RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemEx-guitarrista do Megadeth não liga para Mustaine e diz que está "fazendo dinheiro para ele"

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemSlash se sente feliz por não existir internet nos primórdios do Guns N' Roses

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemVocalista do Skid Row divulga cover matador de "Painkiller", do Judas Priest

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco

imagemQuatro músicas de artistas brasileiros que citam Os Paralamas do Sucesso

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok


Behemoth: abrindo novos caminhos dentro do estilo

Resenha - I Loved You at Your Darkest - Behemoth

Por Carlos Henrique Schmidt
Postado em 10 de outubro de 2018

Nota: 6

Eis que após muitas especulações e marketing ("não sei se haverá outro disco") surge o décimo primeiro disco dos poloneses do BEHEMOTH, "I Loved You at Your Darkest" ou ILYATYD.

O disco contém 12 faixas e pode ser divido em duas partes bem específicas, a primeira contém as faixas mais fortes do disco e a segunda, as medianas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Após a intro, inicia a ótima e já conhecida "Wolves of Siberia" que mostra que Nergal e sua trupe não perderam a mão para compor faixas agressivas.

"God=Dog", é o primeiro single do álbum, e apesar do título fraquíssimo, é a faixa mais experimental em todos os aspectos já criada pelo Behemoth trazendo andamentos e vocalizações incomuns, além o coro das crianças acompanhando Nergal durante a música. Se você sobreviver a este som, nada soará estranho no disco.

Importante salientar com relação aos coros, a banda os utiliza em várias faixas do álbum e realmente cria uma atmosfera bastante interessante.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

"Bartzabel" podemos dizer que é a primeira balada Death/Black Metal do mundo. É uma ótima faixa, com um incrível solo e belas vocalizações e certamente um dos grandes destaques deste disco. Os solos neste disco tendem a ser bastante interessantes, quase todos eles soam mais rock’n’roll e cheios de carga melódica do que tipicamente metal. "Bartzabel" é quase totalmente acústicas, aliás quase todas as faixas contém elementos acústicos, Nergal havia afirmado que não usava muito mais a guitarra para compor mas sim o violão, talvez uma explicação para isso.

Aqui encerra-se o que classifiquei a primeira parte do disco, a partir dai não existem faixa que eu poderia dizer que se destacam muito, talvez "Havohej Pantocrator" é interessante e tem uma sonoridade bem melancólica, mas uma letra fraquíssima e para fechar o disco temos a instrumental "Coagula".

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Então para quem acompanhou o BEHEMOTH ao longo dos anos, em especial na década passada, esqueça aquele Death/Black brutal com dezenas de riffs por minuto, o BEHEMOTH de hoje está mais refinado e simples, mas nunca negando suas raízes.

ILYATYD não é um disco facilmente digerível e nem seu melhor trabalho, mas mostra que BEHEMOTH tem muito ainda a mostrar para o mundo do metal. Na minha opinião, é um dos discos mais experimentais e ousados do Behemoth desde Grom e, assim como Grom, ele tende a não ser bem aceito por todos. Ele aprimora o estilo iniciado em "The Satanist", não o supera, mas conduz para outros caminhos ainda não trilhados pela banda.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Nergal é uma artista que não tem medo de ousar, nem todos vão entender ou aceitar este álbum, mas ele não parece se importar muito com isso e nem deveria, pois a arte é a visão do artista não dos críticos.

Destaques: Wolves of Siberia, God=Dog, Ecclesia Diabolica Catholica, Bartzabel, Coagula

1. Solve
2. Wolves ov Siberia
3. God = Dog
4. Ecclesia Diabolica Catholica
5. Bartzabel
6. If Crucifixion Was Not Enough…
7. Angelvs XIII
8. Sabbath Mater
9. Havohej Pantocrator
10. Rom 5:8
11. We Are the Next 1000 Years
12. Coagvla
13. O Pentagram Ignis (Japão)

Wolves ov Siberia

God = Dog

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Bartzabel

[an error occurred while processing this directive]


Outras resenhas de I Loved You at Your Darkest - Behemoth

Resenha - I Loved You at Your Darkest - Behemoth

Resenha - I Loved You at Your Darkest - Behemoth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Metal Hammer: As melhores músicas da história do Death Metal


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Carlos Henrique Schmidt

Graduado em Computação e Administração, a paixão pela música pesada surgiu nos primeiros anos da adolescência e permanece até os dias de hoje. Apesar da preferência pelos estilos mais x-tremos da música pesada (Black, Death, Grind), o seu universo musical não limitado por estes rótulos, mas pelo que a música em si transmite.
Mais matérias de Carlos Henrique Schmidt.