Matérias Mais Lidas

Rodolfo Abrantes: O sonho da minha mãe era eu voltar aos RaimundosRodolfo Abrantes
"O sonho da minha mãe era eu voltar aos Raimundos"

Snowy Shaw: ex-King Diamond se oferece para substituir Marko Hietala no NightwishSnowy Shaw
Ex-King Diamond se oferece para substituir Marko Hietala no Nightwish

Soul Station: projeto de Paul Stanley com guitarrista brasileiro lança músicaSoul Station
Projeto de Paul Stanley com guitarrista brasileiro lança música

Metallica: TikToker que calou haters na guitarra agora tem patrocínio da Sully GuitarsMetallica
TikToker que calou haters na guitarra agora tem patrocínio da Sully Guitars

Carlinhos Brown: ele diz que provocou garrafadas no Rock in Rio 2001 e explica razãoCarlinhos Brown
Ele diz que provocou garrafadas no Rock in Rio 2001 e explica razão

Guns N' Roses: Bumblefoot revela quais músicas mais gostava de tocar ao vivoGuns N' Roses
Bumblefoot revela quais músicas mais gostava de tocar ao vivo

Nirvana: Kurt Cobain cuspiu no piano de Elton John pensando ser de Axl Rose.Nirvana
Kurt Cobain cuspiu no piano de Elton John pensando ser de Axl Rose.

AC/DC: Axl Rose sempre sugeria músicas esquecidas para shows (mas em cima da hora)AC/DC
Axl Rose sempre sugeria músicas esquecidas para shows (mas em cima da hora)

Megadeth: Mustaine se tornou vocalista por acaso e por causa de um delineadorMegadeth
Mustaine se tornou vocalista por acaso e por causa de um delineador

Kurt Cobain: ele não curtia Led Zeppelin e Aerosmith devido às letras machistasKurt Cobain
Ele não curtia Led Zeppelin e Aerosmith devido às letras machistas

Yngwie Malmsteen: aos 10 anos ele fazia solos de Blackmore e enganava os amigosYngwie Malmsteen
Aos 10 anos ele fazia solos de Blackmore e enganava os amigos

Jon Schaffer: Todd La Torre se diz chocado, mas não surpreso com atos do guitarristaJon Schaffer
Todd La Torre se diz chocado, mas não surpreso com atos do guitarrista

Eddie Van Halen: ele chorou quando Wolfgang mostrou música que fala sobre perdaEddie Van Halen
Ele chorou quando Wolfgang mostrou música que fala sobre perda

Saxon: banda divulga cover para a clássica Speed King, do Deep PurpleSaxon
Banda divulga cover para a clássica "Speed King", do Deep Purple

Max Cavalera: O único presidente bom do Brasil foi mortoMax Cavalera
"O único presidente bom do Brasil foi morto"


Matérias Recomendadas

Slipknot: veja a evolução das máscaras de cada integrante da estreia aos dias atuaisSlipknot
Veja a evolução das máscaras de cada integrante da estreia aos dias atuais

Vocalistas: as vozes mais agudas do Metal segundo o NoisecreepVocalistas
As vozes mais agudas do Metal segundo o Noisecreep

David Bowie: conheça 60 fatos da vida do camaleãoDavid Bowie
Conheça 60 fatos da vida do camaleão

Tamanho é documento?: os Rock Stars mais altos e baixosTamanho é documento?
Os Rock Stars mais altos e baixos

Bruce: Olhei para Di'Anno e pensei que deveria estar lá!Bruce
"Olhei para Di'Anno e pensei que deveria estar lá!"

Tunecore
Baladas de Sangue

Datavenia: Versatilidade e qualidade em seu Metal

Resenha - Welcome to the Underground - Datavenia

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Sobreira
Enviar Correções  

O disco de estréia de uma banda, é o marco de uma carreira, e vai ser lembrado por toda a vida. Erros e acertos andam lado a lado, e a força de vontade supera os obstáculos, para que no final das contas tudo saia o mínimo possível como o planejado. Assim, a banda gaúcha Datavenia, desafiou a si própria, bem como aos ouvintes que se deparam com este seu debute ‘Welcome to the Undreground’, lançado no ano passado.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Vinda da cidade de Frederico Westphalen/RS, o Datavenia nos proporciona uma musicalidade curiosa e versátil, que não se prende unicamente em determinada ramificação do Metal, mas explorou detalhes do Heavy e Thrash, bem como adicionou nuances Groove e possíveis influências dos anos 90 (uma delas seria Pantera?) contudo, sem deixar de soar moderno. O som se baseia em andamentos quase cadenciados, com alguns momentos de alguma velocidade, que são poucos. Senti falta de mais velocidade em uma música ou outra, e principalmente, de uma composição inteiramente veloz, contudo, isso não é um problema.

