Ajna: banda em constante evolução

Resenha - War Crimes - Ajna

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por José Sinésio Rodrigues
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

A banda Ajna foi formada lá em 1991, em São Paulo, com a proposta de fazer som pesado calcado no Thrash Metal, trazendo também alguns respingos de Metal Industrial. É bem verdade que a discografia da banda não é das maiores (até o momento, possuem um single, um álbum e dois EPs, além de um álbum – em 1994 – gravado com outra banda, o grupo Exon).

Bruce Dickinson: vocalistas que ele respeita e admiraFotos de Infância: Avril Lavigne

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Quero aqui, justamente, falar a respeito de um destes EPs, o excelente "War Crimes", lançado em 2019. Este trabalho nos apresenta quatro músicas, totalizando menos de 25 minutos de duração. Todas as músicas soam modernas, com variações interessantes.

O trabalho tem início com a excelente "Killer God", que surge com um mantra islâmico. A banda se valeu do atentado ao Teatro Bataclan, em Paris, em 2015, como fonte de inspiração. Esta música nos apresenta peso, muita técnica e a excelente participação de Marcelo Pompeu, do Korzus, nos vocais. A própria vocalista Elizabet Queiroz "Tibet" se mostra magistral, do começo ao fim. A faixa "The Shadow Of The Cave", por sua vez, é moderna e pesada, com um vocal mais limpo. A letra faz uma inteligente referência ao chamado "mito da caverna", uma alegoria criada pelo filósofo grego Platão para mostrar que o ser humano pode se libertar da condição de escuridão, que o aprisiona, por meio da luz da verdade. A faixa-título, "War Crimes", surge com o som de uma sirene de abrigo antiaéreo e, a partir daí, é só peso e velocidade, com o vocal atingindo níveis de excelência que desafiam a descrição. Realmente, a vocalista Tibet sabe muito bem ajustar sua voz aos momentos de maior peso e àqueles em que deve prevalecer uma atmosfera menos agressiva. Por fim, fechando o trabalho, nos deparamos com a faixa "Hunger", uma regravação da própria banda, de uma música já lançada num trabalho anterior, lá na década de 1990.

"War Crimes" é um trabalho excelente, de uma banda excelente, banda esta que há anos tem desempenhado muito em o seu papel no âmbito do cenário do Heavy Metal nacional. Contudo, este é o primeiro trabalho lançado pelo Ajna nos anos 2000. Ou seja: como o último trabalho da banda havia sido um EP, lá em 1999, significa que a mesma permaneceu nada menos que vinte anos sem lançar nada. Esperamos que o EP "War Crimes" seja o primeiro de uma nova série de bons trabalhos lançados pelo grupo.

Faixas em "War Crimes": 4

Atuais integrantes do Ajna:
*Elizabeth Queiroz (Tibet): Vocal.
*Lucas Pelarin: Guitarra.
*Nando Simões: Baixo.
*Ivo Rocha: Bateria.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Ajna"


Bruce Dickinson: vocalistas que ele respeita e admiraBruce Dickinson
Vocalistas que ele respeita e admira

Fotos de Infância: Avril LavigneFotos de Infância
Avril Lavigne


Sobre José Sinésio Rodrigues

José Sinésio Rodrigues mora em Londrina, no Paraná. É professor de Ciências, agente penitenciário, aluno de Geografia e coordenador de Astronáutica de um grupo de Astronomia londrinense. É também palestrante, escritor, quadrinista, contista, ex-radialista e ex-colunista de jornal. Seu contato com o Rock aconteceu com o Faith No More e Pearl Jam, no início da década de 1990. Suas bandas favoritas são: My Dying Bride, Monster Magnet, Dominus Praelii, Acrassicauda, Slayer, Fejd, Arkona e Anabioz.

Mais matérias de José Sinésio Rodrigues no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL