Matérias Mais Lidas


Stamp

Metallica: um grupo com 40 anos trabalhando duro para mostrar que ainda está em ótima forma

Resenha - 72 Seasons - Metallica

Por Henrique Caveira
Postado em 24 de abril de 2023

Me tornei fã do Metallica no já longínquo ano de 1996, rendido de imediato ao poder mesmerizante do clássico "Black Album" lançado em 1991. Como alguém que viveu aqueles dias, posso atestar que os anos 1990 foram uma época maravilhosa para ser fã da banda. Como todo mundo sabe, os trabalhos lançados pelo grupo no período estão longe da aclamação universal tão característica dos álbuns lançados na primeira década da banda. Desde os 90s até os dias atuais, muita gente torce o nariz para álbuns como "Load" (1996), "Reload" (1997), "Garage Inc" (1998) ou o ao vivo com orquestra "S&M" (1999). Mas, independentemente da sua opinião pessoal sobre estes álbuns, é inegável o fato de que foi uma década extremamente produtiva para a criatividade da banda. Foram nada menos do que três álbuns de estúdio lançados em seis anos, entre 1991 e 1997.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - GOO
Anunciar no Whiplash.Net Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

A partir dos anos 2000, ser fã de Metallica passou a demandar maior dose de paciência. Esperar meia década (ou mais!) por um novo disco de estúdio da banda passou a ser algo natural. Foram seis anos entre "Reload" e "St. Anger" (2003), cinco anos entre "St. Anger" e "Death Magnetic" (2008), oito (!) anos entre "Death Magnetic" e "Hardwired ... to Self Destruct" (2016) e agora mais sete anos entre o disco anterior e o novo "72 Seasons". Definitivamente, em termos de produtividade criativa, não estamos mais diante da mesma banda que, no espaço de apenas oito anos (1983-1991), lançou cinco dos álbuns mais aclamados e cultuados da história do rock em geral e, sobretudo, do heavy metal.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - CLI
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas, se álbum novo de estúdio do Metallica passou a ser um fenômeno raro pelo qual aguardamos como se fosse o retorno do Cometa Halley à Terra, por outro lado não faltam elementos para deixar os fãs da banda com um sorriso no rosto. Primeiro, porque a banda está envelhecendo maravilhosamente bem em termos de perfomance ao vivo - como pode ser atestado pela recente passagem dos caras pelo nosso país em 2022. Segundo, porque não faltaram ótimos lançamentos ao vivo do grupo nas últimas duas décadas, entre os quais vale destacar "Orgullo, Pasión, y Gloria" (2009), a mistura de show com filme de horror "Through the Never" (2013) e o audacioso "S&M2" (2019).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - DEN
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas há um terceiro ponto, tão ou mais importante. Embora cada vez menos frequentes, os álbuns de estúdio do Metallica posteriores ao "St. Anger" têm se mostrado uma brilhante sequência de acertos. Quando "Death Magnetic" pegou todo mundo de surpresa em 2008 e apresentou a banda com uma forma e fúria criativa que pareciam perdidas no passado, ninguém poderia imaginar que, oito anos depois, o Metallica lançaria um álbum ainda melhor. E foi o que aconteceu, quando em 2016 "Hardwired ... to Self Destruct" deixou todo mundo de queixo no chão e foi celebrado como o melhor álbum da banda desde os velhos tempos do mítico "Black Album".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - GOO
Anunciar no Whiplash.Net Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tendo esta retrospectiva dos fatos em mente, fica fácil entender que a expectativa dos fãs em relação ao novo "72 Seasons" estava num patamar muito mais alto do que em 2008 ou 2016. Verdade seja dita: conceber um trabalho à altura de "Hardwired ... to Self Destruct" não era tarefa fácil. Mas o Metallica surpreende novamente. Embora com uma proposta e sonoridade bastante próximas do disco de 2016, "72 Seasons" parece fadado a ser considerado por muitos como um álbum superior a "Hardwired ... to Self Destruct" ou, no mínimo, um trabalho no mesmo nível do anterior.

Aos fãs caberá decidir qual dos dois discos é o melhor, e obviamente bater o martelo em relação a esta questão invariavelmente irá envolver uma dose muito grande de gosto pessoal e subjetividade individual. O que pode ser apontado com mais tranquilidade é que "72 Seasons" se mostra um álbum muito mais regular e homogêneo do que "Hardwired...".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - CLI
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O disco de 2016 é ótimo, ninguém discute, mas o saldo geral do álbum era bastante irregular. Depois de seis faixas iniciais muito boas, o ouvinte passava por uma sequência de cinco músicas fraquíssimas ("Confusion", "ManUNkind", "Here Comes Revenge", "Am I Savage?" e "Murder One") até ser finalmente recompensado com a maravilhosa "Spit Out the Bone", que fecha o disco. Em contraste, "72 Seasons" apresenta 12 faixas com altos e baixos, mas que em nenhum momento deixam a peteca cair. Em seus melhores momentos, "72 Seasons" é no mínimo tão bom quanto "Hardwired...". Em seus momentos menos interessantes, ele ainda assim fica muito acima dos momentos mais fracos de "Hardwired...".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - DEN
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em termos de sonoridade, por sua vez, "72 Seasons" mostra-se muito próximo do álbum anterior. A decisão não poderia ser mais acertada, já que "Hardwired..." soa definitivamente melhor do que tudo o que a banda lançou neste século antes de 2016. Neste novo álbum, é como se banda apostasse novamente na ótima sonoridade estabelecida em "Hardwired...", mas com o claro objetivo de superar o trabalho anterior em termos de composição. Pelo menos no que diz respeito ao todo, ao conjunto da obra, parece razoável apontar que a banda foi bem sucedida em sua proposta.

Assim como em "Hardwired...", o modelo que o Metallica busca emular em "72 Seasons" é bastante óbvio: o icônico "Black Album", supremo sucesso comercial da banda. Em outros tempos pós-1991, a banda mirou em objetivos criativos distintos. Na era "Load"/"Reload", buscou se afastar do ostracismo que ameaçava o heavy metal na época e tentou conceber uma fórmula de heavy rock mais comercial, mas ao mesmo tempo se afastando de qualquer tentação de ficar prisioneira da fórmula do "Black Album". Em "St.Anger", a banda tentou criar a sua própria versão do "new metal" que fazia sucesso na época (e, como todos sabemos, falhou miseravelmente em seu intento). No ótimo "Death Magnetic", a banda buscou inspiração no feeling e nas músicas longas, intrincadas e agressivas de "And Justice For All" (1988).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Em "Hardwired..." e no novo "72 Seasons", o objetivo é igualmente claro: revisitar a pegada do "Black Album" (com pitadas de referências a diversas outras fases da discografia da banda). Falta de criatividade? Esgotamento criativo? Autoplágio? Nada disso! Se um pouco de autorreferencialidade fosse pecado no rock, teríamos que condenar grande parte das discografias de monstros sagrados como Iron Maiden, AC/DC, Ramones, Judas Priest, Saxon, Megadeth e tantas outras lendas do hard e do heavy. Ao buscar inspiração na pegada do "Black Album", o Metallica não se perde no passado, mas sim presenteia seus fãs com um sólido conjunto de novas músicas que mostram a banda com uma vitalidade invejável.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - GOO
Anunciar no Whiplash.Net Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O que temos em "72 Seasons" não é uma banda buscando revolucionar o estilo ou reinventar a roda (até porque o Metallica já fez isso várias vezes ao longo de sua carreira), mas sim um grupo com 40 anos de estrada trabalhando duro para mostrar que ainda está em ótima forma e que consegue entrar em campo e jogar em um nível semelhante ao seu poder criativo de outros tempos. Como estamos falando da maior banda de heavy metal de todos os tempos, isso não é pouca coisa. "72 Seasons" dá aos fãs do Metallica doze novos motivos para o coração headbanger seguir amando esta verdadeira instituição do rock.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - CLI
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

E vamos à análise do novo disco, faixa por faixa!

1) 72 SEASONS: alternando diferentes velocidades ao longo da faixa, o Metallica abre o disco com a segunda música mais longa do play (perdendo apenas para "Inamorata", que fecha o álbum). A música que dá nome ao disco é uma mistura de heavy com levada thrash no refrão. Lembrando em alguns momentos a agressividade de músicas dos dois álbuns imediatamente anteriores a este novo, como "My Apocalypse" e "Spit out the Bone", a faixa mostra já de cara que a banda está em ótima forma e que não veio para brincar em serviço. Uma ótima abertura dos trabalhos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - DEN
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

2) SHADOWS FOLLOW: a abertura de "72 Seasons", com uma faixa de mais de sete minutos, não poderia ser mais diferente da faixa de abertura ("Hardwired") do álbum anterior ("Hardwired ... to Self Destruct"). A segunda faixa do novo disco, por sua vez, lembra bastante "Atlas, Rise", segunda música daquele trabalho de 2016. Com uma levada e energia semelhantes, "Shadows Follow" também lembra em certos momentos a levada e o feeling de "Holier Than Thou" do "Black Album".

3) SCREAMING SUICIDE: a terceira música eleva o nível do álbum e apresenta uma das melhores faixas do novo trabalho. O mix de hard com heavy metal tradicional chega no seu melhor momento até aqui, e de brinde Kirk entrega o seu segundo melhor solo do disco (perdendo apenas para "Chasing Light").

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |

4) SLEEPWALK MY LIFE AGAIN: abrindo com um baixão nervoso, o riff das estrofes, a progressão e o ritmo da música evocam a clássica "Enter Sandman", embora o resultado final naturalmente não seja tão favorável. Com sua mistura de peso, batidas fortes e um andamento mais arrastado, bastaria uma mixagem que replicasse a sonoridade do "Black Album" para que a faixa ficasse inteiramente à vontade naquele álbum.