Em dez composições, nota-se que a produção ajudou, tendo ficado a cargo de todos os integrantes, juntamente com Moris Drumm, e soa muito boa, destacando satisfatoriamente todos instrumentos e o vocal, mas ainda precisou buscar um equilíbrio mais exato entre partes de destaque e partes de base – entenda-se: teclados; que ou por opção da banda, em os fazer soarem mais ponderados, ou por causa da produção, soam baixos, sendo que independentemente da proposta do Datavenia, mereciam um certo destaque, pois dariam um toque a mais ás músicas, ainda que se mantendo em segundo plano.

O instrumental foi muito bem executado, com boas doses de técnica e senso melódico, aliados à boa intuição para as indispensáveis partes pesadas, por toda a extensão do ‘play’. Os vocais de Guilherme são bem expressados, mas por conta de alguns trejeitos, chegam a lembrar James Hetfield (pois é… mais uma vez sou perseguido por esse fantasma…), mas felizmente, não soa como uma cópia do citado músico – o que seria totalmente desnecessário e reservado às bandas cover.

Com a trinca inicial puxando para o lado grooveado, em "Even if it Dies" a agradável pegada Thrash predomina, com o andamento mais acelerado, entretanto, sem deixar de lado partes mais cadenciadas, como no refrão. Mas, e se eu lhe contar, que após esse momento de agito, outro razoavelmente mais "relax" daria continuidade ao trabalho, com introdução de dedilhados de violão, seguidos por um curto e melódico solo de guitarra, que levam "The Last Chance", a um clima praticamente Hard Rock – principalmente do início dos anos 90? Pois é, você não leu errado, ou muito menos eu escrevi asneiras, mas ficou muito interessante esse passo "ousado", e ao mesmo tempo consciente em exibir essa – inesperada – versatilidade! Para os mais temerosos, o trem volta aos trilhos com "Hot Ginger Woman", já apelando ao Metal habitual da banda. "Bang Your Head" – que nada tem a ver com os norte-americanos do Quiet Riot – injeta doses de Groove novamente, enquanto que "Bad Days" chega a ser discretamente mais sombria. Esta mesma sensação se segue com os momentos iniciais da poderosa "Rescue Me". O fim chega com "Unprotected", encerrando bem os 45 minutos de boa música.

Em "Welcome to the Underground", a banda estreou com o pé direito… Mas ainda sim, se trata de uma estréia, e tudo se acerta com a experiência adquirida pelo tempo. Confira!

Banda:
Guilherme Busatto (vocal e guitarra);
Gabriel Quatrin (guitarra);
Guilherme Argenta (baixo e backing vocal)
Eduardo Pegoraro (bateria)

Faixas:
01. Welcome to the Undreground
02. Hate to the Bones
03. Metal God
04. Even if it Dies
05. The Last Chance
06. Hot Ginger Woman
07. Bang Your Head
08. Bad Days
09. Rescue Me
10. Unprotected.


Outras resenhas de Welcome to the Underground - Datavenia

Datavenia: Uma banda madura, produção profissional


Stamp
Receba novidades de Rock e Heavy Metal por Whats App


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Polêmica: as músicas mais controversas da história do RockPolêmica
As músicas mais controversas da história do Rock

Esquisitices: algumas exigências bizarras para showsEsquisitices
Algumas exigências bizarras para shows


Sobre Vitor Sobreira

Moro no interior de Minas Gerais e curto de tudo um pouco dentro do maravilhoso mundo da música pesada, além de não dispensar também uma boa leitura, filmes e algumas séries. Mesmo não sendo um profissional da escrita, tenho como objetivos produzir textos simples e honestos, principalmente na forma de resenhas, apresentando e relembrando aos ouvintes, bandas e discos de várias ramificações do Metal/Heavy Rock, muitos dos quais, esquecidos e obscuros.

Mais matérias de Vitor Sobreira no Whiplash.Net.