Overkill: "reinvenção é a palavra-chave", diz Bobby "Blitz"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Jarede Segundo, Fonte: Brave Words & Bloody Knuckles, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

O vocalista da banda de Thrash Metal OVERKILL, Bobby "Blitz" Ellsworth, falou à Metal Asylum em Nova Jersey sobre o último álbum da banda intitulado "Ironbound", sobre longevidade, planos para a turnê, shows de aniversário e também comentou a remasterização de seus antigos álbuns.

De AC/DC a ZZ Top: Origens dos nomes de bandas e artistas de rockZakk Wylde: cinco momentos insanos do guitarrista

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Metal Asylum: Nesses 25 anos de música, o OVERKILL nunca parou de fazer Thrash Metal, mas "Ironbound" é o trabalho mais pesado desde "Horrorscope" e "W.F.O". Você tentou alcançar o que foi feito nos álbuns anteriores ou foi apenas coincidência?

Ellsworth: "Eu poderia dizer que foi casualidade, mas penso em três motivos. Essa foi a primeira vez em muito tempo em que fizemos um bom número de apresentações, nós tivemos
duas paradas na Europa, uma no início da turnê 'Immortallis' com uma banda chamado MORTAL SIN e a outra com o EXODUS. O giro em solo americano foi com o WARBRINGER e EPITHERION. Então foi como nos velhos tempos do Thrash. Quando se sai em turnê com o EXODUS, temos muita coisa em comum, somos amigos e também da mesma época, apesar de ainda rolar competição entre nós, hahaha! Sabe, você sente aquela vibração quando se começa a gravar. Isso que se torna o 'fator X' porque é o que fazemos o tempo todo, estando próximo do Thrash Metal em totalidade, e é inevitável que isso influencie no processo de gravação de um álbum. No útimo fim de semana gravamos um vídeo-clipe para 'Bring me The Night' com o diretor Kevin Custer, com quem também trabalhamos em 'Skull & Bones'. Kevin tem uma grande visão de como deve ser um vídeo-clipe para este tipo de música, ele trouxe inovações em efeitos de iluminação para 'Bring me The Night'. Eu mal posso esperar para ver esse vídeo".

Metal Asylum: Você acha que "Killbox 13", "Relix IV" e "Immortalis" foram feitos em ordem para uma volta às raízes em "Ironbound"?

Ellsworth: "Acredito firmemente nisso, cada passo que você dá é necessário para o alcance do sucesso. Acho que todos esses albuns têm seus sucessos, mas não são tão coesos como o 'Ironbound'. 'Killbox 13', realmente é parte importante para o OVERKILL, mas não mostra os verdadeiros elementos que compôem a banda, já o 'Ironbound' tem esses elementos do início ao fim, com toda sua dinâmica, é realmente um Rebatedor de força. 'Killbox' talvez apenas não tenha a força de um Rebatedor. Acho que o que dá a maior qualidade e dinâmica ao 'Ironbound' é o trabalho de Dave Linsk (guitarrista), realmente o trabalho das guitarras está à frente, considero Dave um dos melhores guitarristas que o OVERKILL já teve. As linhas de guitarra formam um tecido através de todo o álbum, que não se pode mexer, dando às vezes até um toque progressivo".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Metal Asylum: Bem, já que você falou, sobre esse sentimento progressivo, após escutar "Ironbound", fui logo ouvir "Under The Influence" (pela mudança de tempo) e "The Years of Decay". Você também os ouve?

Ellsworth: "Claro! Desde que seja parte de nossas composições, vale a pena revisitar esse período, isso lhe dá a licença de não reutilizar, mas sim reinventar coisas. Então reinvenção é a palavra-chave aqui realmente. É necessário não refazer as coisas, porque elas se tornariam algo que já foram um dia, sabe. Acho que esse álbum é diferente, porque é o OVERKILL em 2010 captando o sentimento dos albuns antigos".

Metal Asylum: Vocês estão completando 25 anos de banda em 2010. Que tipo de repertório está sendo preparado para os shows? Também será incluída alguma surpresa?

Ellsworth: "Acho que uma grande parte de nossa sobrevivência tem sido a oportunidade de entendimento e compreensão do momento atual. E não necessariamente repousar nos 'louros da vitória'. Acho que é uma boa maneira de enxergar as coisas, porque pensar no momento é mais importante do que planejar um show de aniversário. Quando sairmos em turnê nos Estados Unidos em abril, serão eventos do 'Ironbound', mas obviamente no fim do ano faremos um evento para celebrar nossa existência. Isso será para aqueles que sangram verde e preto (cores do OVERKILL), mas eu penso o porquê as pessoas gostam dessa banda, porquê eu gosto dessa banda? É porquê nós realmente abraçamos o dia! E esse é um inferno de maior importância do que o que nós passamos ontem! Você sabe".

Para ler a entrevista completa (em inglês) acesse este link.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Overkill"


Obama: astros do rock que não apoiam o presidenteObama
Astros do rock que não apoiam o presidente

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1989Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1989


De AC/DC a ZZ Top: Origens dos nomes de bandas e artistas de rockDe AC/DC a ZZ Top
Origens dos nomes de bandas e artistas de rock

Zakk Wylde: cinco momentos insanos do guitarristaZakk Wylde
Cinco momentos insanos do guitarrista


Sobre Jarede Segundo

Músico multi instrumentista, fã de Rock Progressivo, Hard Rock, AOR e Heavy Metal em geral, funcionário público e cinéfilo.

Mais matérias de Jarede Segundo no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280 CliInline