Dark Tranquillity: "imitação, forma de apreciação"

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Felipe Ferraz, Fonte: Brave Words, Tradução
Enviar correções  |  Ver Acessos

O site Metalisrael.com falou recentemente com o vocalista do DARK TRANQUILLITY, Mikael Stanne, sobre numerosos tópicos, dentre os quais, sobre a sensação de influenciar novas bandas e o processo de criação do mais recente álbum.

Guitarra: o riff mais popular de todos os temposSlipknot: Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy Metal

Metal Israel: Vocês inspiraram um grande número de bandas no mundo inteiro e as pessoas te copiam muito. O que você acha disso tudo?

Stanne: "Bom, eu acho que a imitação é uma grande forma de apreciação. É meio que legal que as pessoas nos vejam como inspiração e decidam formar uma banda porque eles acham que nossa música é especial. Isso é incrível para mim. Mas então novamente, quando as pessoas estão realmente copiando e meio que se esquecem como serem originais e perdem suas identidades porque querem soar como nós ou como outra banda qualquer, isso é meio triste. Mas as pessoas irão eventualmente perceber isso e tocar alguma coisa nova. Isso é exatamente o que nós fizemos quando começamos. Nós pegamos nossas principais influências e tentamos soar um pouco como essa, e um pouco como aquela banda, e formamos algo novo de toda essa inspiração e dessas influências. Isso é uma coisa positiva, mas me assusta e meio que me deixa atordoado pensar que existem realmente pessoas por aí que nos vêem da mesma forma que eu olho para as minhas bandas favoritas. Isso simplesmente não se encaixa no meu cérebro, isso para mim é muita coisa para lidar. Eu acho que isso é tão estranho e tão incrível, mas é simplesmente difícil de acreditar porque isso tudo é muito distante."

Metal Israel: Com o álbum "Fiction", vocês esboçaram uma variedade de estilos diferente. Fizeram isso de propósito?

Stanne: "Sim, absolutamente. De início, nós queríamos um álbum constituído por todas as músicas diferentes. Ao invés de ter um determinado tema para todo o álbum, nós queríamos que o tema fosse a diversidade. Nós nos permitimos uma maior liberdade, eu acho. Nós falamos uns para os outros, 'Vamos ser mais abertos dessa vez, vamos explorar a música que nós gostamos ao invés de simplesmente descartá-la se nós sentirmos que ela não é boa o suficiente de imediato.' Se alguém escrevia um pedaço de música e nós ficávamos, 'Nyaaaah, não parece certo' nós descartávamos, mas dessa vez nós decidimos, 'Vamos manter isso um pouco mais e ver se nós podemos mudar isso, alterar, ou qualquer coisa para fazer isso ficar bom.' E geralmente nós encontramos alguma das melhores coisas do álbum fazendo assim. E também dissemos, se a música tiver que ter um certo sentimento, como uma pegada melancólica antiga ou qualquer coisa do tipo, então vamos nos manter nisso ao invés de tipo colocar alguma coisa bem melancólica e alguma coisa realmente agressiva e sabe, misturá-las. Manter a pegada da música ao invés de simplesmente tentar misturar tudo como nós geralmente fazemos. Porque por dentro isso é desprovido de medo, como se você sentisse como 'aaaagh, será chato se só tocarmos devagar, e ficará chato se só fizermos músicas rápidas'. Mas nós dissemos, dane-se isso e vamos ver o que acontece se só seguirmos nossos instintos. A sensação foi ótima de compor esse álbum cheio de vida e foi ótimo gravá-lo. Isso funcionou para o melhor."

Leia mais (em inglês) neste link.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Dark Tranquillity"


Metal sueco: site elege as dez melhores bandas da SuéciaMetal sueco
Site elege as dez melhores bandas da Suécia


Guitarra: o riff mais popular de todos os temposGuitarra
O riff mais popular de todos os tempos

Slipknot: Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy MetalSlipknot
Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy Metal

Veraneio Vascaína: Uma ácida crítica à polícia brasileiraVeraneio Vascaína
Uma ácida crítica à polícia brasileira

Iron Maiden: Steve Harris pensou em acabar com a banda em 1993Iron Maiden
Steve Harris pensou em acabar com a banda em 1993

Slayer: cronologia de Hanneman, da picada da aranha até a morteSlayer
Cronologia de Hanneman, da picada da aranha até a morte

Jason Newsted: A única coisa original no Metal é o Black SabbathJason Newsted
A única coisa original no Metal é o Black Sabbath

Regis Tadeu: Quem se importa com a final do Superstar?Regis Tadeu
Quem se importa com a final do "Superstar"?


Sobre Felipe Ferraz

Estudante de computação conformado com o futuro dos dedos em um teclado e longe dos fretes de uma guitarra, pois após muito tentar teve que admitir que, com sua sofrível técnica, nem se quisesse tocar no Calypso teria chance. Amante de Rock e Heavy Metal desde ouvir os primeiro acordes de "Iron Man" do Black Sabbath, não se prende a rótulos musicais, ouvindo tudo que lhe agrada. No geral sons pesados, melódicos e com muita guitarra, apesar de detestar exibições de virtuosismo desnecessárias nas músicas. Acompanha o Whiplash! desde os tempos de internet discada, tomando a feliz iniciativa de contribuir após desistir de virar notícia no site e encontrar o link de colaboração.

Mais matérias de Felipe Ferraz no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336