Matérias Mais Lidas

imagemFilho de Trujillo fez guitarra na "Master of Puppets" que toca em Stranger Things

imagemMetallica em "Stranger Things" deixa fãs preocupados com a "popularização" da banda

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemSummer Breeze Open Air Brasil acontece em abril de 2023 em São Paulo

imagemLady Gaga: "o Iron Maiden mudou a minha vida!"

imagemPink Floyd: Suas 10 músicas mais subvalorizadas, segundo a What Culture

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagemO álbum do The Who que Roger Daltrey achou "uma m*rda completa

imagem"Stranger Things" traz cena com "Master of Puppets", do Metallica

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemMorre aos 43 anos Andrew LaBarre, ex-guitarrista e vocalista da banda Impaled

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal


Airbourne 2022

In Extremo: Mais um álbum forte na discografia

Resenha - Quid Pro Quo - In Extremo

Por Vitor Sobreira
Em 05/08/17

A banda alemã In Extremo já contabiliza um pouco mais de 20 anos de existência, e por consequência, uma discografia respeitável com 11 álbuns oficiais, mais alguns ‘ao vivo’ e acústicos.

Inicialmente praticando um Medieval/Folk Metal, com o tempo foram evoluindo em sua sonoridade, adicionando uma roupagem mais moderna do Rock e sutis pitadas de algo mais Alternativo. Também foram reduzindo aos poucos o lado Medieval, mesmo sem deixar de lado alguns conceitos líricos e de instrumentos como harpa, gaitas de fole, tambores e afins.

Lançado três anos após ‘Kunstraub’, ‘Quid Pro Quo’ saiu em 24 de junho de 2016, pela Vertigo Records, com 11 faixas e alguns bônus dependendo da versão. Com algumas novidades em seu característico e criativo Folk Metal/Rock, a banda convidou os conterrâneos Hansi Kürsch (Blind Guardian) na faixa "Roter Stern" e Marcus Bischoff e Alexander Dietz (ambos do Heaven Shall Burn) em "Flaschenteufel". Além disso, retornaram com composições em outras línguas, além do habitual alemão, como o estoniano em "Pikse Palve", o russo em "Чёрный ворон" (Corvo Negro) e do galês em "Dacw' Nghariad".

Apresentando uma variedade de muito bom gosto, músicas pesadas e dinâmicas, se aliam a outras mais acessíveis, mas todas com refrões fortes e as inspiradoras melodias dos instrumentos exóticos, fazendo com que a audição não soe cansativa. Contudo, a formula do In Extremo, por mais interessante que seja, infelizmente acaba atraindo o fantasma da previsibilidade em alguns momentos. Ainda como observação, percebe-se, juntamente com a nítida produção, uma atenção redobrada nas sessões rítmicas, ou se preferir, a popular "cozinha" – que apresentou mais velocidade e peso.

Iniciar o álbum com uma canção rápida, mas ao mesmo tempo com as belas notas da gaita de foles, sem dúvidas foi uma ótima aposta e "Störtebeker" foi a escolhida, sem contar que ainda possui um vídeo oficial. "Roter Stern" dá uma pausa na velocidade, mas o refrão forte ainda mantém o disco em alta, juntamente com a animada faixa título. "Pikse Palve" é a mais "Folk", e na maior parte de sua extensão de menos de quatro minutos, me lembrou um pouco a sonoridade dos alemães do Faun (onde inclusive, o vocalista "Das letzte Einhorn" já fez participações).

A direta "Flaschenteufel" faz um bom par com a carregada "Dacw' Nghariad", mas a desnecessária "Moonshiner", não permite que a seqüencia final fique completa, mas "Glück auf Erden" e "Чёрный ворон" logo resolvem isso. "Sternhagelvoll" encerra oficialmente o álbum e literalmente transparece isso com seu clima de despedida, sem maiores destaques e com aquilo de melhor a banda sabe fazer.

‘Quid Pro Quo’ é mais um forte trabalho na carreira dos alemães, com boas composições, produção e músicos entrosados que dão vida a esse curioso ‘Yin-Yang’ entre épico e atual. É uma experiência que é muito melhor compreendida, conhecendo e curtindo sua boa música!

Banda:
Das letzte Einhorn (vocal);
Van Lange (guitarra);
Die Lutter (baixo);
Specki T.D. (bateria);
Dr. Pymonte (Bagpipe, Harp, Shawm);
Flex der Biegsame (Bagpipe, Shawm);
Yellow Pfeiffer (Bagpipe, Shawm, Nyckelharpa)

Faixas:
01. Störtebeker
02. Roter Stern
03. Quid pro Quo
04. Pikse Palve
05. Lieb Vaterland, Magst Ruhig Sein
06. Flaschenteufel
07. Dacw' Nghariad
08. Moonshinder
09. Glück auf Erden
10. Чёрный ворон
11. Sternhagelvoll.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Exodus: "Rick Rubin é uma verdadeira fraude", diz Gary Holt


Sobre Vitor Sobreira

Moro no interior de Minas Gerais e curto de tudo um pouco dentro do maravilhoso mundo da música pesada, além de não dispensar também uma boa leitura, filmes e algumas séries. Mesmo não sendo um profissional da escrita, tenho como objetivos produzir textos simples e honestos, principalmente na forma de resenhas, apresentando e relembrando aos ouvintes, bandas e discos de várias ramificações do Metal/Heavy Rock, muitos dos quais, esquecidos e obscuros.

Mais matérias de Vitor Sobreira.