Matérias Mais Lidas

imagemRegis Tadeu explica porque Sandy não deve cantar músicas do Metallica

imagemO Metallica não tem mais o que provar, muito menos algo novo para oferecer

imagemNoel Gallagher revela o rockstar que ficou mais impressionado de conhecer pessoalmente

imagemOs curiosos dois significados da expressão "Eu quero ver o oco", segundo Digão

imagemO impagável apelido que Andre Matos deu a Luis Mariutti por sua pontualidade

imagemO surpreendente disco que Tom Morello considera um dos melhores de todos os tempos

imagemOs Raimundos traíram os Titãs? Sérgio Britto comenta e conta a versão dele

imagemPaul Stanley, do Kiss, fala sobre os shows da reunião do Pantera

imagemAngra: Luis Mariutti conta sobre atritos entre Andre Matos e Rafael Bittencourt

imagemGuitarrista Brian Ray conta como é ter Paul McCartney como patrão

imagemMetallica: o que Regis Tadeu achou de "Lux Aeterna", nova música da banda?

imagemAndreas Kisser opina sobre a reunião do Pantera, que começou nesse sábado

imagemRobert Plant confessa de qual música o Led Zeppelin tirou "Gallows Pole"

imagemCinco discos de heavy metal para ouvir sem pular nenhuma faixa

imagemA estratégia do Barão Vermelho para evitar críticas de copiar Titãs nos anos 1990


Samael Hypocrisy
Stamp

R.I.V.: inovadora e ousada mistura de Progressivo com Hardcore

Resenha - Welcome To Prog-Core (demo) - R.I.V.

Por Bruno Rocha
Postado em 09 de julho de 2017

Nota: 5

Fundada em 1989, a banda RHYTHMS IN VIOLENCE (R.I.V.) se propunha a tocar um hardcore enérgico até o ano de 1996, quando encerrou suas atividades. O grupo retornou em 2016 com os membros originais Helbert De Sá (vocais) e Cláudio Freitas (guitarras). Com a nova formação fechada com o baterista Ricardo Parreiras e com o baixista Rodrigo Boechat, a banda ressurgiu e trouxe junto uma nova ideia sonora: misturar os arranjos intrincados do Progressivo com a agressividade do Hardcore, no que a banda chama de "Prog-Core". Em 2016, ano do retorno, a banda gravou a demo "Welcome To Prog-Core", contendo quatro músicas. A bela imagem da capa, com uma predominante tonalidade azul, junto com o som que a banda prometeu entregar, me deixou curioso para conhecer o tal "Prog-Core".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Me senti como se eu estivesse dirigindo um carro em alta velocidade, numa estrada completamente esburacada.

Reconheço que é nobre a intenção do R.I.V. de trabalhar uma mistura de Hardcore com Progressivo; de tentar encontrar um denominador comum para dois gêneros diametralmente opostos. Mas, pelo menos nesta demo, esta ideia não surtiu tanto efeito. A vontade de espremer vários arranjos intrincados em músicas muito curtas deixaram-nas sem foco. As várias mudanças repentinas de andamento tornam as músicas confusas. Não há uma preocupação em construir uma ponte entre as mudanças, para tornar a audição mais palatável.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Recomendo que se escolha um foco: ou o Progressivo, ou o Hardcore. Isto não quer dizer que a banda tenha que abandonar sua intenção de trabalhar em um novo estilo. Capacidade técnica os músicos aqui mostraram que tem de sobra. O que falta é usar esta técnica em favor das composições, para que elas simplesmente fluam. Não fará mal, por exemplo, aumentar o tempo das músicas para cinco ou seis minutos. Isso pode até ser uma solução para o problema de se trabalhar vários arranjos em uma só música. Sugiro que criem mais espaço para que a música respire e flua. A agressividade e a rispidez do Hardcore não sofrerão com esta mudança. A banda quer criar um novo estilo? Então, trabalhe com as peculiaridades das duas, mas tudo em prol de um foco.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Cuidado também com a mixagem. Os graves ficaram mal-equalizados nesta demo, causando um desconforto e um barulho estranho nos auto-falantes, no meu caso, fone-de-ouvido. Em todo caso, para uma demo, o som ficou bom, a menos desse detalhe. Os instrumentos estão nítidos e a timbragem deles é ótima.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ainda, os vocais de Helbert são assustadoramente fantásticos! Mesmo com as dificuldades que a mixagem impôs, sua voz se sobressai e é o grande destaque da demo. Falei da qualidade técnica dos músicos. O baterista Ricardo Parreiras é técnico e tem muita destreza com os arranjos intrincados das músicas.

Após a gravação da demo, a banda passou por novas mudanças na formação, se reduzindo a um power-trio. Helbert de Sá agora empunha as guitarras e ainda mantém a parceria com o baterista Ricardo Parreiras. Ambos agora tem a companhia do baixista Fabrício Soares. O R.I.V. está agora em vias de lançar seu novo full-length, "Progressive Core". Desejo que a banda reveja estes pontos que citei, pois o grupo tem muita personalidade, criatividade e ousadia para se destacar em nosso Metal.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Welcome To Prog-Core (demo) - R.I.V. (independente, 2016)

Tracklist:
01. Headache
02. Animal
03. Freaks In Action
04. No... P.A.S.

Line-up:
Helbert de Sá - vocais
Cláudio Freitas - guitarras
Rodrigo Boechat - baixo
Ricardo Parreiras - bateria

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Summer Breeze


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Bateristas: os dez músicos mais loucos de todos os tempos

Iron Maiden: "pequena falha" em outdoor na Russia em 2011


Sobre Bruno Rocha

Cearense de Caucaia, professor e estudante de Matemática, torcedor do Ferroviário e cafélotra. Entrou pelas veredas do Heavy Metal na adolescência e hoje é um aficionado e pesquisador de todos os gêneros mais tradicionais desta arte e de suas épocas. Tem como forte o Doom Metal, não obstante o sol de sua terra-natal.

Mais matérias de Bruno Rocha.