Resenha - Mystification - Manilla Road

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Diogo Muniz
Enviar Correções  

Os anos 80 foram recheados de grandes discos de heavy metal. Foi uma década em que várias bandas clássicas surgiram, estabeleceram seu nome no panteão do metal e lançaram trabalhos bastante influentes. Foi nesse cenário que em 1987 o Manilla Road lançou seu sexto álbum de estúdio, "Mystification". O trio formado por Mark Shelton (guitarra e voz), Scott Park (baixo) e Randy Foxe (bateria) passava por um período bastante produtivo, lançando discos marcantes para sua carreira, e com "Mystification" não foi diferente. O disco bateu na trave de ser um álbum conceitual, pois algumas de suas músicas abordam contos do escritor Edgar Allan Poe, de quem o líder Mark Shelton é fã confesso. Inclusive a capa, uma imagem tenebrosa de uma figura fantasmagórica sendo atacada por um punhal, é referencia a um conto do autor.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Haunted Palace" abre o disco já metendo o pé na porta. Uma música rápida e agressiva que já prende a atenção do ouvinte nos primeiros segundos. Sua letra é baseada no conto "A queda da casa de Usher", mostrando de cara que literatura e metal formam uma boa dupla.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Spirits of the Dead" começa um pouco mais lenta, criando todo um clima de suspense e mistério para então cair num heavy metal de peso, muito bem executado. As diferentes nuances da canção permitem que Mark Shelton explore diferentes estilos vocais.

"Valley of Unrest" volta a por o pé no acelerador com riffs pesados e precisos. Aqui vale destacar a performance de Randy Foxe que espanca a bateria, principalmente nas passagens instrumentais.

A faixa titulo, "Mystification", também leva o nome de outro conto de Poe. Novamente a banda tira o pé do acelerador, fazendo uma música em mid-tempo priorizando o peso e o clima que a canção pede. A performance da banda está impecável, e a interpretação de Mark Shelton é digna de aplausos. Simplesmente impossível não viajar ouvindo essa música.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Masque of the Red Death" é outra canção cujo titulo também é homônima a um conto de Poe. Foi esse conto inclusive que serviu de inspiração para a capa do disco. A música (assim como o conto) narra a historia de um nobre que se confinou em seu palácio para fugir de uma praga. Em um determinado momento ele decide dar uma festa, mas recebe uma visita inesperada e mortal. Se eu falar mais que isso darei spoiler, e não é essa a minha intenção. Por outro lado posso dar o spoiler de que a música é rápida e pesada, perfeita para bater cabeça.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Um som de uma cripta se abrindo serve de introdução para "Up From the Crypt", com uma letra pra lá de tenebrosa. Aqui temos um verdadeiro thrash metal que em alguns momentos chega até mesmo a lembrar o Slayer. Obrigatório ouvir batendo cabeça.

Em seguida temos "Children of the Night", que retoma a temática épica e mitológica que é característica do Manilla Road, ainda que com boas pitadas de literatura de terror. Aqui temos outra música muito bem trabalhada e com diferentes climatizações, mostrando o quanto a banda estava inspirada.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Dragon Star" é outra música em mid-tempo, um pouco mais introspectiva, para mais uma vez fazer o ouvinte viajar. A letra dela é muito interessante, pois de uma maneira alegórica o eu lírico da canção usa a estrela do dragão como uma metáfora para a força interior que todas as figuras, mitológicas ou não, tem dentro de si para realizar grandes feitos e provocar grandes mudanças, ainda que seja uma estrela de brilho efêmero. Uma música que com certeza merece ser ouvida com a devida atenção.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Após esse breve momento para respirar e pegar fôlego, é hora de encerrar o disco com outra pedrada. "Death by the Hammer" chega como um ataque viking tamanha a sua violência tanto sonora quanto lírica. Rápida e pesada, vale a pena destacar a performance de Rand Foxe, pois o cara simplesmente maltrata a bateria.

E assim se encerra mais um clássico da discografia dessa grande banda que foi o Manilla Road. "Mystification" é um álbum que tem uma produção impecável, onde mais uma vez temos tudo soando perfeitamente e de forma coesa. O grupo estava bastante inspirado, e todos os músicos se destacam tanto individualmente quanto em conjunto. Como você deve ter percebido, grande parte das músicas são rápidas e agressivas. Isso acontece pois o grupo resolveu apostar numa sonoridade mais próxima do thrash metal, que estava em grande destaque na época. Essa influência do thrash ficaria ainda mais evidente no próximo trabalho do grupo, mas isso é assunto para outra resenha. Se eu tivesse que resumir "Mystification" em apenas uma palavra: Fantástico!

Tracklist
Haunted Palace
Spirits of the Dead
Valley of Unrest
Mystification
Masque of the Red Death
Up From the Crypt
Children of the Night
Dragon Star
Death by the Hammer

FONTE: The Official Manilla Road Website
https://www.manillaroad.net/

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Resenha - Deluge - Manilla Road

Resenha - Open the Gates - Manilla Road

Resenha - Crystal Logic - Manilla Road

Resenha - Metal - Manilla Road

Resenha - Invasion - Manilla Road


Heavy Metal: Alguns discos que são obras-primas pouco lembradas - Parte 3Heavy Metal
Alguns discos que são obras-primas pouco lembradas - Parte 3


Humor: as 101 regras para ser um fã da NWOBHMHumor
As 101 regras para ser um fã da NWOBHM

Bon Jovi: as fotos do vocalista com mulheres nuas em 1985Bon Jovi
As fotos do vocalista com mulheres nuas em 1985


Sobre Diogo Muniz

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

Goo336 Cli336 Goo728 Goo336 Cli336 Goo336 Goo336 Cli336