Heretic: ocultismo e metal extremo intercalados no som

Resenha - Pessimist - Heretic

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo M. Brauna
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

Após os lançamentos de "Opus Heretika" (2011), do EP "Lamashtu" (2013) e de "Leitourgia" (2015), o músico Guilherme Aguiar soltou o seu quarto trabalho, "The Pessimist" (2015).

Pagando mico: 10 maneiras de ser expulso ou humilhado em um showUltimate Classic Rock: as filhas mais belas dos rockstars

A temática sonora e sensação de ouvir um trabalho do Heretic são as mesmas de sempre. Muito peso, muitos arranjos e muita elegância em onze músicas instrumentais, incluindo uma versão para "Caravans to Ur" da banda israelense Melechesh e outra para "Genesis" do Ghost.

Não há como negar que músicas como "Arak" não possua elementos necessários para um padrão extremo de death metal, pois o peso, a técnica e a agressividade dos riffs são construídos com exímia exatidão e conformidade atribuídas ao estilo. Por outro lado, "Nameless Magick" e "Sitar Bomb" resguardam em sua estrutura, objetividades que levam à misteriosa civilização oriental.

Essa mistura folk e progressiva que contrasta com a brutalidade na música do Heretic, já virou sinônimo de originalidade atribuído ao trabalho do músico. Durante o CD é muito comum você acompanhar momentos de vibração selvagem como na faixa "The Pessimist" e, de repente, ser tomado por uma aura de arranjos surreais, como acontece também em "Act V".

Mas não é só na parte rítmica e atmosférica que o Heretic se mostra competente. Os guitarristas convidados Luis Maldonalle e Moisés Henrique, surpreendem nos solos como em "Ouzakia" e na seguinte "Ras Divine Light". Suas técnicas tanto penetrantes quanto melódicas, são tão bem encaixadas que há momentos em que submergem na harmonia das músicas, saindo de cena sem percebermos.

A produção feita por Guilherme, exalta a qualidade das composições, mostrando regularidade nas mixagens, com uma bela masterização, ou seja, o "one man band" sabe evoluir em todos os sentidos da música.

E para quem possui uma das mil cópias disponibilizadas em formato físico, percebeu a qualidade também da capa que se desdobra em três partes, num formato "digipack". Se curte esoterismo dentro do metal, o Heretic tem um mundo de lições a te mostrar. Acompanhe o trabalho da "banda" que certamente você ficará satisfeito.

Faixas:

01.Nameless Magick
02.Arak
03.Sitar Bomb!
04.The Pessimist
05.Act V
06.Interlude
07.Ouzakia
08.Ra's Divine Light
09.Dead Language
10.Genesis (Ghost cover)
11.Caravans To Ur (Melechesh cover)


Outras resenhas de Pessimist - Heretic

Heretic: metal com influências de música do oriente médioHeretic: álbum recheado de músicas de extremo refinamento




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Heretic"


Pagando mico: 10 maneiras de ser expulso ou humilhado em um showPagando mico
10 maneiras de ser expulso ou humilhado em um show

Ultimate Classic Rock: as filhas mais belas dos rockstarsUltimate Classic Rock
As filhas mais belas dos rockstars


Sobre Leonardo M. Brauna

Leonardo M. Brauna é cearense de Maracanaú e desde adolescente vive a cultura do Rock/Metal. Além do Whiplash, o redator escreve para a revista Roadie Crew e é assessor de imprensa da Roadie Metal. A sua dedicação se define na busca constante por boas novidades e tesouros ainda obscuros.

Mais matérias de Leonardo M. Brauna no Whiplash.Net.

adGoo336