Matérias Mais Lidas

imagemBruno Valverde diz que preconceito contra ele veio mais da igreja do que dos metaleiros

imagemDez ótimas músicas do Iron Maiden escritas pelo agitado guitarrista Janick Gers

imagemRegis Tadeu se garante e não retira uma palavra do que disse sobre Di'Anno e Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagemA inesperada música do Whitesnake que serviu de inspiração para "Carry On" (Angra)

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemQuando Chorão, do Charlie Brown Jr, quase levou porrada do Rick Bonadio

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemAC/DC: Angus Young recorda como fazia para ouvir rock em seus tempos de garoto

imagemA apaixonada opinião de Elton John sobre "Nothing Else Matters", clássico do Metallica

imagemA opinião de Herbert Vianna sobre a crítica musical e sua imagem de "bom moço"

imagemA "traumática" e "desagradável" experiência de ser preso, segundo Arnaldo Antunes

imagemA estratégia usada por Mille Petrozza, do Kreator, para "reaprender" músicas antigas


Stamp

Overkill: elétricos e agressivos em "The Electric Age"

Resenha - Electric Age - Overkill

Por Vitor Sobreira
Em 22/06/17

Lançado em 27 de março de 2012 nos EUA, e três dias depois na Alemanha, ‘The Electric Age’ é o décimo sexto trabalho completo do Overkill, e o segundo pela gravadora Nuclear Blast, que mostrou uma banda mais viva do que nunca, compondo da mesma maneira agressiva, energética e pesada, de sempre.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Com a formação estabilizada desde 2007, com o álbum ‘Immortallis’ (e que se mantém até os dias de hoje), os incansáveis Bob Blitz e DD Verni, juntamente com seus companheiros Dave Linsk, Derek Tailor e Ron Lipnicki, se mantiveram fiéis as sua identidade no Thrash Metal, e em 50 minutos de música, não deixaram a peteca cair. Seria até difícil de entender, se o disco deixasse a desejar, pois além das músicas, suas colocações nos ‘charts’, foram muito boas, principalmente em sua terra natal, além de beliscar também na Suécia, Suíça, Alemanha, Hungria, Áustria, Japão e Coréia do Sul.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Posições a parte, "Come and Get It", justifica os números, iniciando a audição como muitas bandas tentam, mas poucas conseguem: com diversidade e dinamismo – apresentando velocidade, quebra de ritmos e até mesmo coros com algum teor épico. A tocha olímpica é passada a diante com "Electric Rattlesnaske" e "Wish You Were Dead", que mantiveram o mesmo pique, e vagamente as mesmas estruturas citadas acima. Para a sequencia não ficar muito repetitiva, "Black Daze" é cadenciada, mas não menos leve, no entanto, logo cede espaço para a rápida "Save Your Self", onde mais uma vez, os backing vocals dão uma força extra na empolgação.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Drop the Hammer Down", "21st Century Man", "Old Wounds, New Scars" e "All Over But the Shouting", nos conduzem, pouco a pouco, ao fim da audição, com a mesma qualidade das demais faixas anteriores, apresentando igualmente peso, técnica, qualidade (tanto de captação, quanto musical), execução instrumental e vocal muito acima da média – preste atenção nos riffs, solos, cozinha e vocais – sem contar a mescla de velocidade com mudanças de tempo, sempre constantes e que não deixaram com que o fantasma da repetição assombrasse o álbum, que é finalizado com "Good Night" – que com o título e o bonito dedilhado, até enganam que possa se tratar de uma faixa mais calma… Mas, após um pouco mais de 1 minuto, o instrumental chega chutando tudo, com maestria, pondo o ponto final, em mais um capítulo de sua longa história.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como curiosidade, apesar de ser um membro completo da banda, Derek Tailer não toca guitarra nos álbuns de estúdio, sendo que Dave Linsk executa todas as partes do instrumento de seis cordas.

Formação:
Bobby "Blitz" Ellsworth (vocal);
Dave Linsk (guitarra e backing vocal);
Derek Tailer (backing vocal);
DD Verni (baixo e backing vocal);
Ron Lipnicki (bateria)

Faixas:
01. Come and Get It
02. Electric Rattlesnake
03. Wish You Were Dead
04. Black Daze
05. Save Yourself
06. Drop The Hammer Down
07. 21st Century Man
08. Old Wounds, New Scars
09. All Over But the Shouting
10. Good Night.


Outras resenhas de Electric Age - Overkill

Resenha - Electric Age - Overkill

Resenha - Electric Age - Overkill

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


2000 a 2002: 10 shows/turnês pouco comentados


Garimpeiro das Galáxias: Beldades globais e sua paixão pelo rock


Sobre Vitor Sobreira

Moro no interior de Minas Gerais e curto de tudo um pouco dentro do maravilhoso mundo da música pesada, além de não dispensar também uma boa leitura, filmes e algumas séries. Mesmo não sendo um profissional da escrita, tenho como objetivos produzir textos simples e honestos, principalmente na forma de resenhas, apresentando e relembrando aos ouvintes, bandas e discos de várias ramificações do Metal/Heavy Rock, muitos dos quais, esquecidos e obscuros.

Mais matérias de Vitor Sobreira.