaGrind.

Mais matérias de Gisela Cardoso no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online