King Hobo: a união entre o Clutch e o Opeth em um grande disco

Resenha - Mauga - King Hobo

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar Correções  

publicidade

O King Hobo é a união entre o Clutch e o Opeth. Mas, na prática, as coisas não são assim tão preto no branco. A banda surgiu na segunda metade da década de 2000, quando Per Wiberg, então tecladista do Opeth, conheceu Jean-Paul Gaster, baterista do Clutch. Os dois fizeram algumas jams e curtiram o resultado, chamaram o vocalista e guitarrista Thomas Andersson (do Kamchatka) e o baixista Ulf Rockis Ivarsson, levaram essa experiência para o estúdio e gravaram o disco de estreia do projeto, lançado em 2008.

Opeth: único show show no Brasil adiado para 2021Pink Floyd: a história por trás de "Animals"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Então se passarem onze anos sem nenhum novo material. Nesse tempo, Wiberg deixou o Opeth, passou a tocar ao vivo com o Candlemass e assumiu o baixo no Kamchatka, enquanto Gaster viu o Clutch crescer bastante e ser aclamado pela crítica. E então, no final de maio, fomos surpreendidos com um novo álbum do King Hobo. "Mauga" traz dez músicas em um álbum redondo, com muita força e com cara de banda principal dos integrantes.

O som do King Hobo é um hard com uma pegada assumidamente setentista. Guitarra e teclado dividem o mesmo espaço, enquanto a cozinha é malandra e cheia de groove. O som varia entre rocks mais enérgicos e composições com uma pegada mais viajante, onde a banda tira o pé do acelerador e entrega momentos de inegável beleza. O Deep Purple e o Uriah Heep estão entre as referências do quarteto, além dos próprios Clutch e Kamchatka e um bem colocado tempero psicodélico que vem direto dos anos 1960. A voz de Andersson é um grande diferencial, além das melodias sempre bem construídas e ideias bastante agradáveis.

"Mauga" é um disco que está sendo pouco falado tanto pela imprensa especializada quanto pelos ouvintes, mas acredito que isso aconteça – principalmente no segundo caso – mais por desconhecimento de sua existência do que qualquer outro fator.

Pois bem: após ler esse review, você não tem mais essa desculpa. Ouça agora mesmo e descubra um dos melhores álbuns de 2019.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Opeth: único show show no Brasil adiado para 2021

Sepultura: Derrick Green elege seus 10 vocalistas preferidos do heavy metalSepultura
Derrick Green elege seus 10 vocalistas preferidos do heavy metal


Metal Moderno: 5 bandas aptas a se tornarem clássicasMetal Moderno
5 bandas aptas a se tornarem clássicas

Pra convencer: dez álbuns de metal para quem não gosta de metalPra convencer
Dez álbuns de metal para quem não gosta de metal


Pink Floyd: a história por trás de AnimalsPink Floyd
A história por trás de "Animals"

Gastão Moreira: A coleção do VJ, apresentador e jornalista musicalGastão Moreira
A coleção do VJ, apresentador e jornalista musical


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor