Disaster Cities: Pesado, alto e preciso

Resenha - Lowa - Disaster Cities

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Cunha
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O ano de 2018 foi muito proveitoso em termos de lançamentos. Muitas bandas publicaram bons discos e muitos não puderam ser ouvidos, então, esse texto é mais um pedido de retratação pelo esquecimento deste que, certamente, figuraria entre os 10 mais da minha lista anual. O ocorrido se deveu a falta de tempo pra contemplar o maior número de bandas de modo a poder realizar uma audição digna. Porém, que bom que temos a oportunidade de ouvi-lo agora e fazer justiça a esta banda que vem conquistando grande público dentro e fora do país.

Pattie Boyd: o infernal triângulo com George Harrison e Eric ClaptonAs regras do Death Metal

Quanto à música, confesso que tive dificuldade para classificá-los de acordo com as convenções da literatura musical brasileira. Por esse motivo, estabeleci comigo mesmo que o som seria provisoriamente catalogado como Stoner Rock, o que - para quem trabalha resenhando discos/livros/filmes - representa nada mais que "ossos do ofício", mas tenho consciência de que, em LOWA (2018), o som dos caras vai além. Enquanto álbum de estreia, diria que os caras acertaram a mão na produção, o que deu ao disco uma precisão muito profissional. Além do mais, o trabalho como um todo é pesado e alto. O disco conta com 8 faixas poderosas que revelam uma mistura bem dosada de influências, que vão do rock aos gêneros alternativos.

Por fim, a banda, que é um power trio nasceu da união de músicos experientes de 2 estados diferentes. Matheus Andrighi (Vocal, Guitarra) e Rafael Panegalli (Vocal, Baixo) são naturais de Santa Catarina, enquanto Ian Bueno (Bateria) é de São Paulo. juntos, lançaram o primeiro single Right Next to You em setembro de 2017 pela gravadora brasileira Abraxas Records. Com este feito, alcançaram mais de 100k de streams (audições) no Spotify em apenas 3 meses. A música também apareceu em playlists editoriais do Brasil, da França e do Reino Unido.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Disaster Cities"


Pattie Boyd: o infernal triângulo com George Harrison e Eric ClaptonPattie Boyd
O infernal triângulo com George Harrison e Eric Clapton

As regras do Death MetalAs regras do Death Metal
As regras do Death Metal

Metallica: a lista de exigências da banda em 1983Metallica
A lista de exigências da banda em 1983

Slayer: quando Cronos deixou Tom Araya de olho roxoHeavy Metal: 5 músicos que não são metaleiros mas amam o estiloBruce Dickinson: câncer pode ter sido causado por sexo oral?AC/DC: "Escrevemos músicas para jovens de 17 anos"

Sobre Ricardo Cunha

Apaixonado por música e estudante de Filosofia, juntou os interesses para escrever principalmente sobre rock e metal.

Mais matérias de Ricardo Cunha no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336