RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA atitude ousada da Legião Urbana ao peitar Globo e Faustão no meio de uma grande crise

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemA razão que levou Humberto Gessinger a decidir não usar mais nome "Engenheiros do Hawaii"

imagemPor que Gisele Bündchen e Ivete Sangalo deturparam "Imagine", segundo André Barcinski

imagemDiva Satânica explica qual foi a razão que a fez deixar a banda Nervosa

imagemO último show de Bon Scott com o AC/DC, três semanas antes de sua morte

imagemA hilária reação de Keith Richards ao encontrar músicos do Maneskin

imagemDavid Coverdale relembra parceria com Jimmy Page, e fala sobre relançamento

imagemAs duas razões que levaram RPM a passar por segunda separação em 2003

imagemEm entrevista, Tony Iommi contou como aprendeu a tocar guitarra

imagemAlém do Moonspell, São Paulo Metal Fest anuncia Beyond Creation em seu cast

imagemAngra parabeniza a aniversariante Sandy nas redes sociais

imagemJimmy Page sobre o "Presence": "Não se faz músicas como aquelas caindo de bêbado"

imagemGuitarrista do Offspring continuou em seu emprego normal mesmo depois da fama

imagemPrika explica por que nova vocalista da Nervosa não é brasileira e promete single em março


Stamp

All Seven Days: Moderno, pesado e envolvente

Resenha - Synthetic Soul - All Seven Days

Por Vitor Sobreira
Postado em 28 de abril de 2017

Nota: 7

A banda All Seven Days, exibe em seu álbum ‘Synthetic Soul’ – lançado este ano, em formato digital – uma forma musical complexa e envolvente, que transita entre elementos do Prog, do Groove Metal e com algo de Alternativo/Metalcore, bem como uma expressiva variação de passagens e detalhes brilhantes, que vão do mais agressivo ao mais acessível, em dez faixas.

Em poucas audições, é possível se enxergar uma carreira cheia de frutos a serem colhidos pelo All Seven Days, pois desde as composições, passando pela belíssima obra de capa e até os músicos envolvidos, tudo é de muito bom gosto e de grande competência e esforço, mas com o tempo, ainda podem melhorar consideravelmente, para angariar notas mais altas, principalmente em relação à produção.

Como a sonoridade da banda segue uma linha mais moderna, com sessões rítmicas complexas, certo uso de graves e afinações um pouco mais baixas, o peso precisa ser equilibrado e muito bem equalizado, para não criar uma "embolação" entre as passagens instrumentais – como podem ser ouvidas em determinados trechos, ao longo da audição. Além do mais, uma atenção especial em se escolher melhor os timbres, distorções e efeitos (principalmente das guitarras), seja em uma base ou n’um solo, pode influenciar muito nos detalhes finais. Outra questão a ser explicitada, é a respeito dos vocais de Gui Fonseca, que se sairia melhor empregando mais doses de ‘drive’ em suas interessantes interpretações, e abrir mão da suavidade em excesso nos limpos – que inclusive chega a lembrar vagamente, aquela musicalidade em evidencia na terra do Tio Sam, que além do peso se foca "terrivelmente" no comercial.

Os destaques existem aos montes, e estão presentes em todas as músicas, mas uma em especial que me atraiu a atenção logo na primeira audição, é a faixa "Chronus and Cairos", com bem elaborados coros de vozes, que conferiram um clima de mistério e poder.

Com algumas observações e reparos aqui e acolá, está banda ainda nos promete muitas surpresas em um futuro – espero eu – bem próximo. Confiram, curtam, tirem suas conclusões, mas acima de tudo, valorizem a Música Pesada feita em nosso território brasileiro, que apesar dos pesares, possui grandiosa qualidade!

Formação:
Gui Fonseca (vocal);
Dan Gomes (guitarra solo e backing vocal);
Stanley Lima (guitarra base e backing vocal);
Matheus Carvalho (baixo e teclado);
Henry Correia (bateria)

Faixas:
01 – Synthetic Soul
02 – Ashes
03 – Black Ruby –
04 – Dead End
05 – Enough
06 – Last Command
07 – Chronus and Cairos
08 – Solace
09 – Cross of Sorrows
10 – Tears of Revolution.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Summer Breeze

Slayer: a trágica e não revelada história do fim de Jeff Hanneman


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Vitor Sobreira

Moro no interior de Minas Gerais e curto de tudo um pouco dentro do maravilhoso mundo da música pesada, além de não dispensar também uma boa leitura, filmes e algumas séries. Mesmo não sendo um profissional da escrita, tenho como objetivos produzir textos simples e honestos, principalmente na forma de resenhas, apresentando e relembrando aos ouvintes, bandas e discos de várias ramificações do Metal/Heavy Rock, muitos dos quais, esquecidos e obscuros.
Mais matérias de Vitor Sobreira.