[an error occurred while processing this directive]

Matérias Mais Lidas


Summer Breeze 2024

Leprous: disco intuitivo desnuda a banda como nunca

Resenha - Aphelion - Leprous

Por Victor de Andrade Lopes
Postado em 05 de setembro de 2021

Nota: 7

Em menos de dois anos, o Leprous já colocou nas plataformas um novo disco, sendo que muitos ainda nem tinham acabado de digerir Pitfalls, de 2019. Eu mesmo devo ser um deles, e olha que tive de mastigá-lo e engoli-lo várias vezes para poder fazer minha resenha, disponível aqui no Whiplash.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 1

Com Aphelion, o quinteto norueguês de gênero que não mais me atrevo a definir emerge da melancolia da pandemia fazendo o que faz melhor: música incômoda para processar pensamentos negativos - aqueles que não nos faltaram no último 1,5 ano.

Mas o próprio título já dá a letra, se me permitem o trocadilho, de que há uma luz no fim do túnel. Ou talvez bem distante no céu. Traduzido para o português, ele fica como "afélio", o ponto no qual um determinado objeto está mais distante do Sol. A ideia era mostrar que mesmo neste ponto, em que a luz está mais longínqua, ainda é possível encontrar algo de positivo. Profundo, não?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 2

E, bem, o grupo com certeza tirou algo de positivo. O sétimo lançamento de estúdio deles pode ser até mais difícil de digerir que o seu antecessor, mas não merece menos que elogios.

Abrindo com "Running Low", ele já mostra desde o início que a banda não abandonou sua "fórmula", que prevê atmosferas densas e dinâmicas sofisticadas. É curioso notar que quanto mais os rapazes noruegueses se afastam do progressivo, menos óbvia, palatável e rasa sua música fica.

Tanto aqui quanto em outros momentos, o lado melancólico do grupo é realçado pelas cirúrgicas participações de Raphael Weinroth-Browne e Chris Baum no violoncelo e no violino, respectivamente. A presença deles soa tão natural que eu não me surpreenderia se fossem promovidos a integrantes oficiais um dia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 3

No decorrer da obra, a maior parte das faixas parecem replicar a mesma fórmula: começa-se com serenidade e melancolia, cresce-se com densidade e energia e atinge-se um refrão explosivo e gritado. E é aí que reside o único problema do álbum: pela primeira vez com o Leprous, tenho a impressão de ouvir várias versões de uma mesma música, algo que só começa a ser dissipado após várias audições, que nos permitem conhecer melhor as especificidades de cada canção.

São essas várias audições que me permitiram ver que "Silhouette", "Have You Ever?" e "The Shadow Side" formam um subgrupo no qual uma roupagem eletrônica se mistura às cordas como condimentos essenciais para torná-las tudo, menos ordinárias.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 4

A que mais surpreende provavelmente é a dinâmica "All the Moments", que abre com guitarras que parecem vindas dos crus sons desérticos estadunidenses e evolui para mais exercícios com a fórmula leprousiana, evocando melodias de Coldplay e U2.

Outra que destoa, e não por acaso, é "Castaway Angels", bastante orgânica e com mais ênfase em violões. Criada numa época em que a banda ainda nem sabia que acabaria preparando um disco cheio, teria ficado bem como uma faixa bônus.

"Nighttime Desguise" é outro ponto alto. Foi concebida com a ajuda dos fãs, que escolheram por meio de enquetes coisas como o andamento, o compasso, o tom, a instrumentação e outros elementos. O quinteto, então, compôs e arranjou a peça ao longo de uma semana em um processo transmitido ao vivo para um público pagante. O resultado, de forma até um tanto irônica, é a música mais progressiva e crua das dez apresentadas. Recado dos fãs?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 5

Além de Einar Solberg, que vem conquistando mais espaço como compositor e letrista e cuja voz é indispensável para dar o tom dos versos deles, o outro destaque continua sendo o baterista Baard Kolstad, que sempre detona seu instrumento sem dó nem piedade mesmo que o arranjo seja francamente pop.

Descrito como um álbum mais "livre", em que as músicas foram criadas de forma mais instintiva e menos planejada, Aphelion desnuda o Leprous como nenhum outro trabalho deles, evidenciando o que eles têm de melhor, mas denunciando também que uma dosagem menor de espontaneidade pode fazer muito bem para um nome que sempre se beneficiou de sua capacidade invejável de criar boa música, mesmo que "prendendo-a" a ideias preconcebidas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 6

Abaixo, o clipe de "The Silent Revelation":

FONTE: Sinfonia de Ideias
https://sinfoniadeideias.wordpress.com/2021/08/30/resenha-aphelion-leprous/

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - WHIP
Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal
Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Perc3ption: a arte levada ao extremo

Resenha do Álbum do Insânia ao vivo no Underground Nativa III

Sentença de Morte: Death Metal para quem curte Death Metal bem executado

Triumph Of Death, projeto de Tom Warrior, resgata ao vivo parte do passado do Hellhammer

Spiritual Cramp acerta a fórmula, mas álbum satura em 26 minutos

Estreia do Superbloom traz de volta o grunge protagonista dos anos 1990

Stratosphere Project: O eco estrondoso da Via-Láctea fundindo-se nas dimensões ocultas

Osbourne: pesado, mas antes de tudo moderno

Resenha - Dark Side of The Moon - Pink Floyd

Resenha - Vovin - Therion

Resenha - P.U.L.S.E. - Pink Floyd


publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.
Mais matérias de Victor de Andrade Lopes.

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS