Visions of Atlantis: linha do Nightwish, mas sem a mesma inspiração

Resenha - Deep & The Dark - Visions of Atlantis

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

"The Deep & The Dark" marca uma nova fase na carreira da banda austríaca Visions of Atlantis. Na ativa desde 2000, o grupo está lançado o seu sexto disco, que ganhou versão nacional através da Hellion Records. A nova fase citada no início faz referência ao fato de "The Deep & The Dark" marcar a estreia, em estúdio, da vocalista Clémentine Delauney, ex-Serenity. Na banda desde 2013, Clémentine só agora tem a sua voz eternizada em um álbum do grupo.

Deep Purple: Gillan fala sobre Ritchie, Coverdale e HughesMetal: adolescentes que ouvem o gênero fazem mais sexo?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Musicalmente, o que temos aqui é um symphonic metal com vocais femininos que apresentam momentos operísticos. Clémentine soa como uma espécie de Tarja Turunen mais contida, e a própria concepção musical do Visions of Atlantis remete ao Nightwish, porém sem chegar perto do brilhantismo e da inventividade da banda finlandesa. As dez músicas trazem o teclado com bastante evidência, sempre dividindo o protagonismo instrumental com a guitarra. A alternância entre a voz de Clémentine e Christian Samer reforça o aspecto "beauty and the beast" da banda.

O resultado dessa receita é um som familiar, porém um tanto contido. Não há nada necessariamente novo em "The Deep & The Dark", ainda que a banda alcance bons momentos como na grudenta "Return to Lemuria", que tem tudo para virar um hit. De modo geral, o quinteto soa como uma espécie de Nightwish mais suave, sem tantos aspectos sinfônicos e com um peso apenas mediano.

Além de "Return to Lemuria", curti também o clima meio étnico de "Ritual Night" e as agressivas "The Silent Mutiny" e "The Grand Illusion", ambas com a guitarra bem à frente.

De modo geral, "The Deep & The Dark" traz algumas boas músicas e conta com músicos ótimos, notadamente Clémentine Delauney, porém trata-se de um disco indicado apenas para quem é fã de symphonic metal e anda com saudade de algo na linha da banda de Tuomas Holopainen.


Outras resenhas de Deep & The Dark - Visions of Atlantis

Visions Of Atlantis: O sexto que poderia ser o primeiro




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Visions Of Atlantis"


Deep Purple: Gillan fala sobre Ritchie, Coverdale e HughesDeep Purple
Gillan fala sobre Ritchie, Coverdale e Hughes

Metal: adolescentes que ouvem o gênero fazem mais sexo?Metal
Adolescentes que ouvem o gênero fazem mais sexo?


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336