Matérias Mais Lidas

imagemOzzy Osbourne é visto caminhando com dificuldade ao sair de estúdio

imagemA simpatia de James Hetfield ao conversar com pais de bebê que nasceu durante show

imagemMalmsteen ameaça cancelar show por que vocalista Jeff Scott Soto estava no local

imagemComo Max Cavalera aprendeu inglês tendo abandonado a escola aos 12 anos de idade

imagemJonathan Davis, do Korn, explica qual seu problema com o Cristianismo

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden está ensaiando para turnê que passa pelo Brasil

imagemMetallica faz doação para complexo de saúde e educação em Curitiba

imagemVocalista do Gwar diz que integrantes do Maiden são "um bando de velhas britânicas"

imagemNovo álbum de Ozzy será lançado em setembro, de acordo com Sharon Osbourne

imagemFoto feita após fim da turnê mostra todos do Ghost sem máscaras, incluindo "Ghoulettes"

imagemLuciano Hang processa vocal do Fresno e quer indenização de R$ 100 mil por danos morais

imagemGuitarrista diz que não entrou na banda de Ozzy por não ter cabelo loiro

imagemMalmsteen diz que Jeff Scott Soto foi expulso de seu show porque não pagou entrada

imagemAdrian Smith e a volta ao Maiden: "queriam o Bruce e já tinham dois guitarristas"

imagemGrave Digger: veteranos do metal em clipe com cavaleiro templário e capirota


PRB

Deep Purple: Resenha de Whoosh, o 21º álbum da carreira

Resenha - Whoosh - Deep Purple

Por Renan Darski
Em 16/08/20

Com mais de 50 anos de existência, o Deep Purple resolveu lançar mais um álbum. O 21º da carreira é o 5º da atual formação, conhecida como MK VIII. O sucessor de "Infinite" (2017) estava planejado para junho, mas foi adiado para o mês de agosto devido a alguns obstáculos na distribuição do álbum físico, talvez causados por esses tempos de pandemia.

A capa de "Whoosh!", do Deep Purple
A capa de "Whoosh!", do Deep Purple

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em "Whoosh", Ian Gillan (vocais), Roger Glover (baixo), Ian Paice (bateria), Steve Morse (guitarra) e Don Airey (teclado) seguem com o pé no freio. O ritmo mais cadenciado dos últimos álbuns permanece, o que faz a banda focar mais em timbres. Até mesmo Steve Morse (guitarra) diminuiu da velocidade. Interferência direta do produtor Bob Ezrin? O guitarrista mesmo já disse à Bilboard que nas gravações de "Infinite", o produtor o impediu de tocar com seu "estilo normal": "Não, não Morse, isso parece ser o seu álbum solo. Me dê algo mais melódico ou algo mais simples'."

Leia mais na matéria abaixo.

Deep Purple: produtor proibiu Steve Morse de tocar do próprio jeito

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ian Gillan, nem de perto é o mesmo do início dos anos 2000, obviamente. Mais longe ainda está dos tempos de "Child in Time" (In Rock, 1970) e aqueles vocais insanamente agudos. No entanto, parece cada vez mais à vontade no campo dos graves. Ainda é uma das maiores vozes do rock mundial. Impressiona que o outro Ian, Ian Paice, que teria todos os motivos para diminuir o ritmo, ainda exija tanto de si. É só conferir o seu papel de destaque em "We're All The Same In The Dark" e "And The Address" (pontos altos do álbum!).

A mixagem manteve o lado direito para os teclados, o centro para o baixo e o lado esquerdo para as guitarras. Raros são os pontos em que vemos dobras de guitarras ou de teclados, nos dois canais. Nos traz a sensação de álbum ao vivo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Os momentos que cumprem com a promessa da capa, estão na sequência "The Long Way Round", "The Power Of The Moon", "Remission Possible" e "Man Alive". "The Long Way Round" se destaca por ser diferente: ela te promete uma passagem suave em diversos pontos, mas só no final há a entrega. O momento mais fora da curva fica para "Nothing At All". Soa diferente, mas simples também. O velho espaço para solos surge muito organicamente. Uma das melhores para quem quer ver um Deep Purple experimental.

O disco é bom? Claro! É um disco do Deep Purple. É o melhor que eles já fizeram? Bom, quando se escuta algo novo de uma banda tão longeva, sempre queremos dizer "esse é o melhor álbum desde...", mas não há como comparar o Deep Purple com o próprio Deep Purple. Mas podemos comparar com o Deep Purple de 2002 pra cá, e ao meu ver, "Whoosh" fica atrás de "Now What?!" (2013) e "Infinite" (2017).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Dá pra falar mal de alguma coisa? Sempre dá. O mais do mesmo dos duelos de teclado e guitarra são bem repetitivos. "No Need To Shout" é uma mistura um tanto mediana de "Perfect Stranger" (Perfect Stranger, 1984) com "Bloodsucker" (In Rock, 1970) ou "Bludsucker" (Abandon, 1998). Fora que o álbum termina e um outro começa. As duas últimas músicas parecem ser uma outra proposta. "Dancing In My Sleep" é uma faixa bônus, ok, mas "And The Address" é mais o registro de uma jam... Mas esses pontos não chegam a estragar o todo. O álbum é bom. Afinal, é Deep Purple.

Uma banda de mais de 50 anos de carreira merece todo nosso reconhecimento por ainda fazer músicas novas. Não precisam provar mais nada a ninguém e estão aí fazendo música. "Whoosh".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Deep Purple "Whoosh!" Official Pre-Listening - Album out on 7th August

Ficha Técnica
Álbum: Whoosh
Artista: Deep Purple

Data de lançamento: 07 de agosto de 2020

Faixas

01. "Throw My Bones" 3:38
02. "Drop the Weapon" 4:23
03. "We're All the Same in the Dark" 3:44
04. "Nothing at All" 4:42
05. "No Need to Shout" 3:30
06. "Step by Step" 3:34
07. "What the What" 3:32
08. "The Long Way Round" 5:39
09. "The Power of the Moon" 4:08
10. "Remission Possible" (instrumental) 1:38
11. "Man Alive" 5:35
12. "And the Address" (instrumental) 3:35
13. "Dancing in My Sleep" (Bonus Track) 3:51

Total: 51:29

Formação

Ian Gillan - vocais
Steve Morse - guitarra
Don Airey - teclado
Roger Glover - baixo
Ian Paice – bateria

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Produzido por Bob Ezrin

Gravado nos estúdios The Tracking Room (Nashville), Noble Street Studios (Toronto)

Anarchy Studios (Nashville), Henson Recording Studios (Hollywood) e Ocean Way (Nashville).

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Ritchie Blackmore: vocalista é mistura de Dio com Freddie Mercury