Matérias Mais Lidas

Manowar: por que o baterista brasileiro Marcus Castellani saiu da bandaManowar: por que o baterista brasileiro Marcus Castellani saiu da banda

Kiko Loureiro: as maiores lições que ele aprendeu com Dave MustaineKiko Loureiro: as maiores lições que ele aprendeu com Dave Mustaine

Kerrang: 10 capas polêmicas de álbuns de rock e metal que sofreram censuraKerrang: 10 capas polêmicas de álbuns de rock e metal que sofreram censura

Black Sabbath: Bill Ward sabia que primeiro álbum da banda causaria alguns problemasBlack Sabbath: Bill Ward sabia que primeiro álbum da banda "causaria alguns problemas"

Tony Iommi: surpreendendo ao eleger seu Deus do RockTony Iommi: surpreendendo ao eleger seu "Deus do Rock"

Megadeth: Mustaine diz que novo álbum está quase saindoMegadeth: Mustaine diz que novo álbum está quase saindo

Black Sabbath: Todos os álbuns ranqueados, do pior ao melhor, pela Kerrang!Black Sabbath: Todos os álbuns ranqueados, do pior ao melhor, pela Kerrang!

Angra: saída do Kiko custou muito, mas não pela razão que todos imaginam, diz empresárioAngra: saída do Kiko custou muito, mas não pela razão que todos imaginam, diz empresário

Zakk Wylde: cinco músicas que mudaram sua vida, incluindo uma inesperadaZakk Wylde: cinco músicas que mudaram sua vida, incluindo uma inesperada

Guns N' Roses: as 5 músicas mais polêmicas da bandaGuns N' Roses: as 5 músicas mais polêmicas da banda

Zakk Wylde: o riff que ele queria ter criado - e a música que ele nunca conseguiu tocarZakk Wylde: o riff que ele queria ter criado - e a música que ele nunca conseguiu tocar

Deep Purple: Ian Gillan diz que o Brasil é um dos seus lares espirituaisDeep Purple: Ian Gillan diz que o Brasil é um dos seus "lares espirituais"

Black Sabbath: Lars Ulrich surpreende ao revelar seu álbum favorito da bandaBlack Sabbath: Lars Ulrich surpreende ao revelar seu álbum favorito da banda

Zakk Wylde: tocar com Ozzy é como estar na melhor banda cover do mundoZakk Wylde: tocar com Ozzy é como estar na melhor banda cover do mundo

Post-Black Metal: uma lista com dez álbuns para conhecer o confuso rótuloPost-Black Metal: uma lista com dez álbuns para conhecer o confuso rótulo


Stamp

Sons of Apollo: uma super estreia para um super grupo

Resenha - Psychotic Symphony - Sons of Apollo

Por Ricardo Seelig
Em 19/07/19

publicidade

A figura central do Sons of Apollo é Mike Portnoy, e ele dispensa maiores apresentações. Ao lado do baterista estão Jeff Scott Soto (vocal, Talisman e Journey), Ron "Bumblefoot" Thal (guitarra, Guns N’ Roses), Billy Sheehan (baixo, Mr. Big) e Derek Sherinian (teclado, Dream Theater e Black Country Communion). O supergrupo estreou com "Psychotic Symphony", disco lançado em 20 de outubro de 2017 e que foi lançado no Brasil pela Hellion Records.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

De modo geral, o que temos no Sons of Apollo é o retorno de Portnoy ao prog metal. Após passagens por inúmeras bandas, com destaque para o Adrenaline Mob e o The Winery Dogs, o baterista está de volta à seara musical que o consagrou nos 25 anos em que liderou o Dream Theater.

Isso fica claro desde o início, com a ótima "God of the Sun" abrindo o trabalho com um certeiro tempero oriental. Outro ponto que fica explícito de cara é a presença de elementos de hard rock por todo o disco, tornando o prog metal do Sons of Apollo menos auto-indulgente e muito mais palatável aos ouvidos. Isso se traduz através das sempre fortes linhas vocais de Jeff Scott Soto e pela presença constante de melodias e coros vocais, além de refrãos cativantes.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

É claro que em um álbum que se enquadra em um gênero como o metal progressivo, as longas passagens instrumentais não só fazem parte do pacote como também ocupam lugar de destaque. E o Sons of Apollo utiliza com sabedoria essa característica, com trechos onde o foco não está no umbigo ou no ego dos músicos, mas sim no resultado que nasce da união de instrumentistas tão talentosos como os nomes aqui envolvidos.

"Psychotic Symphony" não tem nada de psicopatia em suas nove músicas. A união dessas canções resulta em um disco extremamente redondo e eficaz, que não perde o seu foco em praticamente nenhum momento e que tem força para trazer o prog metal para o topo novamente em um momento onde as principais referências recentes do estilo andam em baixa.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Para os fãs do Guns N’ Roses, um adendo: Ron Thal explora aqui um lado totalmente desconhecido de sua musicalidade, deixando de lado o hard rock escola Axl Rose e entrando de corpo e alma em um universo muito mais complexo. O guitarrista é um dos destaques de Psychotic Symphony, tanto pelos seus riffs quanto pelos solos inspirados que entrega. Aliás, essa ótima performance acaba sendo uma constante, pois todos os cinco músicos estavam em um momento particularmente inspirado. Soto dá a Portnoy a oportunidade de realizar um som mais agressivo devido à amplitude e ao timbre mais grave de sua voz, o que era impossível com o tom agudo de James LaBrie (e os mais maldosos afirmarão, não sem uma certa dose de verdade, que o baterista finalmente encontrou um bom vocalista para explorar todas as possibilidades do metal progressivo).

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Já o trio Billy Sheehan, Derek Sherinian e Mike Portnoy funciona como o alicerce que sustante o Sons of Apollo. O entrosamento e a química entre os três é um ponto que chama a atenção durante todo o disco. Sheehan é um animal em seu instrumento, enquanto Sherinian pode aqui brincar muito mais com a sua criatividade do que no universo hard rock do Black Country Communion - "Lost in Oblivion", "Divine Addiction" e "Opus Maximus" são ótimos exemplos. Já Portnoy retorna com a classe habitual ao seu mundo, com batidas e levadas que justificam todo o status de um dos maiores baterista do planeta. E confesso: é muito bom vê-lo novamente explorando a sua personalidade progressiva.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

"Psychotic Symphony" abre e fecha com duas tour-de-force, "God of the Sun" e "Opus Maximus", ambas com mais de dez minutos de duração. No meio do tracklist ainda temos "Labyrinth" e seus mais de nove minutos e intrincadas passagens instrumentais. Essas três peças são prog metal do mais alto quilate, com o tempero hard rock que acaba dando a personalidade única do Sons of Apollo. As demais faixas do disco soam mais concisas porém não menos complexas, e demonstram que a banda consegue ser objetiva equilibrando egos e currículos em composições que funcionam de maneira imediata.

Confesso que tinha uma expectativa bastante elevada em relação a esse disco, porém não imaginava que ele seria tão bom quanto realmente é. Com uma estreia de tão alto nível, o Sons of Apollo coloca-se de maneira instantânea como a provável prioridade das carreiras de todos os envolvidos - ok, talvez Billy Sheehan ainda deixe o Mr. Big um pouco mais à frente. Que vários novos álbuns venham no futuro: isso é o que desejo para os poderosos Filhos de Apolo!

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva


Outras resenhas de Psychotic Symphony - Sons of Apollo

Sons of Apollo: a melhor mistura de prog e hard desde o Rush

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

WhatsApp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Mike Portnoy: o raivoso motivo pelo qual ele repudia a Retrospectiva SpotifyMike Portnoy: o raivoso motivo pelo qual ele repudia a Retrospectiva Spotify

Drum Together: bateras do Beatles, Maiden, Testament e outros em cover beneficenteDrum Together: bateras do Beatles, Maiden, Testament e outros em cover beneficente

Mike Portnoy: Queremos tocar, mas temos de estar seguros, afirma o bateristaMike Portnoy: "Queremos tocar, mas temos de estar seguros", afirma o baterista


Neil Peart: por que ele é melhor que John Bonham, segundo Mike PortnoyNeil Peart: por que ele é melhor que John Bonham, segundo Mike Portnoy

Mike Portnoy: ele faz alfabeto com bandas que já tocou - e quase completaMike Portnoy: ele faz alfabeto com bandas que já tocou - e quase completa

Mike Portnoy: renda de Spotify no ano todo mal paga um jantar; veja valoresMike Portnoy: renda de Spotify no ano todo mal paga um jantar; veja valores


Guns N' Roses: Mauricio de Sousa, o criador da Turma da Mônica, odeia a banda?Guns N' Roses
Mauricio de Sousa, o criador da Turma da Mônica, odeia a banda?

Túmulos: alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUATúmulos
Alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUA


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig.