Maalstroom - Entrevista exclusiva com o guitarrista Mike Spitzer.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Enviar Correções  

A banda Maalstroom começou suas atividades pouco antes do meio da década de 90, com o nome Maelstrom, com o qual lançou o álbum "Eye Of The Storm" em1995. Pouco depois disso foi obrigada a mudar o nome devido a problemas com o uso do anterior, e definitivamente passou a se chamar Maalstroom. Depois dessa mudança a banda lançou um EP de metal/hard rock instrumental, chamado "The Final Days". O Whiplash! falou com o líder da banda, o guitarrista Mike Spitzer, sobre esse último trabalho da banda, projetos futuros, a cena "shredder" atual, dentre outras coisas.

publicidade

Entrevista concedida a Mário Del Nunzio. Colaboração de Thiago Corrêa.

Tradução por Mário Del Nunzio.

Whiplash! / Você e sua banda não são muito conhecidos aqui no Brasil. Por favor, para começar essa entrevista, introduza você e sua banda, Maalstroom.

Spitzer / Maalstroom é uma banda de hard rock orientada para a guitarra, liderada por mim, Michael Spitzer. Fora do Maalstroom, sou o administrador da base de dados do fã clube oficial internacional de Yngwie Malmsteen. A formação do Maalstroom mudou nos anos, mas permanece a mesma do "The Final Days".

publicidade

Whiplash! / Ano passado foi lançado "The Final Days". O álbum é bastante curto, com pouco mais de 20 minutos de música. Por que um lançamento com tão pouco tempo de música ?

Spitzer / A idéia inicial era de lançar um CD com tamanho "normal", com 8 ou 10 músicas, e com um vocalista, mas, houve problemas para achar um vocalista que combinasse e que fosse responsável para entrar na banda, trabalhar, ensaiar, etc. Nesse meio tempo, estava construindo uma nova casa e estava planejando construir um estúdio para gravações lá, então estava numa corrida contra o tempo. Também, fãs na internet continuamente mandavam emails dizendo que estavam ansiosos por ouvir novo material, então decidimos lançar "The Final Days" como um EP instrumental. Acabou sendo uma boa decisão, pois foi muito bem recebido e vendeu algumas milhares de cópias.

publicidade

Whiplash! / "The Final Days" começa com a música "Prophecy", que tem na intro uma citação de um dos temas de "Carmina Burana", do compositor de origem germânica Carl Orff (1895-1982). Como você teve a idéia de usar um trecho dessa obra como melodia de abertura desse seu novo álbum ? Ainda sobre essa canção, a seção de arpejos é bastante similar à utilizada na obra "Never Die" de Yngwie Malmsteen. Isso foi intencional ?

publicidade

Spitzer / "Carmina Burana" parecia um apropriado calmo e quieto começo para uma rápida e furiosa música. E, sobre a segunda parte, além de ser amigo de Yngwie [Malmsteen], ele é certamente uma grande influência quando escrevo uma música "neo-clássica". Mas, apesar disso, gosto de Steve Vau para músicas mais "boogie" e Steve Ray Vaughan para Blues. A parte dos aprpejos em "Prophecy" é baseada no cicli de quartos, comum em toda música clássica...Por exemplo, Em, Am, D, G, C, F, Bsus4, B, etc... É claro que soa como Yngwie, nunca hesitei em dar créditos a ele por sua influência.

publicidade

Whiplash! / As músicas presentes no "The Final Days", parece que foram escritas esperando que um vocalista fosse cantá-las, a partes rítmicas bastante típicas de músicas cantadas, e as músicas são basicamente construídas no típico modelo verso-refrão. Mas são instrumentais, então têm solos mais longos. Isso é verdade ? O que você acha disso ?

publicidade

Spitzer / Sim, todas as músicas foram feitas originalmente para terem vocalistas as cantando. Em "Death Walks", eu coloquei um solo realmente longo, para todos os fãs de solos de guitarra extremos. Esse solo é uma das coisas que as pessoas mais falam do CD. Parecem realmente gostar dele e do seu sentimento.

Whiplash! / Em todas as músicas no "Final Days" podemos escutar típicos licks de Yngwie Malmsteen. Isso foi intencional ? Você os usa como uma forma de homenagear Yngwie ou isso acontece casualmente ?

publicidade

Spitzer / Essas músicas foram pensadas para impacto de alta intensidade e por isso têm muitas passagens com escalas rápidas. Eu considero Yngwie o rei desse estilo, e por isso incorporei bastante dessa técnica e estilo nessas músicas. Dei a Yngwie uma cópia do CD e ele ficou surpreso e feliz por dar crédito a ele no encarte do CD. Nesses anos, muitos guitarristas fizeram coisas muito influenciadas por ele e nunca o colocaram como influência. Apesar disso, no novo CD que estou preparando, não há apenas músicas neo-clássicas como as de "Final Days", mas também um "Boogie", também algo de blues puro e uma balada escrita para minha esposa. Então talvez só 1/3 ou 1/2 das novas músicas terão a influência de Yngwie.

Whiplash! / A música "Premonition" começa com explosões, tiros, e então se torna uma melódica e bonita música acústica. Por que esses barulhos no começo da música ? Qual foi a idéia por trás disso ?

Spitzer / A idéia que tinha em minha mente era da estranha calma que está presente em um campo de batalha depois dela acontecer. Depois das armas ficarem silenciosas, há uma macabra paz no campo de batalha, olhando todos os corpos sem vida.

Whiplash! / A canção "Final Days" tem um sentimento meio egípcio, que me lembra algo da música de início de carreira da banda Dio, com riffs baseados no modo frígio. No meio da música há algumas similaridades com a obra "Krakatau" de Yngwie Malmsteen. O começo do solo, principalmente de 3:00 até 3:15 minutos da música também soa muito como Yngwie Malmsteen. Tudo isso foi intencional ? Qual era sua intenção quando escreveu a música ?

Spitzer / Essa música foi feita como uma espécie de tributo ao estilo neo-clássico como um todo. Por isso que o solo vai por 7 minutos ou algo perto disso. Quis usar cada "marca registrada" desse estilo. Gosto também de músicas rápidas, mas sempre achei que solos rápidos em um riff lento e denso são as coisas que soam melhores.

Whiplash! / Os solos nesse disco foram escritos ou improvisados ? Ou o que foi escrito e o que foi improvisado ?

Spitzer / Bom, há partes improvisadas e outras escritas, e outras combinando ambos. Quero dizer que certas seções eu sabia o que faria em certas partes das músicas e fora dessas partes improvisaria 100%. "Death Walks" foi 100% improvisada. Em "Final Days", há uma harmonia durante a segunda parte do solo que foi trabalhada.

Whiplash! / Você tem uma grande capacidade técnica como guitarrista, mas suas músicas não exploram muito passagens mais complexas dos pontos de vista harmônico-rítmico-melódicos. Você não pretende escrever composições mais complexas ? Por quê ?

Spitzer / Você provavelmente vai ouvir isso no próximo CD da banda, entretanto, vou ser honesto com você, nunca escreverei algo muito complexo nesse sentido. Cresci durante os tempos de Led Zeppelin, Black Sabbath, etc. O que era comum nessa época era o "gancho" ou um riff memorável que ficava na cabeça das pessoas e fazia as músicas memoráveis. Sempre fico impressionado com músicas complexos de Jazz ou até mesmo por bandas como Dream Theater, em termos das suas habilidades musicais, entretanto, o único problema que vejo ao ouvir músicas desse tipo de banda é que, embora a música seja ótima, 30 minutos depois de ouvi-la não se pode lembrar ou mesmo murmurar uma única música que você tenha acabado de ouvir. Fica tão complexo que não é memorável. Tento escrever músicas para um ouvinte geral, não para impressionar outros músicos.

Whiplash! / Como você compararia os dois álbuns do Maalstroom ? Qual seu favorito ?

Spitzer / "Final Days" soa muito melhor. Não escuto "Eye Of The Storm" mais. Bom, é claro que agora que estou trabalhando em um novo álbum não ouço mais "Final Days" também.

Whiplash! / Quais são os destaques do "The Final Days" para você ? Você acha que poderia ter feito algo melhor ?

Spitzer / A que mais me orgulho com certeza é "Death Walks". Todos parecem gostar do longo solo. Sim, há coisas que acho que poderia fazer melhor. Acho que uma pessoa sempre pode tentar fazer melhor.

Whiplash! / O Maalstroom tem feito shows ?

Spitzer / Assim como Steeley Dan nos anos 70, a banda só tem sido um projeto de estúdio até o momento.

Whiplash! / Quais são os planos para o novo álbum do Maalstroom ? Por favor, comente sobre algumas músicas novas.

Spitzer / Acabei de construir um novo estúdio de gravações em minha nova casa. Aqui que todo o futuro trabalho será feito. No novo álbum, como dito antes, não estarão apenas músicas neo-clássicas, mas também algo de blues puro, e algo que soe um pouco como Steve Vai, como os "boogies" no filme "Crossroads".

Whiplash! / Como foi a receptividade do público em relação a seus álbuns ? Qual foi melhor recebido ? Como foram as vendas ?

Spitzer / "Final Days" foi muito melhor recebido que o CD anterior. Apesar de ser curto, o CD parece ter sido recebido tão bem pois muitas pessoas estão procurando pessoas que toquem guitarra intensamente atualmente. Os anos 90 não foram bons para guitarristas. A maioria das músicas não tinha nem solo de guitarra no meio. Pessoas querem essa energia novamente. Acho que "Final Days" foi um pequeno aperitivo para saciar o apetite das pessoas por esse tipo de música. Os reviews foram ótimos e milhares de cópias do álbum foram vendidas.

Whiplash! / Ouvi falar que você colocaria um vocalista em seu novo álbum, certo ?

Spitzer / Sim, esses são meus planos.

Whiplash! / Quando você começou a tocar guitarra ? Quais suas primeiras influências ? Qual foi seu primeiro equipamento ?

Spitzer / Comecei tarde, comparado à maioria das pessoas, que começam com uma idade entre 8 e 12 anos, enquanto eu comecei quando já estava no colegial. Meu primeiro equipamento foi uma guitarra Cort no estilo da Fender, que custou 89 dólares, um pedal de distorção da Boss e um amplificador barato sem nome. Eles realmente não soavam bem.

Whiplash! / Você trabalha num fã clube de Yngwie Malmsteen, suas músicas soam similares às dele, com partes até mesmo idênticas. Como consequência, acho que em todas as suas entrevistas há questões sobre Yngwie Malmsteen. Você faz seu trabalho pensando e esperando isso, ou você não gosta quando isso acontece ?

Spitzer / Diferente de alguns guitarristas que são influenciados por Yngwie mas não dão crédito, sempre fui honesto dizendo que ele foi uma das pessoas que me deixou continuamente querendo praticar guitarra. Suponho que às vezes quando toco algo que incorpora suas técnicas, é uma forma de tributo. Olhe para músicos de blues, por exemplo... quantas idéias trocadas estão lá ? Metade das músicas de Steve Ray Vaughan eram "remakes" de velhos "standards" de Blues. Seu modo de tocar foi altamente influenciado por Albert King e Jimi Hendrix. Acho que o que toco é algo como uma versão simplificada do que Yngwie toca. É mais como Black Sabbath ou Judas Priest com solos estilo Yngwie. Como disse antes, o novo álbum sai um pouco disso, de uma certa forma... Mas, quando decido escrever algo com um estilo clássico, com modo Frígio, ou modo Frígio com dominante, harmônica menor, ou sequências de arpejos, a influência de Yngwie está lá.

Whiplash! / Você tem uma boa técnica de palhetada alternada, mas usa muito ligado. Por que ? Você normalmente toca o que acha que soa melhor ou o que pode soar tecnicamente mais impressionante ?

Spitzer / Tento ter variedade no que soa melhor. "Corridas" rápidas e palhetadas são para um certo sentimento, mas ligados soam melhor em certas ocasiões. Pegue a música "Prophecy" como exemplo... O solo tem 2 segmentos. O primeiro solo tem corridas escalares rápidas usando palhetada alternada, já na segunda parte há "tapping" com 6 dedos e ligados.

Whiplash! / Como você escolhe os nomes de suas músicas ? Elas são instrumentais, portanto não há letra para influencias o título, então de onde vem as idéias para eles ? E qual o significado deles para você ?

Spitzer / No caso desse meu último álbum, havia um conceito em minha cabeça. Basicamente, acordar as pessoas, o mundo estará chegando ao fim, se não pararmos de fazer coisas estúpidas na política, quanto à questão da superpopulação, etc. Por exemplo, uma parte da letra na canção "Final Days" seria: "It's too late to change our ways, We're In the final days". [N. do T.: "Está muito tarde para mudarmos nossos caminhos, estamos nos dias finais"].

Whiplash! / O que você tem escutado recentemente ? E quais alguns de seus discos favoritos de todos os tempos ?

Spitzer / Raramente escuto rádio ultimamente, não gosto do que é tocado por eles ultimamente, então meu carro tem 2 "presets" no rádio, as estações de clássico e de notícias. Para álbuns, gosto de "Alien Love Secrets" e "Fire Garden" de Steve Vai. Gosto de Black Sabbath, o que o Metallica fez antes do "Load"... Também de "In Step" e "The Sky is Crying" de Steve Ray Vaughan. E, é, claro, todos de Yngwie Malmsteen. Não coleciono muitos álbuns, tendo a não gostar de discos inteiros, só de certas músicas.

Whiplash! / O que Yngwie Malmsteen pensa de seu trabalho ? Você poderia nos dizer o que ele disse sobre você e seus trabalhos ?

Spitzer / Ele pareceu estar genuinamente muitíssimo feliz quando dei uma cópia de meu álbum a ele e ele leu o encarte... Ele comentou: "Não acredito que você mencionou meu nome. A maioria das pessoas que são influenciadas por mim não fazem isso". Ele comentou que eu era muito bom, e que se trabalhasse em algumas técnicas que não estavam 100% podia ser realmente ótimo. Me disse para trabalhar mais no meu vibrato e bend.

Whiplash! / Como você escolheu o nome Maalstroom ? Você não acharia mais lógico lançar seus discos como álbuns solo, considerando que você escreve todas as músicas e é líder da babda ?

Spitzer / A banda originalmente se chamava Maelstrom. Depois do furacão que atingiu o sul da Flórida em 1992, esse termo era bastante usado para descrever os ventos pesados, então comecei a usá-lo. Pouco depois, fui contactado por uma banda que já havia registrado esse nome, então, fui a algumas bibliotecas e, olhando em velhos dicionários, vi uma velha forma holandesa de escrever essa palavra, Maalstroom. Então pesquisei e vi que esse nome não era registrado, então registrei-o. Sobre usar meu nome, prefiro encarar como uma banda real, não só um projeto solo.

Whiplash! / O que você acha dessa década de 90 comparada à de 80 em relação à música "shred" ? Nos anos 80 tivemos Yngwie, Jason Becker, Paul Gilbert, Marty Friedman, etc, e agora temos George Bellas, Rob Johnson, Shawn Lane, etc. Quais você acha melhores ? Quais outros "shredders" você colocaria nesse meio ? O que você acha da atual sitação desse tipo de música ?

Spitzer / Como um todo, a cena musical era muito melhor nos anos 80 para guitarristas. Ainda há ótimos músicos por aí, mas eles não são conhecidos pelas massas como eram nos anos 80. Bellas, Lane, Johnson são ótimos. Poderia adicionar também James Byrd e Rudi Pell à lista [N. do T. Axel Rudi Pell gravou seu primeiro disco em 1984 com a banda Steeler. Gravou mais 3 discos com essa banda e lançou seu primeiro disco solo em 1989, "Wild Obsession", portanto não é da década de 90]. Infelizmente no presenete momento, só fãs apaixonados por esse tipo de música ou outros músicos sabem desses guitarristas. Se você perguntar a alguém na rua, provavelmente nunca terão ouvido falar nesses músicos. Uma pena. Mas as coisas estão mudando agora. As pessoas estão se cansando da monótona música de 3 acordes de agora e procurando por rock de alta energia e com bons músicos novamente. Como o AC/DC fez no começo dos anos 80, tirando a música "disco"das paradas e começando a era heavy metal, parece que na década que começará o retorno do hard rock/metal acontecerá. O mundo vive ciclos de 20 anos no que se refere a modas, como pode se ver nos adolescentes de hoje se vestindo comp nos anos 70.

Whiplash! / Muitas das bandas influenciadas por Yngwie Malmsteen têm ex-músicos de sua banda em suas agremiações musicais, como são os casos das bandas de Axel Rudi Pell, Roland Grapow, Stratovarius, etc. Você já pensou nisso para o Maalstroom ?

Spitzer / Como estou tendo tempos difíceis achando um vocalista correto, estou pensando em tentar entrar em contato com um dos ex-vocalistas de Yngwie para gravar, mas nada certo até o momento. Só uma idéia.

Whiplash! / Por favor, comente sobre esses guitarristas:

Whiplash! / Jason Becker:

Spitzer / É tecnciamente ótimo. Era ótimo com o Cacophony e no seu primeiro disco solo. Seria interessante ver o que poderia ter feito. Linhas bastante melódicas. Não escuto os discos há anos, mas ainda posso lembrar as músicas.

Whiplash! / Greg Howe:

Spitzer / Ótimo tecnicamente, mas não me interessa por algum motivo. Tinha um excelente timbre, similar ao do Van Halen no começo.

Whiplash! / Chris Impellitteri:

Spitzer / Tecnicamente ótimo, mas fica um pouco sujo às vezes, especialmente nos primeiros discos. Mas, como Howe, não atrai minha atenção.

Whiplash! / Michael Angelo:

Spitzer / Muito rápido e bastante impressionante, mas não gosto de escutar sua música. Especialmente quando tocava com o Nitro. Seu timbre era abrasivo e metálico, pelo que me lembro.

Whiplash! / Allan Holdsworth:

Spitzer / É o rei do que faz. Van Halen e Yngwie o admiram. É ótimo para escutar, mas nunca faria algo similar ao que ele faz.

Whiplash! / Se você tem algo mais a dizer, o espaço é seu. Também, por favor, deixe uma mensagem aos seus fãs brasileiros e leitores do Whiplash.

Spitzer / A indústria da música é um trabalho difícil, então gostamos de nosso fãs e escutar seus cometários pessoalmente. Lemos todos os emails mandandos à banda, portanto podem mandar para [email protected] .

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Seguidores do Demônio: as 10 bandas mais perigosas do mundoSeguidores do Demônio
As 10 bandas mais perigosas do mundo

Sepultura: Gloria Cavalera xinga e rebate Derrick Green após entrevistaSepultura
Gloria Cavalera xinga e rebate Derrick Green após entrevista


WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin