Matérias Mais Lidas

imagemRegis Tadeu explica porque Sandy não deve cantar músicas do Metallica

imagemO Metallica não tem mais o que provar, muito menos algo novo para oferecer

imagemNoel Gallagher revela o rockstar que ficou mais impressionado de conhecer pessoalmente

imagemOs curiosos dois significados da expressão "Eu quero ver o oco", segundo Digão

imagemO impagável apelido que Andre Matos deu a Luis Mariutti por sua pontualidade

imagemO surpreendente disco que Tom Morello considera um dos melhores de todos os tempos

imagemOs Raimundos traíram os Titãs? Sérgio Britto comenta e conta a versão dele

imagemPaul Stanley, do Kiss, fala sobre os shows da reunião do Pantera

imagemAngra: Luis Mariutti conta sobre atritos entre Andre Matos e Rafael Bittencourt

imagemGuitarrista Brian Ray conta como é ter Paul McCartney como patrão

imagemMetallica: o que Regis Tadeu achou de "Lux Aeterna", nova música da banda?

imagemAndreas Kisser opina sobre a reunião do Pantera, que começou nesse sábado

imagemRobert Plant confessa de qual música o Led Zeppelin tirou "Gallows Pole"

imagemCinco discos de heavy metal para ouvir sem pular nenhuma faixa

imagemA estratégia do Barão Vermelho para evitar críticas de copiar Titãs nos anos 1990


Samael Hypocrisy
Stamp

Yngwie Malmsteen: músico fala sobre produção de novo álbum

Por Thiago Coutinho
Fonte: Classic Rock Revisited
Postado em 07 de outubro de 2008

Jeb Wright, jornalista da revista inglesa Classic Rock Revisited, falou recentemente com o guitarrista sueco YNGWIE MALMSTEEN a respeito do processo de composição e gravação do novo álbum do músico, intitulado "Perpetual Flame".

Classic Rock Revisited — Nosso primeiro assunto será "Perpetual Flame". Esse álbum soa mais ao vivo do que você já fez há muito tempo.

Yngwie Malmsteen "Todas as estrelas estavam alinhadas para esse álbum. Fizemos este trabalho completamente diferente dos anteriores. Hoje, tenho meu próprio estúdio, então me dou ao luxo de fazer o que quero. Antigamente, você gastava uma quantia enorme em dinheiro nos estúdios e a pressão era absurda. Normalmente, apenas componho a música dedilhando minha guitarra à toa enquanto assisto à televisão. Então, pego o Patrick [Johansson] para tocar a bateria ao vivo, daí componho as linhas de baixo, a guitarra e tudo mais. Nesse caso em questão, as músicas foram tomando forma, então ia ao estúdio com Patrick e fazíamos umas trinta músicas, saíamos em turnê e eu me esquecia delas. Quando voltava da turnê, ouvi-as e selecionava as melhores. Colocava mais algumas linhas de baixo e guitarra e saia em turnê novamente. Estava em Istambul me divertindo com alguns caras que tocavam uns instrumentos de corda e decidi adicioná-los. Levo meu laptop comigo em turnê com as faixas pré-gravadas e com o Pro-Tools. Normalmente, começo e termino um álbum a tempo, mas esse levou um bom tempo, e essa é a principal diferença. Quando voltei da Rússia, comecei a ouvir as faixas ‘Death Dealer’ e ‘The Four Horseman’ e sabia que o cantor que eu tinha em mãos não iria fazer as coisas do jeito que eu imaginava na minha cabeça. Então, trouxe o Ripper [Tim ‘Ripper’ Owens]. Ele estava em outra banda na época, e deixando-a. Ele veio a Miami e cantou algumas músicas apenas para senti-las, algo bem descontraído. Voltei da turnê pela Alemanha, ele também e fizemos mais algumas músicas. Sendo o compositor, produtor e principal arranjador é difícil manter distância e uma boa perspectiva das coisas. Então, era bom para mim ficar longe das coisas por um tempo. E também foi ótimo trazer o Roy Z para mixar o trabalho. Eu produzi a coisa toda. Sempre me envolvi com tudo, mas sempre tive um engenheiro de som por perto. Fui ficando melhor e melhor a ponto de poder fazer tudo isso".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Classic Rock Revisited — Como você se envolveu com Roy Z?

Malmsteen: "Eu precisava de alguém para a mixagem. Conheço o K.K. Downing, do JUDAS PRIEST, e ele me recomendou o Roy. Ele chegou dizendo: ‘vamos tentar fazer isso’ e jogou um compressor de oito mil dólares em um kit de bateria. Eu fiquei mais ou menos como: ‘que porra você está fazendo?’. Daí ouvi tudo pronto e disse: ‘putz, ficou demais!’. Tinha todo esse equipamento à minha volta e sequer sabia onde ele estava. Aprendi muito com o Roy".

Classic Rock Revisited — O Roy deixou a sonoridade dos dois últimos trabalhos do PRIEST demais. Ele tem um bom ouvido para heavy metal.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Malmsteen: "Ele fez tudo soar demais mesmo. Ele chegou e disse: ‘devemos fazer isso tudo no Pro-Tools’. E eu lhe disse: ‘Ah, não, cara, isso aqui é tudo muito old-school. São guitarras e bateria ao vivo. Algo como o ZEPPELIN e o PURPLE gravavam’. Não usei nenhum sampler neste álbum, é tudo real".

Classic Rock Revisited — Este álbum fará sucesso porque nos faz sentir bem. Como você sabe quando está apenas sentado tocando ou quando está sendo criativo?

Malmsteen: "Essa é uma boa pergunta, porque eu não sei, apenas sinto isso. O modo como toco é muito espontâneo. Tenho que ficar esperto com isso. Se não gosto disso, se sinto que essa não é a escolhida, apenas deixo pra amanhã — essa é a beleza de se ter o seu próprio estúdio. Comprei essa casa há uns quinze anos. É uma velha mansão colonial com vários quartos para empregados. Peguei um desses quartos e o destruí, daí o enchi de Marshalls, com uma sala de controle e tudo mais. Desse jeito, simplesmente não tenho que me preocupar com nada. Há uma faixa nesse novo álbum que se chama ‘Caprici Di Diablo’ e ela estava ficando bem complicada. Disse a mim mesmo que daria meu máximo nela. A idéia por trás desse álbum é uma só: minha motivação. Mais é mais. Algumas pessoas dizem que menos é mais, mas eu digo o contrário. Como disse antes, conforme esse álbum foi se desenvolvendo, sabia que precisava de alguém como Tim. A primeira música que fizemos foi ‘Live to Fight Another Day’. Após finalizarmos os vocais, voltei às guitarras novamente, porque tudo estava em uma posição mais alta. Levou um ano e meio para fazer esse álbum. Mas finalmente ele ficou bom. Muitas coisas se encaixaram para deixar esse trabalho bom. Acho que esse álbum capta minha paixão mais do que qualquer um dos outros que já lancei. Quando toco ao vivo é o momento em que mostro tudo isso".

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Para ler a entrevista na íntegra, em inglês, clique aqui.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Summer Breeze


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A crítica de Bruno Sutter ao show de Malmsteen: "Espero que termine tocando em boteco!"

Yngwie Malmsteen rebate produtora e diz que não atrasou show de propósito

Yngwie Malmsteen atrasou de propósito para prejudicar bandas de abertura, diz produtora

Guitarrista do Muse até tentou seguir os passos de Malmsteen, mas foi para outro caminho

Quem é melhor: Eddie Van Halen ou Yngwie Malmsteen? Gene Simmons responde

Os 4 guitarristas listados por Yngwie Malmsteen como seus favoritos

Yngwie Mamlsteen diz que ex-vocalistas de sua banda sentiam como se fossem Elvis Presley

Malmsteen: nome inspirado em Deus nórdico com pênis gigante

Barulho Infernal: guitarristas fodões dão dicas fodas

Aerosmith: curiosidades sobre a voz de Steven Tyler

Os dez maiores picaretas da música internacional


Sobre Thiago Coutinho

Formado em Jornalismo, 23 anos, fanático por Bruce Dickinson e seus comparsas no Maiden. O heavy metal surgiu na minha vida quando ouvi o vocalista da Donzela de Ferro em "Tears of the Dragon", em meados de 1994. Mas também aprecio a voz de pato bêbado do controverso Dave Mustaine, a simplicidade do Ramones, as melodias intrincadas do Helloween, a belíssima voz de Dio ou os gritos escabrosos de Rob Halford. A Whiplash apareceu em minha vida sem querer, acho que seus criadores são uns loucos amantes de rock e acredito que este seja o melhor site de rock do país, sem qualquer demagogia!

Mais matérias de Thiago Coutinho.