Matérias Mais Lidas

imagemMike Portnoy e a música do Rush que virou um grande sucesso do Guns N' Roses

imagemQuando Jimi Hendrix chamou Eric Clapton para subir no palco e afinar sua guitarra

imagemA resposta de John Lennon quando perguntado se retornaria aos Beatles em 1975

imagemPaul Di'Anno recebe autógrafo de Rivellino e fica feliz da vida; "Te vejo ano que vem?"

imagemSlash explica por que rejeitou Corey Taylor no Velvet Revolver

imagemO clássico dos Paralamas que Gilberto Gil escreveu a letra e ditou pelo telefone

imagemRitchie Blackmore em 1978 sobre o Kiss, Fleetwood Mac, Yardbirds e Led Zeppelin

imagemCinco músicas que são covers, mas você acha que são as versões originais - Parte 2

imagemNergal diz que Behemoth é mais que anti-religião e emociona-se com LGBTQ e aborto

imagemO clássico da Legião inspirado em novela da TV Globo e acusado de plagiar The Doors

imagemDepeche Mode divulga a causa oficial da morte de Andy Fletcher

imagemGeddy Lee e a playlist que ele criou com músicas que o inspiram a tocar baixo

imagemTúnel do Tempo: 25 músicas que mostram por que 1988 é um ano inesquecível

imagemAmazon: seleção de CDs, LPs e livros de rock e metal com descontos e frete gratis

imagemPerformance "controversa" de Axl Rose em show viraliza no Tik Tok


Stamp

Deep Purple: "amo estar numa banda", diz Glover

Por Zé Elias
Fonte: Blabbermouth
Em 10/12/07

Roger Glover, baixista do DEEP PURPLE, foi entrevistado em 2007 pelo site Jambase.com, onde comentou sobre seu prazer em estar numa banda.

Jambase.com: Quem acompanha o Deep Purple ao longo dos anos encontra uma complicada árvore genealógica. Em que medida você acredita que isso afeta a música? Há um núcleo no repertório que vocês provavelmente sempre irão tocar, não importa quem esteja na banda. Na formação atual, o que se pensa sobre isso?

Glover: "Estamos indo bem, e isso desde a vinda do Steve (Morse, guitarrista), há 14 ou 15 anos. Tem sido uma banda relativamente feliz. Não que não tenhamos diferenças ou brigas. Pode pegar cinco pessoas quaisquer e colocá-las juntas, haverá discussões. Não são discussões que acabam com a banda, mas sim por alguma coisa em que a gente acredita. Você tem que defender o seu, certo? Mas tem sido uma formação satisfatória, nesse sentido. Satisfação pode significar acomodação, mas não é o caso. Há uma obsessão na banda que vem do fato de que, quando Ritchie (Blackmore) saiu, estávamos determinados a continuar. E é uma determinação muito forte. Penso que isso se deve aos anos ruins com ele, final dos 80 e começo dos 90. Queríamos não dar a ele uma vitória moral, não queríamos nos curvar. Nos sentíamos muito fortes em relação a isso. Joe Satriani (que substituiu emergencialmente Blackmore em novembro de 93, ficando até o verão de 94) deu conta do recado e nos deu esperança de que havia vida após Ritchie. E houve, com Steve Morse."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Anos atrás, eu falava com alguém famoso (não quero dizer quem é) sobre a idéia de ser uma banda em que todo mundo fosse igual e falasse o que pensasse, trouxesse idéias sem medo de ser ironizado ou rejeitado. Eu sempre pensava que deveria deixar o Deep Purple chegar a isso, porque eu queria desesperadamente isso. Eu amo fazer parte de uma banda. Não há nada como isso. Não gosto da idéia de carreira solo. Só sendo parte de um time sinto-me satisfeito. Quando Steve veio, isso se concretizou. Nós estávamos sentados em círculo, todos com idéias, e decidimos dividir o crédito das composições, não importando de quem fosse a idéia – algo que não acontecia desde o começo dos anos 70. Olhávamos um para o outro e era pura alegria. É por isso que ‘Purpendicular’ (1996) é um dos meus favoritos, não necessariamente pela música, mas pelo momento."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Jambase.com: Nunca pensaram em simplesmente aposentar "Smoke on the Water?"

Glover: "É uma coisa realmente mágica. A banda começou como sendo basicamente voltada para música. A coisa toda era música feita por bons músicos. Quando eu entrei, era o pior baixista que eles poderiam ter encontrado, porque não estava no nível musical de Ritchie, Jon Lord e Ian Paice. Eu nunca havia ouvido algo como aquilo. Eu vim da escola velha, em que você pega a guitarra, aprende alguns acordes e talvez faz o seu caminho. Eles eram músicos no verdadeiro significado da palavra, e a banda sempre se pautou em música. Músicos de verdade tendem a tocar como jazzistas, e não como músicos de cabaré. Então cada noite com Jon e Ritchie seria sempre diferente. Eu vinha de um universo pop e pensava que eles estavam tocando errado. Mas depois, é claro, eu me toquei que eles improvisavam e se divertiam. Muito do esqueleto estrutural das músicas permanece o mesmo e as pessoas reconhecem. É isso que mantém a coisa viva. Eu encontro sempre algo diferente pra fazer em 'Smoke on the Water', 'Highway Star' e 'Lazy'. É algo que acontece, quero sempre tentar o que ainda não tentei."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Leia a entrevista completa em jambase.com.

Comente: Você acha que a banda deveria aposentar Smoke On The Water?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Zé Elias

José Elias da Silva Neto é paulista de Santo André, nasceu em 1965. Mora em Poços de Caldas, MG. É designer gráfico, baixista e palmeirense. O primeiro rock ouviu com 2 anos de idade, "Wooly Booly", de Sam the Sham and the Pharaos. Em 1972, foi apresentado ao "Machine Head" do Deep Purple e ao "Santana 3". Uns anos depois vieram a coletânea "1962-1966" dos Beatles e "No Mean City", do Nazareth. Aí virou mania. Quem tá sempre no player: Jethro Tull, Queen, Led Zeppelin, Genesis, Gentle Giant, Dixie Dregs, Emerson Lake & Palmer, Rush, Focus. E alguma coisa de jazz anos 30-40, música erudita, MPB. O que não lhe faz a cabeça: rock farofa, solos muito longos e metal muito zoeira.

Mais matérias de Zé Elias.