RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemFatboy Slim confessa ter se arrependido de conhecer David Bowie pessoalmente

imagemA influente banda que acabou causando a "separação" do Guns N' Roses

imagemQuando Roberto Carlos foi alfinetado por Raul Seixas, mas o Rei gostou do que ouviu

imagemO megahit dos Beatles inspirado em desenho de amiguinha do filho de John Lennon

imagemOzzy Osbourne é contemplado com dois Grammy na edição de 2023 do evento

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagemAs polêmicas escolhas do Nirvana para o "MTV Unplugged in New York"

imagemAs 5 bandas confirmadas no Summer Breeze Brasil que não tocarão em outras cidades

imagemO hit da Legião Urbana que Renato Russo considerava "pretensioso e babaca"

imagemA única música tocada no Festival de Woodstock que atingiu o primeiro lugar nas paradas

imagemQuando o Lynyrd Skynyrd irritou Mick Jagger ao abrir o show dos Rolling Stones

imagemNovo álbum do Angra será o melhor da era Fabio Lione, segundo Felipe Andreoli

imagemLendário empresário do Kiss se manifesta sobre acusações de playback de Paul Stanley

imagemKiss: Segundo Gene Simmons, Ace Frehley votou pela demissão de Peter Criss, em 1980

imagemMax Cavalera escolhe seus álbuns "não metal" preferidos


Stamp

Astral Doors: um novo álbum de inéditas após três anos

Resenha - Black Eyed Children - Astral Doors

Por Franklin da Silva Monteiro
Postado em 23 de agosto de 2018

Nota: 8

O ASTRAL DOORS volta com um álbum de inéditas após 3 anos, desde "No From the Shadows". O novo "Black Eyed Children" é o oitavo trabalho de estúdio da banda sueca, lançado em 31 de março de 2017, pela Metalville.

Contando com claras influências de Dio, principalmente nas linhas de vocais de NILS JOHANSON e no som que remete ao heavy metal clássico, era esperado mais um álbum de um trabalho bem executado que atende as expectativas de qualquer ouvinte.

Iniciando com "We Cry Out", com um som bem clássico, encaixa perfeito como música de abertura, é uma viagem de volta aos tempos de Rainbow.

‘Walls" é a segunda faixa, trazendo um estilo mais melódico, com introdução limpa e sonoridades remetendo a influências de Avantasia, explorando alternativas sonoras, como pode ser ouvido no encerramento da mesma.

"God is Devil" é o rock clássico cheio de clichês, mesmo assim mostra qualidade, vindo na sequência outra ‘’hard rocker’’ "Die on Stage’’, com uma bela introdução executada por órgão e a lenta e cadenciada "Tomorrow’s Dead".

"Good vs. Bad" é uma canção furiosa, que traz de volta a velocidade de riffs bem executados, lembrando as canções de guerra de CIVIL WAR, projeto paralelo de JOHANSON, principalmente no refrão poderoso.

"Suburban Song", conta com uma bela introdução de violão e um andamento de fácil assimilação. Aqui ouvimos uma boa influência do hard rock clássico, bem nítido no som do ASTRAL DOORS, dividindo atenção com o heavy metal.

"Lost Boy" é uma faixa que mistura riffs empolgantes de guitarra com boas doses de órgão, tornando o som bem encorpado. Mais uma vez o refrão bem executado, marca de uma boa banda com influências de power metal.

"Slaves to Ourselves" com uma introdução épica, contado com as harmonias de guitarra, fecha o ciclo do segundo ato do álbum, que inicia em "Good vs. Bad". Uma faixa bastante enérgica, possui ótimos solos de teclado e guitarra.

E por fim temos, Black Eyed Children", faixa-título com quase 9 minutos de duração, possui todos os elementos e clichês de um bom heavy metal. É uma das melhores faixas do álbum se levar em consideração a criatividade sonora desenvolvida ao longo da canção.

No fim das contas, "Black Eyed Children" é um álbum que deve agradar, apesar das mudanças no horizonte sonoro do ASTRAL DOOS com o passar dos anos, quem acompanha a banda desde os primórdios, pode sentir falta do velho estilo tão marcante dos primeiros álbuns.

Faixas
01. We Cry Out
02. Walls
03. God Is the Devil
04. Die on Stage
05. Tomorrow's Dead
06. Good vs Bad
07. Suburban Song
08. Lost Boy
09. Slaves to Ourselves
10. Black Eyed Children

Banda
Nils Patrik Johansson – Vocals (Lion's Share, Wuthering Heights, ex-Civil War, ex-Richard Andersson's Space Odyssey)
Joachim Nordlund– Guitars (Sky of Rage)
Mats Gesar – Guitars
Jocke Roberg – Keyboards
Johan Lindstedt – Drums
Ulf Lagerstroem – Bass

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Def Leppard Motley Crue 2

Slayer: a trágica e não revelada história do fim de Jeff Hanneman


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal