Entrevista Darkane: Guitarrista Klas Ideberg fala do thrash de Layers

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar Correções  

Chegando ao seu quarto CD, o convincente "Layers Of Lies", o quinteto europeu Darkane nos brinda com um trabalho fortemente calcado no thrash e com poucas concessões a modernidade e a novos elementos. Para falar sobre o novo CD, conversamos via telefone com o simpático guitarrista Klas Ideberg, que demonstrou muita felicidade ao poder falar com o público brasileiro, não escondendo sua vontade de tocar no Brasil. Completam o time o vocalista Andreas Sydow, o guitarrista Christofer Malmstrom, o baixista Jorgen Lofberg e o baterista Peter Wildoer. Confira abaixo como foi esta interessante conversa:

Whiplash! - Três anos se passaram desde o lançamento de "Expanding Senses". Como você avalia a resposta do público e a turnê?


Klas Ideberg - Muito boa. Tivemos boa resposta na crítica e no público. Não saberia dizer o quanto vendemos, mas sei que para nós o resultado final foi muito bom. A turnê foi ótima, tivemos um grande momento excursionando pelos Estados Unidos com o Fear Factory e o Soilwork. A nova turnê deve começar em dezembro, e mal posso esperar para ir para a estrada de novo.

publicidade

Whiplash! - O novo CD traz uma clara evolução em relação a seus predecessores e mostra o Darkane em sua melhor forma. Vocês sentiram algum tipo de pressão quando começaram os trabalhos para "Layers Of Lies"?

Klas Ideberg - Sim. Nossa gravadora nos pressionou muito, mas avalio esta pressão de forma positiva, pois eles não queriam que deixássemos a bola cair. Fora isso nós mesmos nos pressionamos, assumindo a produção, mixagem e cuidando de tudo. Só isto gera uma enorme pressão (risos).

publicidade

Whiplash! - É nítido que a banda inseriu algumas mensagens políticas nas letras do novo álbum. Quais são suas inspirações para compor?

Klas Ideberg - Falando sobre as letras, eu vou ter que dizer o clichê de sempre: tudo nos inspira (risos). O título foi meio que inspirado no filme Matrix, aonde o que você vê é diferente da realidade. As letras vão surgindo de maneira bem espontânea, e envolvem situações do mundo de hoje, guerras, e tudo o que nos desperta interesse para escrever. Tentamos fazer sempre o melhor.

publicidade

Whiplash! - Uma das faixas que se destaca, na minha opinião, é "Decadent Messiah", agressiva e com um ótimo trabalho de guitarras. O que você pode comentar sobre esta música?

Klas Ideberg - Que ela é foda! (risos). Chris e Peter (Wildoer – baterista) escreveram a faixa e todos gostamos de primeira dela. É pesada, e tem um diferencial, uma vibração que se destaca. Na verdade devo confessar que não toquei nela, porque simplesmente não tive tempo de aprender as partes (!). Mas é uma puta música. A letra fala sobre as loucuras que algumas pessoas fazem movidas pelo mau uso da religião, em particular os homens-bomba.

publicidade

Whiplash! - Outra boa faixa é "Godforsaken Universe". Neste CD vocês assumiram a produção. Como se deu esse processo?

Klas Ideberg - Na verdade no começo não tínhamos essa intenção. Chamamos Daniel Bergstrom para produzir o CD, mas ele estava com a agenda cheia. Então decidimos fazer tudo sozinhos, já que não poderíamos esperá-lo. Eu trabalhei como engenheiro de som, alugamos o estúdio e fizemos tudo o que podíamos. Fiquei muito orgulhoso de ver que nosso trabalho funcionou e que o CD saiu bem produzido. Mas em nossos próximos CDs tentaremos trabalhar em conjunto com um produtor, pois é mais fácil e nos ajuda. Vamos aliar um grande produtor à experiência que adquirimos neste CD.

publicidade

Whiplash! - Andreas tem um grande potencial em sua voz, e seu trabalho é muito forte neste CD. A banda muitas vezes é comparada a Children Of Bodom e In Flames, mas particularmente considero Darkane uma banda mais voltada para o thrash anos 80, com fortes influências do Slayer. Você concorda com estas comparações?


Klas Ideberg - Bom... as pessoas nos comparam ao Children Of Bodom e In Flames, e eu digo... BULLSHIT! (risos). Não temos nada a ver com eles. Algumas passagens podem até soar como estas bandas, mas concordo com você quanto a influência do Slayer. Não me leve a mal, gosto destas bandas, os vocalistas são bons, a idéia de trabalhar com melodias é muito boa, e são bons músicos, mas não temos nada a ver com eles.

publicidade

Whiplash! - O CD foi lançado em Julho. Como têm sido os shows e quais os planos para turnê em 2005 e 2006?

Klas Ideberg - Fizemos alguns bons shows. Os três últimos foram na Suécia, Dinamarca. No verão de 2006 estaremos fazendo alguns festivais. Peter acaba de ser pai e precisa de tempo para essa fase de sua vida. Talvez em novembro voltemos a tocar. Já disse que adoraríamos tocar no Brasil? (gargalhadas).

publicidade

Whiplash! - Vocês têm recebido contatos dos fãs brasileiros com este novo CD?

Klas Ideberg - Sim. Recebemos emails, cartas, e queremos agradecer todo esse apoio. Precisamos tocar aí o mais rápido possível.

Whiplash! - O cenário thrash vem passando por um bom momento, com grandes CDs do Exodus, Darkane e ao mesmo tempo algumas bandas como In Flames e Soilwork estão levando o estilo para outras fronteiras. Como você analisa o cenário neste momento?

Klas Ideberg - Muito bom. Toda a cena vem crescendo e evoluindo positivamente nos últimos 5 anos. Novas boas bandas vêm surgindo e os fãs de música veloz não poderiam estar mais felizes. Estamos satisfeitos com tudo isso, e gosto muito do novo CD do Soilwork.

Whiplash! - Klas, obrigado pela entrevista, o espaço é seu...

Klas Ideberg - Valeu, espero vê-los em breve. Vamos chutar alguns traseiros e enlouquecer com um som forte. STAY METAL.

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Anette Olzon: Eu fui demitida exatamente como Tarja também foiAnette Olzon
"Eu fui demitida exatamente como Tarja também foi"

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1988Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1988


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin