Days Of Yore - Entrevista com o guitarrista Martin Giguere

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Enviar correções  |  Ver Acessos

Days Of Yore é uma banda canadense, que pratica Power Metal melódico, com influências clássicas, mas diferente de outras bandas do estilo, não deixa a agressividade e o peso de lado. Em 1997 foi lançado o primeiro disco da banda, "The Mad God's Wage", e atualmente eles estão preparando o segundo disco. O Whiplash! entrevistou um dos guitarristas e compositores principais da banda, Martin Giguere, que comentou sobre as idéias musicais e líricas, problemas com a formação, dentre muitas outras coisas. Entrevista concedida a Mário Del Nunzio.

Metallica: a habilidade com as baquetas de James HetfieldNightwish: Participação de Dawkins em álbum irritou alguns fãs

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Whiplash! / Antes de formar o Days Of Yore, você e seu irmão, Sylvain Giguere, tocavam numa banda de Death Metal, certo? Por que e como vocês decidiram mudar o estilo musical que estavam tocando?

Martin Giguere / Antes do Days Of Yore ter nascido eu e meu irmão tocávamos numa banda chamada Deimos, que era totalmente devotada ao Death Metal. Nós lançamos uma demo em março de 1994 e eu e meu irmão deixamos a banda em 1994 devido a óbvias divergências musicais causadas pela nossa crescente admiração por música clássica. Deu-se aí o fim do Deimos e o nascimento do Days Of Yore. Nos primeiros dias, ninguém acreditava no nosso conceito de "história contínua" e todos questionavam nosso novo direcionamento. Além disso, meu irmão e eu tínhamos uma atitude meio ditatorial quando compúnhamos música. Como Jeff Waters do Annihilator e Chuck Schuldiner do Death, nós queríamos supervisionar cada passo da composição da música. Assim, nós acreditávamos que a adição de novos membros nesse estágio só traria problemas, então continuamos como um dueto. Jerome [Parent, vocalista] era um velho amigo e a sua velha banda estava agonizando, então nós pedimos a ele e ele aceitou entrar na nossa banda.

Whiplash! / Sobre o disco "The Mad God's Wage", eu acho que há ótimas músicas nele mas a bateria e o baixo programados deixaram o som um pouco mecanizado, você concorda? Por que vocês não tinham músicos "reais" nessa época?

Martin / Como eu disse, não há muitos músicos de Heavy Metal aqui em Quebec. E, desses poucos, ou eles tocam em bandas de covers ou desperdiçam seus talentos em Death Metal. Antes de achar músicos talentosos, nós tínhamos que provar a que viemos, pois ninguém aqui acredita em vocais altos e agudos.

Whiplash! / Como vocês tiveram a idéia de lançar o disco "The Mad God's Wage" naquela caixa [N. do E.: O disco vinha junto de uma caixa parecida com a de Box Set de 4 CDs, acompanhada de um livro com várias imagens e as letras das músicas]? Eu achei a idéia muito boa. Vocês têm a idéia de fazer o mesmo em outros discos no futuro?

Martin / Enquanto escrevíamos as letras das músicas e juntávamos as figuras, nós percebemos que tudo não caberia num encarte de CD comum. Então nós tínhamos apenas duas opções: esquecer as figuras, assim como todas as notas fora das letras e ir para um encarte de CD convencional ou elaborar um layout fora da norma convencional onde tudo isso pudesse ser posto. Como acreditávamos que o conceito da história valia aproximadamente 50% de nosso trabalho, não foi difícil fazer a escolha. Também, a excêntrica caixa foi o mais barato e eficiente marketing que já vi! Entretanto, como nosso próximo álbum vai ser lançado por uma gravadora de Heavy Metal "major", nós não faremos exatamente o mesmo layour. Ainda existirão vários desenhos, mas nós vamos fazer um encarte menor, que será colocado dentro da caixa do CD. Aliás, nós relançamos "The Mad God's Wage" de um modo mais convencional, e, apesar do que havíamos pensado antes, nós conseguimos colocar todo o texto e todos os desenhos num encarte de 16 páginas!

Whiplash! / Por favor, comente sobre a história no "The Mad God's Wage".

Martin / Bom, como escrito na maioria dos reviews, a história é um pouco clichê. Entretanto, eu gosto de pensar que é mais interessante ler uma história como essa que ler letras não inspiradas. Você sabe, quase tudo já foi dito no Metal, e as mais criativas bandas atualmente estão optando por histórias conceituais. O conceito presente no "The Mad God's Wage" é a básica idéia de "O cara mau não é sempre aquele que as aparências condenam". O Mal, que é referido como "The Lord Of The Dark" [O Senhor da Escuridão] não é o "Mad God" [Deus Louco], que a maioria das pessoas tende a pensar. Depois de ter pêgo um avatar, no corpo de Tarij Vargath, o Mad God tem o Lord Of The Dark assumindo o cristal sagrado, que protege o reino do Mal. Um jovem herói então embarca numa perigosa e difícil jornada para recuperar um antigo artefato, "The Sword Of Truth" [A Espada da Verdade], que tem o poder para extirpar o Mal... Nossa, esse é um verdadeiro clichê! Por último, o herói recebe a arma sagrada. Mas, espere! Essa não é uma arma de qualquer modo, mas sim um insgnificante pendante. Entretanto, enquanto acontece a batalha final, o herói, que tem suas emoções levadas a um clímax, vê o galho que ele segura se transformar na "Sword Of Truth", mistificando todo os Maus. O "Lord Of The Dark" morre, o "Mad God" falha na sua tentativa de roubar a "Sword Of Truth" e depois se suicida, resumindo o seu tormentado sono e deixando a porta totalmente aberta para outro capítulo!

Whiplash! / Depois do "The Mad God's Wage" vocês colocaram baixista e baterista reais na banda, e mudaram o vocalista. Por que Jerome Parent saiu da banda? Eu sei que em alguns reviews disseram que a banda era muito boa, mas o vocal não era muito apropriado, mas eu, pelo menos, acho que ele tinha uma voz e um jeito de cantar bastante originais. Qual a sua opinião sobre isso?

Martin / Eu realmente gostei do jeito que Parent cantou no "The Mad God's Wage", e realmente acredito que ele podia ter se tornado um grande vocalista. O problema é que ele não é uma pessoa que nasceu cantor. Como meu irmão e eu, ele é um guitarrista antes. A razão pela qual ele entrou na banda como cantor é que nós não podíamos cantar, isso seria terrível! A única coisa que Parent buscava era ser mais e mais estranho. Não estava interessado em trabalhar sua voz ou qualquer coisa. Só tentava cantar mais alto e mais alto. Foi um pesadelo no estúdio. Meu irmão e eu tivemos que levá-lo para a linha de vocal correta numerosas vezes pois as que ele fazia estavam muito extremas. Você pode imaginar os vocais mais agressivos do que foram gravados? Bom, isso é parte do caráter e nós ainda somos amigos. Nós apenas não podemos negar que 90% das pessoas, inclusive aquelas que compraram o álbum, odiaram o seu modo de cantar. Isso nos machuca, pois eu e meu irmão somos totalmente devotados à banda. Todo nosso dinheiro e tempo são dedicados a esse projeto. Nós não podíamos aguentar pessoas desprezando nossa banda, apesar de poder entendê-las, porque não gostavam do vocal.

Whiplash! / Depois de Jerome Parent ter saído da banda, vocês gravaram a demo "They All Looked So Kind", com Daniel Savoie como vocalista. A música nessa fita é mais fácil para se cantar junto e tem refrões fáceis, então é talvez um pouco mais comercial, você concorda?

Martin / Essa fita tem nossas 4 músicas mais comerciais. Entretanto, você não escutou as outras! Ainda há músicas como "Gathering Clouds" e "Clash At Dawn" [N. do E.: duas músicas rapidíssimas e bastante pesadas e agressivas]. Nós apenas expandimos nosso estilo um pouco, pois a maioria dos fãs sentia falta de refrões em nossas velhas músicas.

Whiplash! / As letras em "They All Looked So Kind" eu acho um pouco mais simples também, e não são tão baseadas em fantasia como as músicas no "The Mad God's Wage". Você pode comentar sobre as letras da nova demo?

Martin / Elas são baseadas em fantasia! O fato é que elas não fazem sentido sem o "background" conceitual, como as notas fora das letras, os desenhos, etc. Entretanto, concordo com você que elas são um pouco mais simples. Havia muita letra no "The Mad God's Wage", e isso causou sérias desvantagens no vocal. Então, decidi reduzir o número de palavras nas letras, mas aumentar as notas extra-líricas.

Whiplash! / Com essa fita, vocês conseguiram um contrato com a Metal Blade, certo? Mas quando iam gravar o álbum tiveram problemas com Daniel Savoie [o novo vocalista da banda] e ele deixou a banda. O que aconteceu?

Martin / Savoie estava mais acostumado com metal progressivo e não gostava de nossas músicas mais pesadas muito. Nós tivemos diferenças quando íamos assinar o contrato e ele preferiu deixar a banda que se adaptar. Nós ainda não assinamos com a Metal Blade, na verdade. O contrato ainda está na mesa da sala de estar, e só falta uma assinatura! Eles estão apenas esperando para ouvir nosso novo vocalista para fazer outro.

Whiplash! / Vocês já têm um novo vocalista? Qual o seu nome e como é sua voz?

Martin / Levou cerca de 6 meses para achar um equivalente de Savoie. Nós estávamos até pensando em acabar com a banda e começar outra num estilo mais suave. Todos os vocalistas aqui mal conseguiam alcançar a nota F na oitava média enquanto uma banda como a nossa requer alguém que facilmente atinja a nota C na oitava alta. Para sua ifnormação, nosso primeiro vocalista alcançava B na oitava alta! O nome de nosso novo vocalista é Rock Potvin e sua voz se parece um pouco com a de Bruce Dickinson.

Whiplash! / Como você descreveria a música do Days Of Yore para alguém que nunca escutou?

Martin / Para mim, Days Of Yore é uma das bandas que tem o mais extenso estilo musical. Algumas de nossas músicas são baladas, outras são como músicas do Iron Maiden, com velocidade cadenciada, outras são como músicas rápidas do Helloween e até mesmo algumas como as extremas músicas do Kreator! Sempre há solos de guitarra/licks, teclados de fundo, uma complexa linha de baixo e bateria quase death metal.

Whiplash! / Quais são as suas principais influências, compondo e tocando? E o que você tem escutado ultimamente?

Martin / Nossas principais influências são Helloween e Iron Maiden. Entretanto, nós tocamos em bandas de Death Metal antes, então a bateria é mais extrema que na maioria das bandas de Power Metal. Minhas bandas favoritas atualmente são Stratovarius, Blind Guardian, Rhapsody e Rush.

Whiplash! / Como o nome Days Of Yore foi escolhido? Ele tem algum significado especial para alguém na banda?

Martin / Sylvain veio com a idéia do nome e nós achamos que ele sumariza tanto os nossos conceitos líricos medievais e nossas influências musicais como nossas bandas favoritas nos gloriosos anos no meio da década de 80. Days Of Yore é uma frase inglesa obsoleta que significa "Em dias passados", ou, se você preferir, "Num passado distante e esquecido".

Whiplash! / O que o Days Of Yore tem feito recentemente? E quais são os planos para o futuro? Quando vocês pretendem gravar um novo álbum?

Martin / Nós não temos feito outra coisa nos últimos seis meses a não ser procurar um cantor. Rock Potvin entrou na banda algumas semanas atrás e agora estamos tentando encaixar os seus vocais nas nossas músicas. Há chances de gravarmos nosso disco no próximo outono.

Whiplash! / Falando com um fã de Heavy Metal, o que você acha da recente "moda" de velhas bandas fazendo reuniões, como Metal Church, Armored Saint, Iron Maiden com Bruce Dickinson e Adrian Smith, Black Sabbath, etc?

Martin / Apesar de estar bastante feliz com o Iron Maiden de novo junto, não posso entender como alguns acham que o heavy metal possa reviver dessa maneira. Eu acho que a maioria dos fãs das bandas que você mencionou estão com alguma idade atualmente e pararam de escutar Heavy Metal. Para mim, o único jeito de reviver Heavy Metal é captar a atenção dos jovens. Lembre-se que Heavy Metal é principalmente uma música para adolescentes, e adolescentes estão atrás do que é novo. Eu acho que bandas como Rhapsody e Stratovarius têm chances muito melhores de conseguir algo assim.

Whiplash! / Por favor, comente sobre esses guitarrista:

Whiplash! / Yngwie Malmsteen.

Martin / Um mestre! Entretanto, um pouco redundante nos seus solos.

Whiplash! / Steve Vai.

Martin / Ótimo, mas para o meu gosto muito ligado em efeitos sonoros.

Whiplash! / Jason Becker.

Martin / Não conheço seu trabalho muito. Entretanto, sou fã de seu antigo companheiro, Marty Friedman.

Whiplash! / Kai Hansen.

Martin / Um pioneiro. Muita originalidade e técnica acima da média. Tem toda minha admiração por nunca ter ficado restrito nos pequenos limites de "como Heavy Metal deve soar".

Whiplash! / Roland Grapow.

Martin / Bem mais técnico que Hansen, mas definitivamente não se equipara a este na hora de escrever músicas.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Todas as matérias da seção EntrevistasTodas as matérias sobre "Days Of Yore"


Metallica: a habilidade com as baquetas de James HetfieldMetallica
A habilidade com as baquetas de James Hetfield

Nightwish: Participação de Dawkins em álbum irritou alguns fãsNightwish
Participação de Dawkins em álbum irritou alguns fãs


adClio336|adClio336