Matérias Mais Lidas

imagemKiko Loureiro defende surgimento de banda que seria "Greta Van Fleet do Iron Maiden"

imagemRobert Trujillo conta como uma abelha e "migué" quase causaram treta com James Hetfield

imagemA simpatia de James Hetfield ao conversar com pais de bebê que nasceu durante show

imagemOzzy Osbourne é visto caminhando com dificuldade ao sair de estúdio

imagemComo Max Cavalera aprendeu inglês tendo abandonado a escola aos 12 anos de idade

imagemSe vira nos 30: Andre Matos tomou cano de produtor e fez milagre pra agradar fãs

imagemMalmsteen ameaça cancelar show por que vocalista Jeff Scott Soto estava no local

imagemJonathan Davis, do Korn, explica qual seu problema com o Cristianismo

imagemMetallica faz doação para complexo de saúde e educação em Curitiba

imagemApós resposta de Malmsteen, Jeff Scott Soto rebate guitarrista e diz que deseja paz

imagemKirk Hammett relembra "Metallica x Napster": "avisamos todo mundo o que aconteceria"

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden está ensaiando para turnê que passa pelo Brasil

imagemGuitarrista diz que não entrou na banda de Ozzy por não ter cabelo loiro

imagemO segredo da longevidade do baixista do Guns N' Roses tem inspiração nos Stones

imagemLuciano Hang processa vocal do Fresno e quer indenização de R$ 100 mil por danos morais


Stamp

Nevermore: Um grande disco dentro da rica discografia

Resenha - This Godlesse Endeavor - Nevermore

Por Marcio Machado
Em 31/07/19

Nota: 9

O Nevermore havia se colocado no olimpo das bandas que mesclavam agressividade, velocidade, muita técnica e muito groove em suas canções. Em 2000 lançou um dos melhores discos do gênero, em 2003, lançaram um álbum que dividiu opiniões, mas ainda assim um tanto complexo e pesado, o "Enemies of Reality", que precisou ter duas impressões devido à sua má mixagem na primeira tiragem, e em 2005 era chegado o momento de mais um lançamento, surgia assim "This Godless Endeavor", que trazia de volta Andy Sneap na produção, que havia sido responsável pela masterpiece "Dead Heart in a Dead World" e também por consertar o disco de 2003. Mas enfim, o que encontramos de fato neste disco em questão?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Pois bem, a resposta vem com "Born", que abre o disco em forma de uma explosão de riffs alucinados, bateria insana e a voz de Warrel Dane mais uma vez sendo um atrativo a parte de tudo! Aqui a levada é caótica e ao mesmo tempo tão melódica e principalmente em seu refrão que cai num lugar que se destoa totalmente do andamento da canção até ali e ao mesmo tempo encaixa perfeitamente e que momento este! O solo de Loomis é divino e vemos como a química da banda continua em alta. Grande começo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Final Product" é quem continua o andamento e o faz com a mesma pressão. Pesada e com começo agressivo, é bastante cadenciada levada pela bateria de Van Williams que a conduz esplendorosamente, a quebrada nos bumbos na ponte são de dar um nó e que solo mais carregado temos após essa chamada. O groove aparece com força aqui e liga tudo de forma absurda, outro grande momento.

Começando mais arrastada mas ainda um tanto pesada, "My Acid Words" surge logo mudando o ritmo e aparece com aquela fúria característica do Nevermore para nos jogar em um outro grande refrão. É uma das melhores faixas do disco, sem dúvida alguma, pela sua riqueza de ritmos e mudanças de andamento de forma tão natural e de novo há de se falar da bela voz de Dane que parece um maestro conduzindo toda essa loucura para um rumo. A ponte de novo é um grande trecho ali, e sua levada de novo arrastada para abrir espaço para outro solo transbordando feeling. Que trinca de abertura foi essa!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Bittersweet Feast" vem chegando em crescendo e logo começa a banda mandando ver na cozinha e com guitarras hipnóticas e bateria toda quebrada. Aqui que realmente brilha é o baterista Williams, sua precisão aqui é quem demarca a canção toda e suas mudanças com tantos detalhes são muito ricos. Não tem lá muitos destaques, mas ainda uma ótima faixa.

Chegando agora numa espécie de balada sombria, "Sentient 6" é melancolia pura que transborda na voz de Warrel e como ele conduz com maestria esses momentos. O refrão é grande em todos os sentidos e nos joga ainda mais num buraco de angústia e se for um daqueles dias sombrios, passe bem longe desta.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Medicated Nation" traz o peso e passagens intrincadas de volta e lá vamos nós de novo num verdade turbilhão de ritmos. O peso explode em todos os lados, principalmente no solo onde tudo vira de cabeça para baixo e parece brincar com nossa cara com tamanha destreza dos músicos em tanta passagem que soam tão natural como o simples respirar. Que guitarra maravilhosa dá as caras aqui.

"The Holocaust of Thought" é um breve interlúdio que abre o caminho para "Sell My Heart For Stones" que traz aquele ar melancólico de volta e assim se segue pelos seus minutos sem muita mudanças novamente, mas brilha em sua simplicidade por todo o ar sombrio que carrega e torna algo bastante profundo sua audição, fazendo bastante jus ao seu nome.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Volta peso e riffs alucinados. Assim é "The Psalm of Lydia" que de cara nos faz pensar em um momento totalmente esquizofrênico em formato de música. Que coisa doida é esse seu andamento, cheio de mudanças de ritmos e guitarras sem freios numa vertigem de sons, e uma cozinha totalmente afiada que não perdoa em espancar a bateria e baixo para casarem a dinâmica da coisa toda. O que Loomis criou aqui brilha por si e ainda no meio desse peso todo, há uma breve passagem de um violão que chama um solo alucinado e mais uma vez recheado de solo. Um grande destaque dentro do disco.

"A Future Uncertain" começa calma com voz e violão e aos poucos vai ganhando forma e chega em toda aquela destruição sonora de peso e melodias carregadas de guitarras dobradas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Encerrando o trabalho temos a faixa título. "This Godless Endeavor" é uma das faixas mais ricas que o Nevermore já compôs e que trabalho magnífico encontramos aqui. Ela é um aglomerado de tudo o que a banda pratica, como eles costumam fazer várias vezes em pérolas que compõe e aqui isso erradia carisma. Os primeiros momentos são mais brandos e que momentos lindos são esses. Notem como a voz e instrumentos casam de forma tão perfeita ali. Logo as coisas viram e tudo se transforma naquele peso aliado à uma carga gigante de groove e levada cadenciada e intrincada que a cada momento vai elevando mais e mais e muita, mas muita criatividade. Encerramento digno.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mais um grande disco dentro da rica discografia do Nevermore e mais um grande presente para os fãs. Seguem ali o alto nível, as letras ácidas de Dane e músicos fabulosos. Uma pena que só cinco anos depois a banda lançaria algo novo e logo rumaria para sua separação, porém o que eles trouxeram até este disco de 2005, exatos vintes anos após seu começo é de um grande mérito, originalidade e que deixa saudade de ouvir algo tão criativo que poucas vezes nos aparecem em tempos atuais.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

PRB
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Jim Sheppard: "Foi uma benção gravar mais um álbum antes de Warrel Dane morrer"

Do sonho ao pesadelo; Marcus Dotta conta sua trajetória ao lado de Warrel DaneDo sonho ao pesadelo; Marcus Dotta conta sua trajetória ao lado de Warrel Dane




Sobre Marcio Machado

Estudante de história, apaixonado por cinema e o bom rock, fã de Korn, Dream Theater e Alice in Chains. Metido a escritor e crítico.

Mais matérias de Marcio Machado.