Elric de Melniboné: o albino que influenciou muitas bandas de rock/metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Roberto Rillo Bíscaro
Enviar correções  |  Ver Acessos

Michael Moorcock é escritor de ficção-científica e literatura fantástica. Autor de muitos contos, novelas e romances, o inglês talvez seja melhor conhecido pela personagem Elric, príncipe albino feiticeiro, que possui uma espada mágica, Stormbringer.

Galeria: Musas do Rock e Heavy MetalSteve Vai: as 10 melhores faixas de guitarra na opinião dele

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O primeiro livro da saga, Elric of Melniboné (1972), foi lançado no Brasil em 2015, pela editora Generale, sob o título Elric de Melniboné - A Traição ao Imperador, V.1. De se ler em uma sentada praticamente, a novela apresenta um mundo onde reinos fantásticos começam a entrar em decadência devido à ascensão dos Reinos Jovens, a saber, os humanos. Tendo como inspiração uma Idade Média fantasiada, Elric of Melniboné tem realmente jeitão de livro e não de roteiro, como Game of Thrones, que certamente se inspirou em Moorcock.

Elric é o imperador que vive filosofando e por ter lido demais não se encaixa nos costumes da decadente, mas ainda respeitável Melniboné. Orgulhosos e cruéis, os melnibonenses não se intimidam em satisfazer seus desejos, especialmente os mais violentos. Se a narrativa assegura que se vive a ascensão dos humanos e Freud diz que a civilização foi construída sobre a repressão dos desejos, leitura psicanalítica assegurada.

A indecisão e "bondade" do imperador Elric acarretam-lhe problemas, porque seu primo cobiça o trono e arma um golpe, que além de tudo almeja terminar na cama da própria irmã. Elric parte pra aventura em terras misteriosas na tentativa de virar o jogo a seu favor. Com alguma filosofice, a narrativa nunca se torna chata, porque Moorcock tem algumas ideias brilhantes, como o espelho aprisionador de milhares de memórias que, quando partido, causa um tsunami delas, que terá consequências avassaladoras. Grande cena. Não que não haja mal feitos: de onde, como e porque a Princesa Cymoril reaparece do nada, após meses raptada? Sem contar que se seu sequestrador queria comê-la, por que não o fez com tão farta oportunidade que teve?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O albinismo do imperador Elric é usado como mais um elemento pra marcar sua fraqueza e alheamento em relação aos demais. Sua brancura e olhos vermelhos - que em nada afetam seu desempenho lutando ou caminhando por terras distantes, cadê o protetor solar, meu filho? - fazem-no ser confundido com demônios. Mas, no atacado é bom ter uma personagem tão famosa descrita como albina.

Cheio de escaramuças e feitiços e com um forte sentido de luta entre o Caos e a Ordem, Destino e Vontade, Elric of Melniboné é prazerosa leitura sobre um herói nada apolíneo e que, pertencente a uma raça decadente, está fadado à destruição.

E como a literatura sempre influenciou o mundo do rock, as tramas e heróis de Moorcock inspiraram mais de um roqueiro; alguns até trabalhando com o próprio escritor como letrista.

Vejamos alguns exemplos:

Em 1985, o Hawkwind lançou The Chronicles of the Black Sword, baseado na personagem e com letras do próprio Moorcock, que já colaborara com os space rockers anteriormente.

Em 1980, o Blue Oyster Cult, lançou Black Blade, presente no álbum Cultösaurus Erectus. A espada negra, claro, é Sotrmbringer e a letra é de Moorcock, que também colaborara com a banda antes.

Em 1982, os metallers britânicos do Diamond Head lançaram o álbum Borrowed Time, onde muitas letras e arte da capa são inspiradas em Elric.

Em 1985, os thrashers/black metallers norte-americanos do NME lançaram canção intitulada Stormbringer.

Os alemães do Blind Guardian escreveram diversas canções baseadas em Elric, como esta, por exemplo:

Os italianos do Domine escreveram mais de um álbum baseado na obre de Moorcock. Este de 97, por exemplo, usa o conceito de Campeão Eterno do escritor, no título do LP:

O terceiro lançamento dos speed metallers do Skelaton, Agents of Power (2012), contém longa suíte com a saga de Elric.

Os sérvios do Numenor inspiraram seu black metal épico mais de uma vez na obra de Moorcock, inclusive o álbum do ano passado chama-se Sword and Sorcery (Espada e Feitiçaria), elementos citados o tempo todo nos livros do inglês:

Ativos na segunda metade dos 90's, os death/black metallers suecos do Sacramentum basearam algumas das canções de seu derradeiro álbum, The Black Destiny (1999), na obra de Moorcock.

Quando a banda de power metal grega Battleroar estreou no mundo do LP com o álbum homônimo de 2003, inseriram a canção Mourning Sword, sobre Stormbringer:

Os britânicos do Magnum homenagearam a espada Stormbringer nessa canção funekada:

O álbum Stormbringer (1974), do Deep Purple nada tem a ver com a espada homônima dos livros de Elric. Na época, David Coverdale afirmou que soube da existência do livro Elric of Melniboné após o lançamento do álbum.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção CuriosidadesTodas as matérias sobre "Hawkwind"Todas as matérias sobre "Blue Oyster Cult"Todas as matérias sobre "Diamond Head"Todas as matérias sobre "Blind Guardian"


Heavy Metal: dez grandes canções acústicas feitas por bandas do gêneroHeavy Metal
Dez grandes canções acústicas feitas por bandas do gênero

Musos do Heavy Metal: Agora é a vez das garotas!Musos do Heavy Metal
Agora é a vez das garotas!


Galeria: Musas do Rock e Heavy MetalGaleria
Musas do Rock e Heavy Metal

Steve Vai: as 10 melhores faixas de guitarra na opinião deleSteve Vai
As 10 melhores faixas de guitarra na opinião dele


Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário e edita o Blog do Albino Incoerente desde 2009.

Mais matérias de Roberto Rillo Bíscaro no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280