5) YOU MUST BURN: falando no "Black Album", aqui a banda vai ainda mais fundo neste sentido e apresenta um instrumental que remete diretamente à clássica "Sad but True" daquele álbum. Alguns poderão achar que a música exagera no aspecto autorreferencial, mas a faixa é uma composição sólida e interessante o suficiente para escapar do rótulo de mero remake estilizado de "Sad but True". Os efeitos na voz de Hetfield durante o interlúdio fazem lembrar imediatamente de "Carpe Diem Baby" do álbum "Reload", de 1997.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - GOO
Anunciar no Whiplash.Net Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

6) LUX ÆTERNA: é basicamente o "cartão de visitas" do novo álbum, tendo sido a primeira música de "72 Seasons" a ser liberada para o público. A faixa também tem a distinção de ser a música mais curta do novo disco (3:21 minutos) e a faixa com a levada mais rápida e thrash (junto com "Room of Mirrors"). Assim como "Too Far Goone", a composição tem uma sonoridade que remete ao heavy metal tradicional dos covers feitos pelo Metallica no "Garage Inc" de 1988. Sem dúvida, foi uma aposta segura da banda e tem potencial para agradar todos os tipos de fãs do Metallica.

7) CROWN OF BARBED WIRE: uma mistura de heavy com hard rock, com uma pegada blues que remete aos riffs da fase "Load" e "Reload" - mas com sonoridade mais próxima do álbum anterior da banda ("Hardwired..."), de 2016. Marca um intervalo mais cadenciado no álbum, no meio de duas das faixas mais aceleradas e agressivas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - CLI
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

8) CHASING LIGHT: uma das minhas faixas favoritas de "72 Seasons". Não é tão rápida quanto "Lux Æterna", mas mesmo assim é uma das músicas mais aceleradas do disco. O solo que Kirk apresenta aqui é simplesmente o melhor de todo o álbum.

9) IF DARKNESS HAD A SON: a cadência da música remete à "Shortest Straw" do álbum "And Justice for All", com algumas levadas que também fazem lembrar de "Broken, Beat & Scared" do disco "Death Magnetic".

10) TOO FAR GOONE: assim como "Lux Æterna", a música tem uma vibe que remete ao álbum de covers "Garage Inc". A faixa vai de um riff que lembra o cover do Metallica de "Blitzkrieg" (da banda de mesmo nome) até um refrão que quase parece saído de um punk rock. Com uma pegada de metal tradicional e riffs com dueto de guitarra, é a segunda faixa mais curta do álbum (perdendo apenas para "Lux Aeterna"). A música voa ao longo de seus 4:33 minutos e se destaca como uma das mais legais do novo disco.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - DEN
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

11) ROOM OF MIRRORS: junto com "Lux Æterna", é a música com a levada mais thrash metal do álbum. É uma boa faixa, mas não está à altura de composições em estilo semelhante da banda nos últimos álbuns de estúdio, como a maravilhosa "Spit Out the Bone" (do "Hardwired...") ou de "My Apocalypse" (do "Death Magnetic").

12) INAMORATA: a música que fecha o novo álbum do Metallica é algo fora da curva e simplesmente especial. Com a distinção de ser a composição mais longa de toda a história da banda, com 11:10 minutos, a proposta da faixa lembra um pouco aquelas longas músicas experimentais do Metallica na fase "Load" e "Reload" (como "Bleeding Me", "The Outlaw Torn" e "Fixxer") ao mesmo tempo em que dialoga diretamente (tanto liricamente quanto instrumentalmente) com a memorável "My Friend of Misery" do "Black Album". O resultado é maravilhosamente atmosférico e sintetiza perfeitamente o DNA da sonoridade do Metallica do "Black Album" até os dias atuais. O interlúdio no meio da faixa faz lembrar do feeling do cover "Loverman" (composição original de Nick Cave) no "Garage Inc". Tem tudo para ser uma futura "cult classic" entre os fãs da banda. É séria candidata à melhor música do álbum? Certamente (e a própria banda deixou gravada uma brincadeira neste sentido, após o término da música, antes do fim da faixa). É séria candidata à melhor música do Metallica do século XXI até agora? O tempo dirá.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Por fim, as minhas faixas favoritas (e ótimas sugestões para iniciar a degustação deste ótimo álbum): "Screaming Suicide", "You Must Burn", "Lux Æterna", "Chasing Light", "Too Far Gone" e "Inamorata".


Outras resenhas de 72 Seasons - Metallica

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Summer Breeze 2024

Perc3ption: a arte levada ao extremo

Resenha do Álbum do Insânia ao vivo no Underground Nativa III

Sentença de Morte: Death Metal para quem curte Death Metal bem executado

Triumph Of Death, projeto de Tom Warrior, resgata ao vivo parte do passado do Hellhammer

Spiritual Cramp acerta a fórmula, mas álbum satura em 26 minutos

Estreia do Superbloom traz de volta o grunge protagonista dos anos 1990

Stratosphere Project: O eco estrondoso da Via-Láctea fundindo-se nas dimensões ocultas

Osbourne: pesado, mas antes de tudo moderno

Resenha - Dark Side of The Moon - Pink Floyd

Resenha - Vovin - Therion

Resenha - P.U.L.S.E. - Pink Floyd


publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS