Heavy Metal, O Filme: A revista que foi levada às telinhas

Resenha - Heavy Metal - O Filme

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Mário Orestes Silva
Enviar correções  |  Ver Acessos

No final da década de 70 surgiu nos Estados Unidos, uma revista em quadrinhos que é, até hoje considerada por muitos, como a melhor do mundo já publicada. Heavy Metal era uma revista em edição cara, com formato grande, boa impressão e páginas coloridas. Eclética em seu conteúdo, visava a ficção científica, mas abordava temas medievais, humor negro, fábulas de terror e aventuras fantásticas diversas.

Loudwire: as 10 melhores músicas do Slipknot segundo o siteHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1991

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Dentre os autores, nomes como Moebius, Simon Bisley, Paolo Eleuteri Serpieri e outros. Por incrível que pareça, a revista teve edição brasileira numa editora homônima à revista, exclusiva para esse lançamento e outros álbuns esporádicos com o mesmo padrão.

No ano de 1981 é produzido pela Columbia Pictures um desenho animado longa metragem (produção americana e canadense de 95 minutos) baseado na revista. A direção do filme Heavy Metal, ficou na responsabilidade de Gerald Potterton que contou com uma ótima trilha sonora de gigantes como Black Sabbath, Devo, Grand Funk Railroad, Blue Oyster Cult, Cheap Trick, Nazareth e muitos outros. O resultado gerou três prêmios Genie Awards: Best Sound, Best Sound Edition e Golden Reel Award.

O roteiro foi uma produção coletiva de 9 profissionais da área. E com tanta gente assim não poderia sair coisa ruim. Num planeta Terra futurista, mais precisamente o ano de 2023, uma esfera com a característica divina de onipotência, narra para uma criança a sua trajetória pelo universo e como a sua presença acarretava na violência e na destruição, em qualquer lugar que estivesse. Batalhas, nudez, violência, sexo, high technology, drogas e outras coisas mais, estão explícitas ou implícitas na aventura que tem uma boa narrativa e final surpreendente. Nos extras há várias imagens dos bonitos desenhos iniciais e de cenas que não foram utilizadas no produto final. No ano de 2000, foi produzido um segundo filme desenho animado chamado Heavy Metal 2000, mas com animação, roteiro e produção muito inferior ao primeiro.

Disponível a venda pela Internet com legendas em português.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção CuriosidadesTodas as matérias sobre "Black Sabbath"Todas as matérias sobre "Devo"Todas as matérias sobre "Cheap Trick"Todas as matérias sobre "Nazareth"Todas as matérias sobre "Grand Funk Railroad"


Hard Rock: de Vanilla Fudge a Led, dez álbuns seminais do gêneroHard Rock
De Vanilla Fudge a Led, dez álbuns seminais do gênero

Ozzy: não existem grandes rockstars nos dias de hojeOzzy
Não existem grandes rockstars nos dias de hoje


Loudwire: as 10 melhores músicas do Slipknot segundo o siteLoudwire
As 10 melhores músicas do Slipknot segundo o site

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1991Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1991


Sobre Mário Orestes Silva

Deuses voavam pela Terra numa nave. Tiveram a idéia de aproveitar um coito humano e gerar uma vida experimental. Enquanto olhavam, invisíveis ao coito, divagavam: - Vamos dar-lhe senso crítico apurado pra detratar toda sua espécie. Também daremos dons artísticos. Terá sex appeal e humor sarcástico. Ficará interessante. Não pode ser perfeito. O último assim, tivemos de levar à inquisição. Será maníaco depressivo e solitário. Daremos alguns vícios que perderá com a idade pra não ter de morrer por eles. Perderá seu tempo com trabalho voluntário e consumindo arte. Voltaremos numas décadas pra ver como estará. Assim foi gerado Mário Orestes. Décadas depois, olharam como estava aquela espécie experimental: - O que há de errado? Porque ele ficou assim? Criamos um monstro! É anti social. Acumula material obsoleto que chamam de música analógica. Renega o título de artista pelo egocentrismo em seus semelhantes. Matamos? - Não. Ele já tentou isso sem sucesso. O Deixaremos assim mesmo. Na loucura que criamos pra vermos no que dará, se não matarem ele. Já tentaram isso, também sem sucesso. Então ficará nesse carma mesmo. Em algumas décadas, voltaremos a olhar o resultado. Que se dane.

Mais matérias de Mário Orestes Silva no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor