RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemA atitude punk da Legião Urbana que causou irritação e deu trabalho na gravação

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemO conselho realista de John Petrucci para bandas que estão começando agora

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagem"Quem não gosta de Beatles bom sujeito não é", diz João Gordo

imagemO que faltou para o Overkill entrar no "Big Four" do thrash, segundo D. D. Verni

imagemAndi Deris tem problemas de saúde e shows do Helloween são adiados

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words


Stamp

Ajna: banda em constante evolução

Resenha - War Crimes - Ajna

Por José Sinésio Rodrigues
Postado em 30 de abril de 2020

Nota: 8

A banda Ajna foi formada lá em 1991, em São Paulo, com a proposta de fazer som pesado calcado no Thrash Metal, trazendo também alguns respingos de Metal Industrial. É bem verdade que a discografia da banda não é das maiores (até o momento, possuem um single, um álbum e dois EPs, além de um álbum – em 1994 – gravado com outra banda, o grupo Exon).

Quero aqui, justamente, falar a respeito de um destes EPs, o excelente "War Crimes", lançado em 2019. Este trabalho nos apresenta quatro músicas, totalizando menos de 25 minutos de duração. Todas as músicas soam modernas, com variações interessantes.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O trabalho tem início com a excelente "Killer God", que surge com um mantra islâmico. A banda se valeu do atentado ao Teatro Bataclan, em Paris, em 2015, como fonte de inspiração. Esta música nos apresenta peso, muita técnica e a excelente participação de Marcelo Pompeu, do Korzus, nos vocais. A própria vocalista Elizabet Queiroz "Tibet" se mostra magistral, do começo ao fim. A faixa "The Shadow Of The Cave", por sua vez, é moderna e pesada, com um vocal mais limpo. A letra faz uma inteligente referência ao chamado "mito da caverna", uma alegoria criada pelo filósofo grego Platão para mostrar que o ser humano pode se libertar da condição de escuridão, que o aprisiona, por meio da luz da verdade. A faixa-título, "War Crimes", surge com o som de uma sirene de abrigo antiaéreo e, a partir daí, é só peso e velocidade, com o vocal atingindo níveis de excelência que desafiam a descrição. Realmente, a vocalista Tibet sabe muito bem ajustar sua voz aos momentos de maior peso e àqueles em que deve prevalecer uma atmosfera menos agressiva. Por fim, fechando o trabalho, nos deparamos com a faixa "Hunger", uma regravação da própria banda, de uma música já lançada num trabalho anterior, lá na década de 1990.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"War Crimes" é um trabalho excelente, de uma banda excelente, banda esta que há anos tem desempenhado muito em o seu papel no âmbito do cenário do Heavy Metal nacional. Contudo, este é o primeiro trabalho lançado pelo Ajna nos anos 2000. Ou seja: como o último trabalho da banda havia sido um EP, lá em 1999, significa que a mesma permaneceu nada menos que vinte anos sem lançar nada. Esperamos que o EP "War Crimes" seja o primeiro de uma nova série de bons trabalhos lançados pelo grupo.

Faixas em "War Crimes": 4

Atuais integrantes do Ajna:
*Elizabeth Queiroz (Tibet): Vocal.
*Lucas Pelarin: Guitarra.
*Nando Simões: Baixo.
*Ivo Rocha: Bateria.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps




publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre José Sinésio Rodrigues

José Sinésio Rodrigues mora em Londrina, no Paraná. É professor de Ciências, agente penitenciário, aluno de Geografia e coordenador de Astronáutica de um grupo de Astronomia londrinense. É também palestrante, escritor, quadrinista, contista, ex-radialista e ex-colunista de jornal. Seu contato com o Rock aconteceu com o Faith No More e Pearl Jam, no início da década de 1990. Suas bandas favoritas são: My Dying Bride, Monster Magnet, Dominus Praelii, Acrassicauda, Slayer, Fejd, Arkona e Anabioz.
Mais matérias de José Sinésio Rodrigues.