Cidade Dormitório: álbum vale a pena por desafiar os ouvidos

Resenha - Fraternidade Terror - Cidade Dormitório

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes
Enviar correções  |  Ver Acessos

Pense rápido: fora os The Baggios, você consegue pensar em algum nome musical do Sergipe? Se respondeu Calcinha Preta, está no blog errado.

Punk: 10 músicos que são mais ricos do que você pensaCretin: transexual rompe barreiras no metal extremo

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Tem um trio querendo integrar este grupo: trata-se da Cidade Dormitório, formada por Yves Deluc (guitarra e vocais), Fabio Aricawa (bateria e vocais de apoio) e Lauro Francis (baixo). Em sua estreia Fraternidade-Terror, contribuíram também João Mário (guitarra) e Leo Airplane (teclados), que gravou e mixou o EP anterior a este lançamento.

O álbum soa como uma continuação natural do EP Esperando o Pior (2017), que começou indie/alternativo na sua primeira metade e adquiriu fortes tons psicodélicos na segunda, o que emenda perfeitamente, portanto, nesta obra que mescla os dois lados do trio, pendendo levemente pra ala entorpecida.

Fraternidade-Terror tem músicas que mesclam equilibradamente os dois mundos da Cidade Dormitório ("Cinto Que Aperta e Essa Fivela Que Machuca" e "Relacionamentos São Extremamente Complicados e Meu Cachorro Sabe Disso"); peças que pisam no freio ("Besa" e "Homo Erectus Plus"); um ponto alto com toques urbanos e misteriosos em "Aribé II (associação livre)" e o encerramento "Bad Sem Fim", que faz jus tanto ao título dela própria quanto ao segundo termo do nome do grupo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Com seis faixas e pouco mais de 30 minutos, o álbum está no limite entre um disco cheio e um EP e acabou sendo curto demais para tudo o que a banda parecia querer dizer.

A música desses sergipanos é difícil de compreender e de absorver, e os comentários que os membros fazem no material de divulgação me fizeram entendê-la menos ainda. Vou deixar que meus leitores tirem suas conclusões, portanto...

Abaixo, o clipe de "Homo Erectus Plus" (com lllucas).

Track-list:
1 - "Cinto que aperta e essa fivela que machuca"
2 - "Besa (beijos)"
3 - "Homo erectus plus"
4 - "Relacionamentos são extremamente complicados e meu cachorro sabe disso"
5 - "Aribé II (associação livre)"
6 - "Bad sem fim"

Fonte: Sinfonia de Ideias
https://bit.ly/cidadedormitorio




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Cidade Dormitório"


Punk: 10 músicos que são mais ricos do que você pensaPunk
10 músicos que são mais ricos do que você pensa

Cretin: transexual rompe barreiras no metal extremoCretin
Transexual rompe barreiras no metal extremo


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280