Rob está cantando muito melhor, afirma Tipton

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago Coutinho, Fonte: Rockdetector.com
Enviar correções  |  Comentários  | 

Garry Sharpe-Young, jornalista do site Rockdetector.com, conduziu recentemente uma entrevista com o guitarrista Glen Tipton, do JUDAS PRIEST. Entre diversos assuntos, Tipton explicou que a banda pretende tocar músicas raramente executadas ao vivo pelo grupo inglês e afirmou: “Rob está cantando muito melhor do que antes”.

417 acessosJudas Priest: álbum clássico "Sin After Sin" completa 40 anos5000 acessosSlash: por que ele usa óculos escuros o tempo todo?

O guitarrista também falou a respeito do projeto TIPTON, ENTWISTLE AND POWELL, formado por Tiptpon, pelo baixista falecido John Entwistle, do THE WHO, e o lendário baterista Cozy Powell (RAINBOW, BLACK SABBATH e WHITESNAKE), que perdeu a vida em um acidente automobilístico em 1998. O álbum chama-se “Edge of the World”, foi gravado em meados de 1994 e a capa pode ser vista aqui. Além disso, Tipton também relançará seu primeiro registro solo, “Baptism of Fire”, lançado originalmente em 1997.

Confira o bate-papo, logo a seguir:

Rockdetector.com — Você pode nos dar uma parecer cronológico dessas gravações solo?

Glen Tipton — Quando o Rob saiu do JUDAS PRIEST nós ficamos um tanto chocados. Só então percebi que essa era a oportunidade perfeita para compor alguma coisa. Então, tive que decidir o que fazer com este material. Primeiro, contatei Powell. Conversamos no escritório e o nosso empresário, Bill Curbishley, sugeriu que convidássemos John Entwistle. Entramos em contato com ele por meio de um telefonema e ele disse que adorou a idéia. Pronto, estava formado o time.

Rockdetector.com — Pergunta óbvia: por que quando o ‘Baptism of Fire’ foi lançado você também não disponibilizou as faixas do projeto com Powell e Entwistle?

Glen Tipton — Foi mais por culpa da gravadora. Nós gravamos o álbum e o entregamos à Atlantic Records. Bem, eles adoraram o álbum, mas depois começaram a dizer que o acharam muito ‘old school’. Eu me lembro do exato termo que eles usaram. Acho que foi só uma questão de tempo.

Rockdetector.com — Até porque, naquela época ainda vivíamos à sombra do grunge.

Glen Tipton — Verdade. Foi uma época ruim para vários músicos. Foi quando me disseram pára ir a Los Angeles e trabalhar com todos esses outros caras, como Billy Sheehan (ex-MR. BIG), Rob Trujillo (ex-SUICIDAL TENDENCIES e atual METALLICA) e Shannon Larkin (ex-UGLY KID JOE). Todos eles foram demais, mas sempre tive em mente que deveria fazer alguma coisa com as outras faixas também. E continuei pensando sobre isso nesses anos todos, este material deveria ver a luz do dia. Então, bem recentemetne, a Rhino Records entrou em contato comigo me perguntou a respeito do 'Baptism Of Fire' e também me disseram que estavam bem excitados com ‘Edge Of The World’, e foi então que me deram a chance de lançar essas músicas.

Rockdetector.com — Acho que o legado de Cozy Powell foi um pouco subestimado, simplesmente porque ele tocou em muitas bandas, como WHITESNAKE, RAINBOW, BLACK SABBATH, YNGWIE MALMSTEEN, MICHAEL SCHENKER GROUP…

Glen Tipton — Sim, sim. Cozy tocou em muitas bandas, e todos nessas bandas eram seus irmãos. Mas lembre-se de que ele tocou nessas bandas todas porque era muito bom. Muitas bandas queria ter o Cozy na bateria. Ele tinha muitos seguidores.

Rockdetector.com — Você deu uma pequena parada após a turnê mundial para finalizar esses álbuns solos e agora vocês já estão pensando no novo trabalho do JUDAS PRIEST?

Glen Tipton — Sim. Passei esse tempo finalizando esses álbuns e agora já estamos de volta ao modo de composição para o novo tralho do JUDAS PRIEST. Vamos ficar, por algum tempo, totalmente focados nisso. É importante para nós mostrarmos aos fãs que o ‘Angel Of Retribution’ não foi apenas mais um álbum.

Rockdetector.com — Falei com K.K. [Dowing, guitarra] há alguns dias e ele me disse que o repertório da próxima turnê será completamente diferente, com música que vocês nunca ou raramente tocam. Então, nós realmente veremos um novo repertório na próxima turnê?

Glen Tipton — Sim. Nós já até decidimos o que queremos fazer. Quando ‘Angel Of Retribution’ saiu, precisávamos fazer duas coisas, promover as músicas novas e lembrar a todos quem é o JUDAS PRIEST. Obviamente, temos uma história que felizmente nos deu muitos hits e faixas particulares, como 'Victim of Changes', 'Electric Eye', 'Metal Gods' e 'Beyond The Realms Of Death', que nossos fãs classificam como clássicos e temos que nos focar neles. Ao mesmo tempo, temos que arrumar espaço para tocar faixas que as pessoas não esperam ouvir. O rolou foi que começamos a perceber, especialmente nessa turnê, que as pessoas viam até nós após os shows pedindo suas músicas favoritas. Eles sempre fizeram isso e é demais saber que fizemos álbuns que são apreciados de diferentes modos por pessoas diferentes, mas desta vez isso foi bem mais notável, durante toda a turnê.

Rockdetector.com — E quais faixas os fãs têm pedido mais?

Glen Tipton — Simplesmente tudo! 'Rock Hard, Ride Free', 'Rapid Fire', 'Steeler', 'Jawbreaker', uma lista sem fim! E isso nos fez pensar a respeito: ‘como podemos tocar tudo isso?’.

Rockdetector.com — Vocês têm muitas faixas de forte apelo junto aos fãs que raramente tocam ou nunca tocaram e que poderiam ser executadas em um show com muita luz.

Glen Tipton — E nós faremos. Escolher o próximo repertório será extremamente difícil. Há algumas faixas do ‘Angel of Retribution’ que teremos de tocar e que merecem ser ouvidas ao vivo. E, até lá, já teremos nosso novo álbum. Então teremos de pensar em misturar diferentes faixas. Achamos que nossos fãs realmente merecem ouvir essas faixas antes que nos aposentemos, não importa quando isso acontecerá. É um tipo de missão impossível, mas já decidimos que arrumaremos tempo para tocar todas essas faixas.

Rockdetector.com — K.K. nos disse que a banda pode tocar qualquer música de qualquer álbum.

Glen Tipton — Nós podemos, infelizmente. Isso torna a escolha ainda mais difícil. E acho que provamos isso durante a turnê do ‘Angel Of Retribution’. O Rob está cantando melhor do que antes, e muitas músicas do PRIEST são realmente um desafio, mas ainda nos divertimos com elas. É muito importante para os fãs nos verem no palco e perceberam que a paixão que temos é real.

Para ler a entrevista na íntegra, em inglês, clique aqui.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MastodonMastodon
Dailor sofreu após Hinds dizer que Judas Priest não é metal

417 acessosJudas Priest: álbum clássico "Sin After Sin" completa 40 anos606 acessosDuplas de guitarristas: Loudwire elenca suas dez melhores1491 acessosLoudwire: em vídeo, os 10 maiores riffs de metal dos 80's0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Judas Priest"

Nerd MetalNerd Metal
Os 5 Maiores Frontmen do Heavy Metal

Judas PriestJudas Priest
"Painkiller" e seus diversos covers

Rob HalfordRob Halford
A opinião do cantor sobre o vocal gutural

0 acessosTodas as matérias da seção Entrevistas0 acessosTodas as matérias sobre "Judas Priest"

SlashSlash
Por que ele usa óculos escuros o tempo todo?

MetalMetal
As bandas mais expressivas surgidas nos últimos 15 anos

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Phil Anselmo, Dimebag, Rex Brow e Vinnie Paul

5000 acessosPensadores e autores que inspiraram o Heavy Metal: Friedrich Nietzsche5000 acessosSeparados no nascimento: Ian Hill e Stênio Garcia5000 acessosIvete Sangalo: "Ouço muito SOAD, Linkin Park, Slipknot e Rush"5000 acessosKiko: entrar no Megadeth não mudará nada no Metal Nacional5000 acessosMarcelo Maiden: Uma impressionante coleção de ítens do Iron Maiden5000 acessosMetallica: Dave Mustaine resenha o "Hardwired... To Self-Destruct"

Sobre Thiago Coutinho

Formado em Jornalismo, 23 anos, fanático por Bruce Dickinson e seus comparsas no Maiden. O heavy metal surgiu na minha vida quando ouvi o vocalista da Donzela de Ferro em "Tears of the Dragon", em meados de 1994. Mas também aprecio a voz de pato bêbado do controverso Dave Mustaine, a simplicidade do Ramones, as melodias intrincadas do Helloween, a belíssima voz de Dio ou os gritos escabrosos de Rob Halford. A Whiplash apareceu em minha vida sem querer, acho que seus criadores são uns loucos amantes de rock e acredito que este seja o melhor site de rock do país, sem qualquer demagogia!

Mais matérias de Thiago Coutinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online